CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Círculo d'Encontro

Pela tarde, já com o Sol em queda livre, bem para lá da fasquia do prumo do dia, a raposa tomava rumo entre folhas dormentes. Procurava enxotar a apatia molenga da tarde quente. Dirigia-se para a função a si atribuída nas memórias veneráveis do tempo. No teatro da fábula da vida recebera a astúcia para enredar o ingénuo lobo em tramas do mais fantástico ardil. Momento repetido vezes sem conta, como um conto sempre moderno.

Aquele lobo já deve ter bebido uns bons milhares de hectolitros da água de tolice para conseguir alcançar um queijo tão lunático (quanto a imaginação que o concebeu), lá bem no fundo do poço!

Porém, hoje, nestas artes indecifráveis do destino, tanto a raposa como o lobo chegaram demasiado cedo. Ainda não havia luar! E sem luar… não há queijo!

O lobo, algo tristonho – mais do que o habitual – rendeu-se à evidência:

- “A vida é tão triste que me distrai os passos. Estou cansado desta história e deste papel. Tanto para fazer, tanto para descobrir e aqui estou preso ao cadeado da rotina, do quotidiano que o escritor do fado me impôs. Que fazer agora, enquanto espero?...”

A raposa, de atenção matreira e ouvido apurado, escutou os lamentos do parceiro de cena. Pensou na oportunidade de representar outras travessuras, novas e diferentes, enquanto aguardaria pela actriz Lua. Abeirou-se sorrateira e despertou-o para a sua presença.

- “Passeemos...de almas dadas!”, disse a alegre e arguta raposa.

Não contava era com a resposta que recebeu: - “Ao luar do sorriso do céu azul…”.

– “Que brilha para lá da noite”, replicou a raposa.

- “E do amanhecer.” Suspirou o lobo.

- “Que desponta insone e febril”.

Fez uma pausa e retomou: -“Estranho-te, irmão lobo. Melhor, surpreendes-me. Tantos séculos volvidos e jamais te escutei assim. Será que estás diferente, ou estarão meus sentidos diferentes? Vejo-te renovado de vestes interiores, com um coração maior do que julgava…

- “…e com uma aurora de grande angular, puxada por um arco-íris tresmalhado!”, atalhou o lobo.

Fez-se um silêncio ainda maior…

- “Que se perdeu do seu vértice e deriva sem ocaso?” perguntou a raposa.

- “Sim, enquanto cresce em imponência e brilho…”

- “…e só precisa onde poisar o olhar”, adiantou-se a raposa.

Novo interregno contemplativo e de pasmo. Coube ao lobo cortar a pausa e insistir naquela inesperada troca de sentires.

- “E descansar o dorso que suporta o firmamento.”

- “Numa suave cama de folhas de milho descamisado…”

- “Com almofadas forradas a erva-cidreira e lençóis de rosmaninho em ponto de cruz.”

- “Onde se derramam os afectos?”

O lobo engoliu em seco, mas arregaçou a vontade e respondeu: -“E se amassam em delicadeza as carícias!”

- “Que sobram da pele prisão?”, insistiu a raposa.

- “… e do corpo caixão…”

Deleitava-se a raposa com aquele enfeitiçado prazer de descoberta de um ser que sempre (des)conhecera! – “Estou encantada, irmão lobo, por te saber assim, com sentimentos maiores e tão erudito de espírito e palavra…que sorvo ávida.”

- “Mas serena, e perene de fruto maduro...”

- “Com toque de seda e mãos de teia!”

- “E olhar de espelho cativante e odor de maçã canela, que tanto me encolhe em receio de rejeição”, deixou escapar o Lobo.

E continuou: -“É para que te recostes em sonho real, comadre raposa…”

- “Fazes-me sorrir. Isso é bom. Já não são necessários truques e enganos – com que te ignorei e com que me atalhei na atenção – para me sentir bem junto a ti.

- “O verdadeiro sorriso; um sorriso que não parece ter extremos e de forte espreguiçar muscular”, sorriu por sua vez o lobo.

- “Daqueles sem fronteiras, nem prisões”

- “…nem tristezas, anseios ou timidez!”

- “Porque bom é olhar e VER!”, gritou enfim a raposa.

