CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

O carisma do louco

Inevitavelmente...
A fossa é entregue ao diabo

Um sinal, um motivo!
Lento sussurrar convulso confuso
Cérebro organizador de cenários desbalanceados

Ser peça, mas com diferentes funções e encaixes

Sempre se modelando como louco sábio
Perante aos que pensam que pensar de forma própria é vitória,
Confundir
Orientar
Seu gênio jogado imprevisível
Sobre o vitorioso que ironicamente sem querer entrega não sua honra,
Mas sua falsa sensação de vencedor, de inquebrantável, de impenetrável.

Quantas vezes o abominável foi visto com beleza rasgada em olhos sorridentes,
Quantas vezes o escuro preso num ato
Angariou romances atormentados pelo medo de amar
Se esquivando do soco da paixão

E é assim que um simples perfume penetra um nariz.
Não obstante, a boca pede pela água,
O choro é a alegria da lágrima,
Dia e noite são separados pela tarde
Em seu ciúme irremediável.
Quem disse que a língua ama a fala
Ou que o ouvido é a prisão do som?

Nunca mais estará em casa
Nunca mais estará em casa
Não há volta
Para os que nunca estiveram
Presentes num retrato envelhecido
Lembrado por lágrimas escaldantes

Uma bomba preste a explodir
De cada pessoa oculta
Destino de si

Submited by

terça-feira, dezembro 15, 2009 - 19:56

Ministério da Poesia :

No votes yet

Alcantra

imagem de Alcantra
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 5 anos 20 semanas
Membro desde: 04/14/2009
Conteúdos:
Pontos: 1563

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Alcantra

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Amor Soma de poemas 5 749 02/27/2018 - 12:09 Português
Poesia/Geral Abismo em seu libré 0 943 12/04/2012 - 00:35 Português
Poesia/Geral Condado vermelho 0 1.224 11/30/2012 - 22:57 Português
Poesia/Geral Ois nos beijos 1 923 11/23/2012 - 11:08 Português
Poesia/Geral Dores ao relento 0 1.182 11/13/2012 - 21:05 Português
Poesia/Geral Memórias do norte 1 564 11/10/2012 - 19:03 Português
Poesia/Geral De vez tez cromo que espeta 0 1.139 11/05/2012 - 15:01 Português
Poesia/Geral Cacos de teus átomos 0 807 10/29/2012 - 10:47 Português
Poesia/Geral Corcovas nas ruas 0 1.288 10/22/2012 - 11:58 Português
Poesia/Geral Mademouselle 0 694 10/08/2012 - 15:56 Português
Poesia/Geral Semblantes do ontem 0 745 10/04/2012 - 02:29 Português
Poesia/Geral Extravio de si 0 824 09/25/2012 - 16:10 Português
Poesia/Geral Soprosos Mitos 0 1.379 09/17/2012 - 22:54 Português
Poesia/Geral La boheme 0 1.014 09/10/2012 - 15:51 Português
Poesia/Geral Mar da virgindade 2 656 08/27/2012 - 16:26 Português
Poesia/Geral Gatos-de-algália 0 1.347 07/30/2012 - 16:16 Português
Poesia/Geral Vidas de vidro num sutil beijo sem lábios 2 861 07/23/2012 - 01:48 Português
Poesia/Geral Vales do céu 0 712 07/10/2012 - 11:48 Português
Poesia/Geral Ana acorda 1 1.009 06/28/2012 - 17:05 Português
Poesia/Geral Prato das tardes de Bordô 0 689 06/19/2012 - 17:00 Português
Poesia/Geral Um sonho que se despe pela noite 0 794 06/11/2012 - 14:11 Português
Poesia/Geral Ave César! 0 1.683 05/29/2012 - 18:54 Português
Poesia/Geral Rodapés de Basiléia 1 858 05/24/2012 - 03:29 Português
Poesia/Geral As luzes falsas da noite 0 1.524 05/14/2012 - 02:08 Português
Poesia/Geral Noites com Caína 0 949 04/24/2012 - 16:19 Português