CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Árvores de Sanguessugas - I

merda de cabeça doente eu tenho, aliada ao coração devastado pelo passado, pelo tempo e pelo tempo desconfiado. nem tu padeces da cura, nem a tua presença duvidosa me faz crer nos dias alegres, repletos de certezas. não consigo perder a memória. perder a memória seria, talvez, encontrar-me a mim. não consigo desprender a memória, perder o passado. a tua presença é duvidosa, todas as presenças são duvidosas, sanguessugas prontas a chupar até ao tutano o coração e abandonar o corpo. fica o corpo caído no chão frio. levam o coração e deixam o corpo ou pulverizam minuciosamente os infinitos sentimentos e não deixam só o corpo, têm a resplandecente ousadia de abandonar também o coração.

nunca mais fui quem era. não consigo perder a memória e fico a saber, sem esquecer, que nunca mais fui quem era. de meigo animal surgiu uma serpente que invadiu o prédio: subiu as paredes amareladas e com a janela entreaberta habitou a casa. nunca mais fui quem era. as sanguessugas existem mesmo e a serpente que agora sou tem coração novo. não me vou reduzir a pele. vou ser corpo, pele e coração. as sanguessugas existem mesmo. os mundos subterrâneos com paredes feitas de terra e raízes e mundos, os buracos cavados prontos a receber-me como uma semente de papoila. cobrirem-me de terra e deixar a pessoa. com a chuva, surgir no mundo e crescer no sentido oposto da gravidade. misturo-me tanto na multidão sendo pessoa como me misturaria sendo flôr. ia parar às mãos de algúem, arrancar-me-iam o coração e o corpo mergulhado em água turva com cheiro a podre do podre que me mantenho. nem virado do avesso denoto vida, só reparo que a cor esbranquiçada dá lugar a um vermelho meio cor de vinho. as veias desprendem-se, o figado abre-se no chão e o coração fica suspenso, agarrado ao ponteiro do relógio de pulso parado. o tempo parado é o tempo eterno sem um horizonte á vista.

Hugo Sousa

Submited by

quarta-feira, março 19, 2008 - 09:52

Prosas :

No votes yet

HugoSousa

imagem de HugoSousa
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 9 anos 28 semanas
Membro desde: 03/09/2008
Conteúdos:
Pontos: 243

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of HugoSousa

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Fotos/ - Eu há uns bons aninhos. 0 722 11/24/2010 - 00:34 Português
Fotos/ - Outro eterno amor. 0 695 11/24/2010 - 00:34 Português
Fotos/ - 119 0 882 11/24/2010 - 00:34 Português
Fotos/ - 118 0 772 11/24/2010 - 00:34 Português
Fotos/ - 117 0 951 11/24/2010 - 00:34 Português
Prosas/Outros Árvore de Sanguessugas - III / Companhia de Sensações - I 0 436 11/18/2010 - 23:39 Português
Prosas/Outros Árvores de Sanguessugas - I 0 537 11/18/2010 - 23:39 Português
Poesia/Geral Não Sei, O Medo 0 569 11/17/2010 - 19:29 Português
Poesia/Geral Vou Continuar 0 661 11/17/2010 - 19:29 Português
Poesia/Geral Por Vezes Sim 1 350 02/25/2010 - 23:31 Português
Poesia/Geral Minha Mulher Morta (Tendência dos Três M's) 1 479 02/25/2010 - 23:30 Português
Prosas/Outros Hoje Não 1 583 02/24/2010 - 14:27 Português
Prosas/Outros Dói-lhe Os Dentes - Parte I 1 730 02/24/2010 - 14:26 Português
Prosas/Outros Dói-lhe Os Dentes - Parte II 1 557 02/24/2010 - 14:26 Português
Prosas/Outros Gostamos De Cerejas, Arranca-me Os Olhos 1 630 02/24/2010 - 14:22 Português
Prosas/Outros Mataram-me-te 1 787 02/24/2010 - 14:21 Português
Prosas/Outros Companhia de Sensações - II 1 416 02/24/2010 - 14:15 Português
Prosas/Outros Árvore de Sanguessugas - IV 1 638 02/24/2010 - 14:14 Português
Poesia/Geral Sonhos Altos 1 459 02/24/2010 - 02:54 Português
Poesia/Geral Nem No Cochão Existem Dias 1 406 02/24/2010 - 02:53 Português
Poesia/Geral Sopro 1 392 02/24/2010 - 02:53 Português
Poesia/Geral Anti 1 835 02/24/2010 - 02:49 Português
Poesia/Geral Resto 1 442 02/24/2010 - 02:48 Português
Poesia/Geral Morreu O Titulo 1 434 02/24/2010 - 02:47 Português
Poesia/Geral Na Desistência Está A Virtude Quando Nada Vale A Pena 1 451 02/24/2010 - 02:46 Português