- “Olhar pelas paredes dos enredos e das fobias; trespassá-las como se fossem de gelatina”

- “E construir novos alicerces.”

- “De um novo mundo, aproveitando apenas o que houver a aproveitar do velho continente”, completou o lobo.

- “Apagarei as más recordações e as peias que do passado trago. E se os deuses mantiverem o destino inflexível, ajudar-te-ei a beber a água do poço e a resgatar o queijo que nele não existe. Estaremos os dois iludidos, todavia juntos. Para lá das obrigações seremos quem quisermos ser”, sussurrou a raposa enquanto se aproximava do lobo.

- “Agora que nos conhecemos na essência e perfilhamos a partilha de uma sorte melhor, atulharemos o poço, para que o feitiço da Lua não nos cegue na condução da vida.”

Moral da história? Talvez, anda meio mundo a enganar outro meio mundo… porque não se dá ao trabalho de o conhecer na sua essência. “Matar” primeiro e perguntar depois, na sobrevivência da selva social…

Andarilhus e o próximo

“(ºvº)”

XI : VI . MMVII

Submited by

sexta-feira, março 7, 2008 - 12:58

Prosas :

No votes yet

Andarilhus

imagem de Andarilhus
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 9 anos 11 semanas
Membro desde: 03/07/2008
Conteúdos:
Pontos: 868

Comentários

imagem de Henrique

Re: Círculo d'Encontro

Uma história da vida!!!

:-)

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Andarilhus

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Fotos/ - 517 0 1.841 11/24/2010 - 00:35 Português
Fotos/ - 320 0 2.241 11/24/2010 - 00:35 Português
Fotos/ - 16 0 2.427 11/24/2010 - 00:33 Português
Prosas/Contos Por Ti Seguirei... (24º episódio) 0 976 11/19/2010 - 00:08 Português
Prosas/Contos Por Ti Seguirei... (25º episódio) 0 1.264 11/19/2010 - 00:08 Português
Prosas/Contos Por Ti Seguirei... (21º episódio) 0 992 11/19/2010 - 00:08 Português
Prosas/Contos Por Ti Seguirei... (22º episódio) 0 1.182 11/19/2010 - 00:08 Português
Prosas/Contos Por Ti Seguirei... (23º episódio) 0 889 11/19/2010 - 00:08 Português
Prosas/Contos Por Ti Seguirei... (19º episódio) 0 1.254 11/19/2010 - 00:08 Português
Prosas/Contos Por Ti Seguirei... (20º episódio) 0 856 11/19/2010 - 00:08 Português
Prosas/Contos Por Ti Seguirei... (17º episódio) 0 1.138 11/19/2010 - 00:08 Português
Prosas/Contos Por Ti Seguirei... (15º episódio) 0 1.271 11/19/2010 - 00:08 Português
Prosas/Contos Por Ti Seguirei... (16º episódio) 0 915 11/19/2010 - 00:08 Português
Prosas/Contos Por Ti Seguirei... (12º episódio) 0 864 11/19/2010 - 00:08 Português
Prosas/Contos Por Ti Seguirei... (14º episódio) 0 1.239 11/19/2010 - 00:08 Português
Prosas/Contos Por ti Seguirei... (13º episódio) 0 833 11/19/2010 - 00:08 Português
Prosas/Contos Por ti Seguirei... (10º episódio) 0 1.100 11/19/2010 - 00:08 Português
Prosas/Contos Por Ti Seguirei... (11º episódio) 0 1.350 11/19/2010 - 00:08 Português
Prosas/Contos Por Ti Seguirei... (8º episódio) 0 892 11/19/2010 - 00:08 Português
Prosas/Contos Por Ti Seguirei... (8º episódio) 0 1.070 11/19/2010 - 00:08 Português
Prosas/Romance Por Ti Seguirei... (5º episódio) 0 685 11/18/2010 - 23:45 Português
Prosas/Outros Das Certezas (tomo III) 0 1.010 11/18/2010 - 23:39 Português
Prosas/Contos Dedicato 0 1.194 11/18/2010 - 23:38 Português
Prosas/Contos Por Ti Seguirei... (18º episódio) 0 892 09/10/2010 - 08:33 Português
Prosas/Contos Por Ti Seguirei... (9º episódio) 0 667 08/03/2010 - 17:10 Português