CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

inacabado

“… acabo de chegar de um lugar indeterminado… não o sei localizar… fica algures na minha memória, já um pouco esbatida pelo tempo… gastei muito do meu tempo a lembrar o que não deveria ter sido recordado... mas o arrependimento não traz nada de novo, apenas revolve o velho e não deixámos de ser o que somos, apenas almas errantes neste mundo de contrastes e de negações… somos apenas e tão somente os "dejectos" dum mundo imperfeito… não nos foi dada a possibilidade de esboçar a nossa própria vida e assim temos de nos contentar com os constantes ensaios que fazem de nós, indeterminando a solução final… perdemo-nos na amálgama do tempo e da insanidade… já não somos quem queremos ser... somos apenas o que nos "dão" para ser… permitem-nos viver de memórias e de factos que de novo se transformam em lembranças... mas, lembrar para quê?… para sofrer?… para verificar que afinal de contas de nada serviu o esboço que de mim fizeram em constantes ensaios que a nada me levaram?… apenas à negação, só me levaram à negação... não sei quem sou… talvez nem queira saber: não foi para isso que aqui vim… vim a este mundo para ser feliz, disseram-me um dia… e eu, parvo, acreditei... vivi correndo nesse sentido… esbocei sorrisos e ensaiei risadas… tropecei, caí mas de novo me levantava... o horizonte estava sempre perto e me bastava estender a mão… a ajuda nunca me era negada… acreditei que o esboço que de mim fizeram em alguma coisa de bom se haveria de tornar, um dia, quando não sabia, mas haveria de me realizar... engano... puro engano... quando dei por mim estava caído, só, perdido, fendido em mil pedaços de mim, dorido de dores que não imaginava existirem... mesmo assim olhava em frente na expectativa de que o esboço que fizeram de mim, depois de tantos e tantos ensaios, me permitissem olhar e sorrir de novo... fiz isso muitas vezes… e havia sempre uma mão, ali, expectante, sorrindo para mim (engano)... para que foi que me sorriram?… porque me enganaram?… porque me disseram que sim?… porque razão me arrastei até aqui?… porquê?… que ganhei eu?… derrota após derrota?… claro que ganhei muitas batalhas, claro que sorri muitas vezes, claro que dei gritos de espanto e de prazer, claro que sim, mas, para quê?… para chegar a este fim?… para verificar que tudo o que vivi foi uma dramatização de mais uma história igual a tantas outras histórias de amor e sofrimento?… foi para isso?… foi para isso que me trouxeram até aqui?… foi para verificar que "isso" não existe?… e, o que é o "isso"?… o "isso" é um sarcástico riso dum engano simples mas preciso… dizem-nos: vai e sê feliz, foi para isso que aqui vieste… e eu vim, olhando, sorrindo, esboçando e ensaiando o que poderia vir a ser e a ter: um amor, o amor!… amei e fui amado… quis ficar pela simples razão de ter gostado… então amei e fui novamente amado e numa infindável sequência de vidas eu percebi que estava a ser traído pelo esboço que fizeram de mim… o ensaio não tinha tido ensaio geral… o pano subira para a representação da vida e eu não sabia o papel… destruíram-me, logo ali, logo à partida… negaram-me a possibilidade de estudar melhor as deixas e as palavras, os trejeitos e a forma de colocar o corpo no palco da vida… o esboço havia sido mal concebido… o ensaio não havia servido de nada... não havia ponto...
não havia nada... no entanto, pensei que havia tudo e de nada me servi a não ser da minha inadaptação ao papel... fui um mau actor…
agora as lágrimas caem-me e ninguém as vê… só as sinto aqui ao meu redor… olhos se me toldam numa profunda mágoa e a tristeza me invade… quis ser amado… sou-o!… para quê?… onde é que ele está?… aqui, ao meu lado?… ali, depois daquela esquina?… depois, um pouco mais para além do horizonte?… ou a seguir àquele arco-íris colorido de vida mas que nada mais me traz para além dessas mesmas cores… isto não é um grito... é para dizer que não me contratem mais… não há esboço e ensaio que cheguem para me reconstruírem de novo… a "argamassa" foi totalmente utilizada quando havia um sorriso, quando havia riso e olhos brilhantes... já não sei o papel de cor e já não consigo ler… no entanto, o amor não precisa de esboços nem de ensaios… no entanto, o amor não precisa de saber o papel, nem de ponto, nem de palco… o amor precisa de actor, de alguém que grite que está vivo, que ainda não perdeu a única "coisa" que tem para dar e isso está ainda dentro do meu coração, ainda pulsa e me diz que é, que existe, que sente, que vibra... grito, no meio de uma lágrima escorrendo sobre um sorriso, que por muitos esboços e ensaios, eu ainda o sinto e que esse amor (latente, vivo) não acabará nunca, morrerá comigo, levá-lo-ei para onde eu for, será presa de mim mas não estará preso em mim, será livre de ser o que tiver de ser, será o advir…”

Joaquim Nogueira

Submited by

segunda-feira, outubro 20, 2008 - 18:24

Prosas :

No votes yet

lobices

imagem de lobices
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 9 anos 8 semanas
Membro desde: 08/11/2008
Conteúdos:
Pontos: 316

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of lobices

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Videos/Perfil 163 0 1.073 11/24/2010 - 22:48 Português
Fotos/ - 521 0 1.591 11/24/2010 - 00:35 Português
Fotos/ - Amanhecer a leste do meu quintal 0 829 11/24/2010 - 00:35 Português
Fotos/ - Candeeiro em vertigem de luz 0 1.003 11/24/2010 - 00:35 Português
Fotos/ - Disneyland - subir o rio 0 1.245 11/24/2010 - 00:35 Português
Fotos/ - O Jardim dos Sonhos - Disneyland 0 1.183 11/24/2010 - 00:35 Português
Fotos/ - O Palácio das Fadas - Disneyland 0 895 11/24/2010 - 00:35 Português
Prosas/Romance BUSCA 0 977 11/19/2010 - 00:08 Português
Prosas/Romance Tenho frio 0 1.055 11/19/2010 - 00:05 Português
Prosas/Romance Carta eterna 0 714 11/18/2010 - 23:57 Português
Prosas/Romance Carta 0 780 11/18/2010 - 23:47 Português
Prosas/Romance Tela 0 748 11/18/2010 - 23:45 Português
Prosas/Romance Parir 0 786 11/18/2010 - 23:45 Português
Prosas/Romance Ida 0 882 11/18/2010 - 23:45 Português
Prosas/Romance Binário 0 628 11/18/2010 - 23:45 Português
Prosas/Romance acordar 0 980 11/18/2010 - 23:45 Português
Prosas/Romance meu avô 0 817 11/18/2010 - 23:45 Português
Prosas/Romance subentender 0 870 11/18/2010 - 23:40 Português
Prosas/Romance a lenda do arvoredo castanho 0 775 11/18/2010 - 23:40 Português
Prosas/Romance terra 0 822 11/18/2010 - 23:40 Português
Prosas/Romance emoções 0 800 11/18/2010 - 23:40 Português
Prosas/Romance desenho 0 708 11/18/2010 - 23:40 Português
Prosas/Romance despido 0 808 11/18/2010 - 23:40 Português
Fotos/Natureza Rosa do meu quintal 1 964 09/07/2010 - 01:41 Português
Fotos/Natureza Rosas de Sintra 1 1.527 09/07/2010 - 01:27 Português