CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Árvore de Sanguessugas - III / Companhia de Sensações - I

quantas (muitas) são as traições em pensamento? soltaram-se do sonho para envergar, nos teus lábios, o desejo de me vazar o coração.

ela ou ele acende um cigarro de quem desmistifica o mais guardado dos segredos. tem asas a cobrirem o terror de não poder voar no bocejo do desejo. os sítios que agora conheço, por onde passo, são mistérios onde procuro vestígios de mim, a minha alma ardente, queima a madeira gasta pelos passos nalgumas cidades. - o coração de serpente ainda não vacilou, as sanguessugas permanecem adormecidas e eu sozinho -. escrever para recordar. não consigo perder a memória, paisagens do cume montanhoso, luzes abrilhantam as vidas das cidades escuras.

vou cortar o tendão que me liga o corpo aos passos, fantasma, das palavras.

quantas são as traições do pensamento na masturbação nocturna? fantasiaste sozinha, acompanhada por tantos outros homens.

- / -

a Alegria vestia-se sozinha. calças de ganga gastas com algumas nódoas e um top cor berrante, ofuscante aquando o sol esbatido no peito, no ventre, no que a ninguém pertence. brilhava um sol ardente e com ele brilhavam todos os olhos, semicerrados e ofuscados pela tua cor berrante. no húmido rosto, a aparência inocente até parece verdadeira. mantida no tempo por frutos sasonais, alguns ricos em fibra outros ricos em gula e fetiches de me percorrer o corpo, de ajudar o Verão a queimar-me a pele exposta ao sol.

a apresentação foi a primeira que cruzou as palavras e o corpo.
sugar-me o coração? nem as histórias que compõem as civilizações correntes me emocionam, tenho interiorizado um mau feitio que me dei a conhecer. acordo, adormeço, sonho ou morro, não me importo. trais-me em pensamento e eu morro e não me importo.

percepções - as minhas mãos húmidas, secas por dentro e de pele camaleão, vestem o medo de te desejar. muitas foram as demais vezes que estiveram estendidas. nem um muro para tocar. só existia ausência e saudade para apertar, para alimentar as mãos. e os braços, quase tentáculos de polvo, com um esboçar frio no preenchimento. os pulsos dobram e vergam as mãos para um abismos, uma manhã de nevoeiro que não deixa ver as montanhas, tudo parece limitado e tão perto. as mãos vergadas a afogarem-se no abismo. um pé na boca para encaminhar os gemidos. um pé para encaminhar os gemidos.

o vulcão acorda em mim adormecido, a lava branca não tem destino certo. a tua boca, a tua quente boca. os olhos sempre húmidos e a boca por vezes seca. troca de ofícios e de caprichos.

percepções - o céu pára a chuva cansada de cair. a minha namorada enriquece o coração enquanto dorme, salgada e sonha. o Desgaste, amigo de longa data - o mais antigo de todos - ainda está acordado. olha a rua no inicio da vida de mais um cigarro. daquele copo ainda a meio, dá vida a mais um cigarro. dá vida à morte e descansa o olhar num banco de jardim por baixo dos olhos fechados. o meu amigo Desgaste sempre viveu fiel à sua razão, nas vezes que foi chamado a intervir, jamais chegou atrasado. na outra ponta da casa, respousava a mais feminina das mulheres. a Loucura deixou a tremule realidade a quem ainda não adormecera, e entrou no mundo irreal depois de massacrar violentamente o sexo. repousava despida no colchão, com um lençol branco a cobrir-lhe algum corpo. é nestas horas da noite que Loucura prefere viver, mas hoje estava mais cansada que um cavalo de corrida.

a Embriaguez saiu marcava o relógio nove horas. a minha amiga Embriaguez é a minha mais recente amizade. nos passos, solta dos ténis uma fragância a chulé com cheiro a álcool, nas palavras saía um sopro do álcool revoltado que se confundia com absinto ainda na garrafa e no sangue, o sangue era tão fluido e claro como a água. as contusões eram quase brancas. era familiar verter o sangue para um copo e servi-lo à refeição. era álcool do mais puro. quando entra em casa, costuma entoar aos gritos o nome da minha namorada: Solidão. Solidão é o nome da minha sonhadora namorada.

Hugo Sousa

Submited by

quinta-feira, março 20, 2008 - 09:08

Prosas :

No votes yet

HugoSousa

imagem de HugoSousa
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 9 anos 28 semanas
Membro desde: 03/09/2008
Conteúdos:
Pontos: 243

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of HugoSousa

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Fotos/ - Eu há uns bons aninhos. 0 723 11/24/2010 - 00:34 Português
Fotos/ - Outro eterno amor. 0 695 11/24/2010 - 00:34 Português
Fotos/ - 119 0 883 11/24/2010 - 00:34 Português
Fotos/ - 118 0 773 11/24/2010 - 00:34 Português
Fotos/ - 117 0 951 11/24/2010 - 00:34 Português
Prosas/Outros Árvore de Sanguessugas - III / Companhia de Sensações - I 0 436 11/18/2010 - 23:39 Português
Prosas/Outros Árvores de Sanguessugas - I 0 538 11/18/2010 - 23:39 Português
Poesia/Geral Não Sei, O Medo 0 569 11/17/2010 - 19:29 Português
Poesia/Geral Vou Continuar 0 661 11/17/2010 - 19:29 Português
Poesia/Geral Por Vezes Sim 1 350 02/25/2010 - 23:31 Português
Poesia/Geral Minha Mulher Morta (Tendência dos Três M's) 1 479 02/25/2010 - 23:30 Português
Prosas/Outros Hoje Não 1 583 02/24/2010 - 14:27 Português
Prosas/Outros Dói-lhe Os Dentes - Parte I 1 730 02/24/2010 - 14:26 Português
Prosas/Outros Dói-lhe Os Dentes - Parte II 1 557 02/24/2010 - 14:26 Português
Prosas/Outros Gostamos De Cerejas, Arranca-me Os Olhos 1 630 02/24/2010 - 14:22 Português
Prosas/Outros Mataram-me-te 1 788 02/24/2010 - 14:21 Português
Prosas/Outros Companhia de Sensações - II 1 417 02/24/2010 - 14:15 Português
Prosas/Outros Árvore de Sanguessugas - IV 1 638 02/24/2010 - 14:14 Português
Poesia/Geral Sonhos Altos 1 460 02/24/2010 - 02:54 Português
Poesia/Geral Nem No Cochão Existem Dias 1 406 02/24/2010 - 02:53 Português
Poesia/Geral Sopro 1 392 02/24/2010 - 02:53 Português
Poesia/Geral Anti 1 835 02/24/2010 - 02:49 Português
Poesia/Geral Resto 1 442 02/24/2010 - 02:48 Português
Poesia/Geral Morreu O Titulo 1 434 02/24/2010 - 02:47 Português
Poesia/Geral Na Desistência Está A Virtude Quando Nada Vale A Pena 1 451 02/24/2010 - 02:46 Português