CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

CONFUSÃO DE AMOR

Quando João ia saindo de sua casa, Carlos estava entrando lá na dele. Neste exato momento, Miguel ia caminhando na rua, sem saber ainda ao certo para onde estava indo. Os três – completos desconhecidos até então – logo mais se esbarrariam. E o que os uniria seria um controvertido caso de amor que ia acabar em confusão com a polícia.
E a grande responsável por todo este “abacaxi” tinha charme, beleza e simpatia de sobra; e nomes, também... Três, pelo menos!

...

Estatura mediana, cabelos encaracolados e olhos grandes (bunda e peitos idem), quem não a conhecesse que a comprasse por uma menina bem-comportada. Na verdade, Marcela era uma maluquete que não atinava para as consequências quase sempre ruidosas de seus relacionamentos amorosos.
Sua mãe, dona Adelaide, lhe dava conselhos e mais conselhos. Que pouco ou nada adiantavam.
“Essa menina é mesmo uma destrambelhada!”, dizia, suspirando, para as amigas.

...

João estava saindo de casa para se encontrar com sua “ficante”. Carlos, que estava entrando lá na casa dele, acabara de chegar de um encontro, também com a sua “ficante”. E Miguel – cara tímido, romântico – ia acompanhando de longe uma garota que vira passando na rua e pensou que talvez pudesse ficar com ela, quem sabe até namorar e casar...
Nos três casos, a moça era a mesma pessoa. Para João, ela se chamava Marcela. Para Carlos, Catarina. E para Miguel, que ainda não a conhecia, ela se apresentaria como Doralice.

...

Miguel seguiu a moça até a rodoviária, ali perto.
Quando ela chegou lá, ficou uma eternidade olhando as revistas numa banca. Decidiu-se finalmente por uma dessas revistas de fofoca e foi sentar-se num banco próximo.
Miguel comprou um jornal na mesma banca e se chegou de mansinho. Pediu licença para se sentar e em troca recebeu um sorriso encantador.
Os dois ficaram lendo em silêncio. Ou melhor, fingindo que liam.

...

Não demora muito, a moça se vira para Miguel e diz:
“Esperando alguém?”
“Não, não... E você?”
“Sim. Meu namorado.”
“É? E ele vem de onde?”
“De canto nenhum.”
“Como assim?, não entendi.”
“Desculpe, o João é daqui mesmo. A gente ficou de se encontrar.”
“Mas por que logo aqui, na rodoviária?”
“Eu gosto. Acho legal ver as pessoas que nem formigas, nesse vaivém.”
“Prazer, o meu nome é Miguel.”
“Prazer, Doralice.”
Depois dos beijos costumeiros, a conversa segue animadíssima.
Até um rapaz de cara amarrada se aproximar.

...

Era o João, que não gostou nadinha da cena que viu.
“Oi, meu amor, como você demorou!”
“O que é isso? Quem é esse carinha aí?”
“Calma aí, João, a gente tava só conversando um pouco...”
“É, meu bem. Ele se sentou aqui, a gente ficou papeando; que mal que tem isso?”
“Papeando, é? Pelo jeito a conversa foi boa, já que ele sabe até meu nome!”
Furioso, João vai se sentar na outra ponta do banco.
“Desculpe, Doralice, não queria causar nenhum transtorno entre vocês...”
“Doralice?! Que negócio é esse, Marcela?”

...

Bem nesse momento, o celular da moça toca. Quando ela vai olhar quem é que está ligando, João, num gesto felino, surrupia o telefone.
“Ei, você não pode fazer, João!”
“Posso, sim. Quem é esse Carlos? Outro ‘namoradinho’ seu? O terceiro?”
“Mas o Miguel não é meu ‘namoradinho’. A gente tava só conversando, eu já disse!”
“É. Calma aí, João...”
“E você aí fique de bico calado, cara. Ninguém aqui tá pedindo sua opinião!”

...

“Alô!”
“Alô, este número é da Catarina?”
“Quem quer falar com a ‘Catarina’?”
“É o Carlos, pode passar pra ela?”
“O que você quer com ela, cara?”
“Quem tá falando?”
“É o homem dela, ainda não sacou?”
“Espera aí, mas eu é que fico com ela!”
“Rá! Pois saiba que tem mais dois na jogada, além de você. Venha aqui na rodoviária e vai conhecer o João e também o Miguel...”
“Desliga esse telefone, João, não seja ridículo!”
“Essa é a voz da Catarina... Que negócio é esse, cara?”
“Tô falando sério; é só dar um pulinho aqui na rodoviária, pra ver com seus próprios olhos que não estou mentindo.”
“Pois quer saber? Vou já aí tirar essa história a limpo. Não posso acreditar nisso, não posso mesmo...!”
Atordoado, Carlos nem pensa na possibilidade de aquilo se tratar de alguma cilada, de algum sequestro. Está confuso e louco de ciúmes.

