CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Um destroçado sorriso

A vida escreve coisas estranhas em nossas almas.

Seu espectro retorna e sempre me assombra
Já que seu corpo disse o que o meu corpo queria saber.

Encontrar o que sempre procuramos e dizer adeus
É o mesmo que querer suicídio
E suicido a cada hora então,
Só que a dor é maior
Quando estamos mortos e caminhamos
Pelo trilho da impossibilidade.

Seu olhar levantou a manhã
Eu sou a noite desequilibrada
Que sente a dor pungente
Do sol da separação.

És algum encanto no sabor dos lábios.
Sinto sede de sua pele e de sua boca,
De sua voz e de seus pensamentos,
Nunca mais olharei para alguém sem antes
Ter-te a perturbar-me o espírito

Caminhas pelo meio dia triste
E pelo sol que não arrancas-te mais risos.

Ainda estou nas trevas e tentando criar o inferno
Enforcando dias e noites
Gritando para alguma nuvem
Sacrificando alguma lembrança
Amando apenas minha dor
Meu minuto meu velório
Minha vida meu sacrifício.

Mas levo algum sonho tentando arrebentar a noite e o meu sono
Na tentativa de transportar-te
Para o meu cínico sorriso novamente.

Submited by

terça-feira, dezembro 15, 2009 - 20:06

Ministério da Poesia :

No votes yet

Alcantra

imagem de Alcantra
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 5 anos 21 semanas
Membro desde: 04/14/2009
Conteúdos:
Pontos: 1563

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Alcantra

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Amor Soma de poemas 5 755 02/27/2018 - 12:09 Português
Poesia/Geral Abismo em seu libré 0 958 12/04/2012 - 00:35 Português
Poesia/Geral Condado vermelho 0 1.233 11/30/2012 - 22:57 Português
Poesia/Geral Ois nos beijos 1 932 11/23/2012 - 11:08 Português
Poesia/Geral Dores ao relento 0 1.190 11/13/2012 - 21:05 Português
Poesia/Geral Memórias do norte 1 577 11/10/2012 - 19:03 Português
Poesia/Geral De vez tez cromo que espeta 0 1.152 11/05/2012 - 15:01 Português
Poesia/Geral Cacos de teus átomos 0 817 10/29/2012 - 10:47 Português
Poesia/Geral Corcovas nas ruas 0 1.296 10/22/2012 - 11:58 Português
Poesia/Geral Mademouselle 0 696 10/08/2012 - 15:56 Português
Poesia/Geral Semblantes do ontem 0 754 10/04/2012 - 02:29 Português
Poesia/Geral Extravio de si 0 830 09/25/2012 - 16:10 Português
Poesia/Geral Soprosos Mitos 0 1.386 09/17/2012 - 22:54 Português
Poesia/Geral La boheme 0 1.025 09/10/2012 - 15:51 Português
Poesia/Geral Mar da virgindade 2 664 08/27/2012 - 16:26 Português
Poesia/Geral Gatos-de-algália 0 1.360 07/30/2012 - 16:16 Português
Poesia/Geral Vidas de vidro num sutil beijo sem lábios 2 868 07/23/2012 - 01:48 Português
Poesia/Geral Vales do céu 0 719 07/10/2012 - 11:48 Português
Poesia/Geral Ana acorda 1 1.017 06/28/2012 - 17:05 Português
Poesia/Geral Prato das tardes de Bordô 0 694 06/19/2012 - 17:00 Português
Poesia/Geral Um sonho que se despe pela noite 0 799 06/11/2012 - 14:11 Português
Poesia/Geral Ave César! 0 1.693 05/29/2012 - 18:54 Português
Poesia/Geral Rodapés de Basiléia 1 863 05/24/2012 - 03:29 Português
Poesia/Geral As luzes falsas da noite 0 1.530 05/14/2012 - 02:08 Português
Poesia/Geral Noites com Caína 0 958 04/24/2012 - 16:19 Português