CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

A CRUZ

Seu pai era marceneiro, e foi com ele que João aprendeu o ofício.
Logo virou um profissional exímio.
Um dia, já homem feito – depois de fabricar uma porção de mesas, armários, cadeiras e até caixões de defunto –, resolveu fazer uma cruz.
Para ele, segundo o próprio.
Queria morrer pregado nela.
“Você quer ser Jesus Cristo, é?, disse sua mulher, ao saber daquele disparate.
“Claro que não!”, replicou ele.
“Então, por que essa loucura? Eu não te entendo!”
“Nem eu...”, tornou ele. “Nem eu me entendo, às vezes...”

...

Um mês depois, a cruz ficou pronta.
Os vizinhos, que tinham acompanhado todo o processo de feitura do madeiro, perguntavam, perplexos:
“Mas, João, você tem mesmo coragem de morrer crucificado?!”
“Tenho.”
“E quem vai pregar você na cruz? Você não pode se pregar sozinho, pode?”
“Não.”
“Pois então, como é que vai ser?”
“Na hora certa todos saberão.”
Os vizinhos, penalizados, balançavam a cabeça.
João havia enlouquecido. Coitado.

...

Certa noite, enquanto jantavam, João disse de repente:
“Maria, sexta-feira que vem será o grande dia.”
“O que é que tem?”
“A crucificação. A minha.”
“Pare de bestagem, homem. Sossegue. O melhor que você faz é me deixar usar aquela cruz como lenha, assim a gente economiza gás.”
João sorriu.
A mulher só podia estar de brincadeira.

...

No dia seguinte, inesperadamente, Maria foi embora para a casa dos pais. Subiu no pau-de-arara com as duas malas e só fez dizer para o marido:
“Adeus, João.”
Ele, de pé na varanda, calado estava e calado ficou.
Quando o caminhão sumiu numa curva da estrada, João levantou-se, entrou no pequeno galpão onde estava a cruz, e, ajoelhando-se diante dela, disse:
“Pronto... Começou o meu calvário!”

...

Sexta-feira chegou. João passou o dia numa inquietação danada. Tudo parecia nebuloso, e foi assim, nessa nebulosidade, que mais uma semana transcorreu.
Na sexta seguinte, João teve febre alta, altíssima!
À noite, foi dormir pensando na esposa. Ela tinha razão... A cruz daria uma boa lenha. E logo agora que estava sem dinheiro, e o botijão de gás havia secado.
Mas depois, sério, reconsiderou: e se aquela ideia não passasse de uma tentação do diabo, para fazê-lo declinar do seu intento, dando adeus à crucificação?
Melhor analisar aquela situação com calma, pensou.
Estava disposto a suportar todo e qualquer castigo, desde que não tivesse que ir para o inferno.

Submited by

sexta-feira, maio 13, 2016 - 12:25

Prosas :

No votes yet

Hélio Sena

imagem de Hélio Sena
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 4 anos 25 semanas
Membro desde: 09/12/2011
Conteúdos:
Pontos: 64

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Hélio Sena

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Paixão POSSE 1 506 06/01/2016 - 12:07 Português
Prosas/Contos CONFUSÃO DE AMOR 2 406 05/24/2016 - 02:18 Português
Prosas/Contos CAMINHOS PERIGOSOS 2 634 05/20/2016 - 06:20 Português
Prosas/Contos A CRUZ 0 583 05/13/2016 - 12:25 Português
Prosas/Contos MINGAU PARA DOIS 0 461 05/12/2016 - 14:04 Português
Poesia/Geral CEIA 0 410 04/26/2016 - 15:15 Português
Poesia/Amor MARCA 0 349 04/26/2016 - 15:13 Português
Prosas/Contos COISAS DO OUTONO 0 1.409 09/21/2011 - 05:51 Português
Prosas/Outros A ÚLTIMA PALAVRA 0 529 09/18/2011 - 21:27 Português
Poesia/Geral INSÔNIA 1 537 09/17/2011 - 02:18 Português
Prosas/Contos A COR DA NOITE 0 708 09/16/2011 - 21:31 Português
Prosas/Contos O PECADO DE NOÉ 0 635 09/15/2011 - 04:08 Português
Prosas/Outros ONDE MORAM AS BORBOLETAS 0 1.763 09/15/2011 - 04:03 Português
Prosas/Contos LOS DIABITOS 0 938 09/14/2011 - 05:17 Português
Prosas/Contos À PROCURA DA FLOR 2 654 09/14/2011 - 05:09 Português
Prosas/Contos MEU QUASE ASSASSINATO 0 672 09/13/2011 - 03:50 Português
Prosas/Contos ANTES DA MEIA-NOITE 0 628 09/12/2011 - 05:37 Português