CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA - ATÉ QUANDO?

VIOLÊNCIA DOMẼSTICA

Preocupada com o aumento desmedido de casos de violência doméstica – e não só! - volto a publicar, agora em formato prosa poética, um poema que escrevi em 1982, numa derradeira tentativa de chamar a atenção do Estado Português para a necessidade de criar planos para formar crianças a partir de uma base intrinsecamente extensiva à família, com consciência e organização cuidadosas. Dedico esta publicação a todas as pessoas vítimas de violência doméstica, as quais, por razões que só a elas dizem respeito, vivem amarradas à impossibilidade de se libertarem do sofrimento que as mantém caladas. Eu ainda não acredito no factor AMOR como justificação, um dos elementos que a vítima aponta, quando questionada. Haverá outros fortes motivos, para além do masoquismo, para que ela se deixe violentar por um ignóbil ser humano que faz do seu parceiro, ou parceira, um verdadeiro saco de pancadas que ele utiliza para libertar-se de traumas retidos na sua insana mente.

ATÉ QUANDO?

Faço parte desse teu imaginário. Para ti, não sou um ser... Eu sou um vulto bem escondido atrás dum cenário onde, covardemente, o manténs oculto. Tu nunca consideraste o meu direito à liberdade. Ignoras o respeito que me deves. Sou Mulher e sou pessoa. Tu não planeaste tudo isto à toa...
Não tolero a tua covardia, tanto insuportável, quanto infame! Tu geres sempre o meu dia-a-dia tentando protegeres-te do vexame de poderes vir a ser reconhecido. Tu és um ser que vive comprometido entre fazer bem e fazer muito mal. Tu és.... subtilmente... um anormal. Divides-te entre o bem que aparentas, e o insuportável mal que praticas. Satisfazes velhas ânsias sedentas de vingança e guerra, que exercitas provocando no meu ser um medo atroz. Impedida de erguer a minha voz, fizeste de mim a escrava desejada que amordaças, para manteres calada. E eu... - Deus meu! -  não posso fazer-te frente. És demasiado musculoso... forte! A minha grande fraqueza não consente arrojos, porque vive temendo a morte.

Até quando segue a lei, compactuante com este horror que continua actuante? Até ser tarde demais e deixar que eu sinta a liberdade morrer em mim... faminta?

©Maria Letra

Data da criação deste conteúdo:
1982-10-02

Submited by

quinta-feira, novembro 30, 2023 - 01:01

Prosas :

No votes yet

Maria Letra

imagem de Maria Letra
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 3 horas 16 minutos
Membro desde: 11/20/2012
Conteúdos:
Pontos: 2677

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Maria Letra

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Prosas/Tristeza VIOLÊNCIA DOMÉSTICA - ATÉ QUANDO? 0 709 11/30/2023 - 01:01 Português
Poesia/Geral AO SABOR DAS MARÉS 0 455 10/29/2023 - 11:30 Português
Prosas/Outros DEMOCRATICAMENTE... LETRA-SEM-TRETA! 0 826 07/09/2023 - 20:46 Português
Poesia/Geral COMO VIVI A PANDEMIA 0 693 07/09/2023 - 20:37 Português
Poesia/Geral AGARRA A VIDA 0 610 07/09/2023 - 20:33 Português
Poesia/Amor ELOS DE AMOR 0 579 06/27/2023 - 19:51 Português
Poesia/Meditação SINTO FRIO 0 597 06/27/2023 - 19:22 Português
Poesia/Meditação ESPERO_POR_TI_MADRUGADA 3 2.312 06/26/2023 - 20:54 Português
Poesia/Tristeza O FLAGELO DA PERDA 2 1.413 06/26/2023 - 20:48 Português
Poesia/Meditação ETERNA BUSCA 0 474 06/10/2023 - 16:54 Português
Poesia/Desilusão PRECE À VIDA 0 865 02/03/2023 - 21:51 Português
Poesia/Dedicado QUANDO JULGARES-ME É UM ERRO 0 861 02/03/2023 - 13:57 Português
Poesia/Geral ONDE COMEÇA A ESPERA 0 754 02/03/2023 - 13:52 Português
Poesia/Geral QUEM NÃO ESTIVER BEM... QUE SE MUDE! 0 697 11/28/2022 - 00:18 Português
Poesia/Pensamentos OS MEUS QUERERES 0 777 11/27/2022 - 22:47 Português
Poesia/Meditação SÃO PENAS...PARTES DE MIM 0 934 11/27/2022 - 22:32 Português
Prosas/Outros O EXCEPCIONAL INTÉRPRETE MUSICAL DIMASH QUDAIBERGEN 0 944 11/27/2022 - 00:57 Português
Prosas/Outros O CUSCAS QUER IR AO QATAR 0 2.223 11/27/2022 - 00:51 Português
Poesia/Tristeza TOXIMUNDO 0 825 11/25/2022 - 23:07 Português
Críticas/Outros AINDA O IDOSO CARENCIADO 0 927 11/25/2022 - 18:42 Português
Poesia/Meditação O OBVERSO DO UNIVERSO 0 1.012 11/25/2022 - 18:15 Português
Poesia/Geral CORRIDA EM DIRECÇÃO À META 0 819 11/24/2022 - 17:37 Português
Poesia/Geral CAMINHADA DE AMOR 0 1.096 11/24/2022 - 17:19 Português
Poesia/Tristeza O MUNDO ESTÁ DOENTE 0 1.015 11/24/2022 - 14:29 Português
Poesia/Geral NA MIRA DE GENTE FALSA 0 1.281 06/13/2021 - 21:41 Português