...

“Devolve meu celular, João, eu quero ir pra casa!”
“Ah, não vai, não. Vai ter que esperar o seu ‘namoradinho’ Carlos chegar.”
“Será que ele vem mesmo, João?”
“Cala a boca, Miguel!”
“Vem, sim, Miguel. E a Marcela-Catarina-Doralice vai ter que escolher um de nós três!”
“Ah, sendo assim, eu vou esperar também!”
“Quer saber? Vou embora agora mesmo... Ai, me solta, João. Seu grosso!”

...

Carlos vem voando no carro emprestado de um amigo seu, Teodoro... que, por sinal, achava “Catarina” a maior gostosa. É claro que Carlos nem desconfiava disso!
Assim que chegou à rodoviária, ele ligou perguntando onde o “grupo” estava.
“Aqui, bem pertinho da banca de jornal!”, informa João, e então devolve o celular da moça.
E, maquiavélico, dá uma piscadinha para Miguel.
A garota, emburrada, fuzila os dois – e mais o dono da banca, que, agora, está a ponto de lhe comer com os olhos. Velho sacana.

...

“Pode me explicar o quê que tá pegando, Catarina?”
“Pra mim, ela disse que se chamava Marcela!”
“E pra mim, Doralice!”
“O quê?!”
“Ora, me deixem em paz!”
“Vamos, tô esperando uma explicação, comece a falar!”
“Sem-vergonha!”
“O quê você disse, Catarina?”
“Quem é sem-vergonha, Marcela?”
“É. Quem é, Doralice?”
“Aquele velhote ali; vejam, o safado não para de me olhar...”
Num gesto sincronizado, os três rapazes se voltam para o dono da banca de jornal. Então partem para cima dos jornais e revistas e começam a rasgar tudo. O pobre homem fica encolhido num canto, tremendo feito vara verde.
“Isso é pra você não se meter com a mulher dos outros!”, berra Carlos, no que é imitado por João e depois por Miguel.

...

Em dois tempos, a polícia aparece e algema os rapazes, que, no calor da barafunda, não perceberam ainda que a moça de muitos caras e muitos nomes faz tempo que deu no pé...
Esse detalhe não passa despercebido ao velhinho da banca de jornal, que murmura, com um sorrisinho de satisfação:
“Cambada de otários! Bem feito pra vocês, seus trouxas!”

Submited by

sexta-feira, maio 20, 2016 - 06:17

Prosas :

No votes yet

Hélio Sena

imagem de Hélio Sena
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 4 anos 25 semanas
Membro desde: 09/12/2011
Conteúdos:
Pontos: 64

Comentários

imagem de J. Thamiel

Comentando

Cara, isto tem continuação?
Eu não conhecia a palavra 'barafunda'.

imagem de Hélio Sena

Não tinha pensado misso, mas

Não tinha pensado misso, mas é uma boa ideia!
Pense numa barafunda que ia ser, rsrs.

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Hélio Sena

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Paixão POSSE 1 506 06/01/2016 - 12:07 Português
Prosas/Contos CONFUSÃO DE AMOR 2 406 05/24/2016 - 02:18 Português
Prosas/Contos CAMINHOS PERIGOSOS 2 634 05/20/2016 - 06:20 Português
Prosas/Contos A CRUZ 0 584 05/13/2016 - 12:25 Português
Prosas/Contos MINGAU PARA DOIS 0 461 05/12/2016 - 14:04 Português
Poesia/Geral CEIA 0 410 04/26/2016 - 15:15 Português
Poesia/Amor MARCA 0 350 04/26/2016 - 15:13 Português
Prosas/Contos COISAS DO OUTONO 0 1.409 09/21/2011 - 05:51 Português
Prosas/Outros A ÚLTIMA PALAVRA 0 529 09/18/2011 - 21:27 Português
Poesia/Geral INSÔNIA 1 538 09/17/2011 - 02:18 Português
Prosas/Contos A COR DA NOITE 0 708 09/16/2011 - 21:31 Português
Prosas/Contos O PECADO DE NOÉ 0 635 09/15/2011 - 04:08 Português
Prosas/Outros ONDE MORAM AS BORBOLETAS 0 1.764 09/15/2011 - 04:03 Português
Prosas/Contos LOS DIABITOS 0 938 09/14/2011 - 05:17 Português
Prosas/Contos À PROCURA DA FLOR 2 654 09/14/2011 - 05:09 Português
Prosas/Contos MEU QUASE ASSASSINATO 0 673 09/13/2011 - 03:50 Português
Prosas/Contos ANTES DA MEIA-NOITE 0 628 09/12/2011 - 05:37 Português