O flanelinha e a puta (parte 2) - A puta

Mal vi o flanelinha virar na esquina recebo uma ligação
Um amigo me convidando para ir ver umas “meninas”
- Não tenho dinheiro!
- Vamos só tomar uma cerveja.
Tarde de calor.
Ideal para se tomar uma gelada.
- Vamos lá.
O que não se faz por um amigo?
Lá fomos nós.
Não preciso nem dizer que há vários locais nas periferias da cidade
Que possibilita oportunidades para se conhecer uma garota.
Mas, devo salientar que esses ambientes não são salubres.
Nem bonitos.

Uma moça de sorriso espontâneo
Batom vermelho, seios fartos,
Realçados pelo decote de uma blusa curta
Short mais curto ainda e aberto
Deixa transparecer um par de coxas salientes
Com uma tatuagem em uma das pernas
Vem sentar-se ao meu lado.
- Oi bebezinho – diz ela com uma voz suave
- Você pode pagar um uísque para mim?
Qualquer bebida nesses lugares é o olho da cara
Dá para comprar um engradado em outro lugar.
Invento uma desculpa e digo que só posso pagar uma cerveja
Enquanto meu amigo se diverte com uma loira.
- Vou para o quarto com ela – diz ele.
Tenho que esperar.

Então começo a conversar com a morena
Que insiste em passar as mãos pelo meu corpo e me chamar de bebezinho.
Por que as pessoas gostam de me chamar de bebezinho?
Sei lá. Até que gosto.
Então insisto com ela que não tenho dinheiro e que ela pode tentar agradar outro.
Tinha acabado de chegar outros caras.
- Gosto de você – diz ela – e esses caras ai vão lá para os fundos.
Nos fundos do bar há mesas e outras garotas
Bebendo e conversando.
Vejo uma tomando banho em uma ducha
Ainda está muito calor.
Ela está seminua e não tem como disfarçar o olhar
Ela sorri e faz uma bagunça para chamar a atenção.
- Vai ficar olhando para ela?
Então me volto para a menina ao meu lado.
- Por que você fica aqui? – Pergunto.
É possível ver em seu rosto as marcas do sofrimento.

Conta-me, então, parte de sua história.
Não conheceu o pai e a mãe não tinha condições de criá-la.
Por viver uma vida miserável
Fugiu de casa com quatorze anos
Ficou grávida e teve um filho
O pai do garoto nem quis saber de vê-la e muito menos do filho.
Não queria que o filho passasse pelo mesmo que ela passara
Por isso resolveu trabalhar para sustenta-lo.
Como não conseguia emprego
(não tivera oportunidade de terminar os estudos)
Resolveu ser prostituta
- Eu sou uma puta – ela diz para mim.
Ela mesma me pede para chamá-la de puta.
- Tem meninas aqui que não gosta, mas nós somos putas.
Fico constrangido e ela nota isso.
- Não se preocupe, bebezinho, isso é normal para mim.
Então ela brinca com minha timidez
Mas, na verdade o que sinto é estranhamento.
- Quanto ganha fazendo isso? E seu filho, onde fica?
Eu estava curioso e como ela havia aberto a possibilidade, queria saber.
Disse-me que, às vezes, no começo do mês, dia de pagamento,
Costuma tirar um bom dinheiro.
- Teve uma vez que fiquei com 8 caras no mesmo dia.
Fiz a conta na cabeça rapidamente: 800 reais em um dia!
Caramba!
- Mas, tem semanas que ficamos aqui e não aparece nem uma viva alma.
Ela, então, me contou sobre as rivalidades, sobre a concorrência,
A exploração do dono ou dona do lugar
Das condições miseráveis onde dormem,
Da comida horrível que se alimentam
Dos homens violentos que querem abusar porque estão pagando...
Não sabia o que dizer.
- Ah, o meu filho tem 4 anos e fica com minha avó.

Meu amigo volta de sua aventura.
A loira sorri, ele sorri.
A felicidade!
Ah! Ela existe.

Deito-me na minha cama e começo a refletir sobre o meu dia.
O que é a vida?
Quem somos nós?
De onde viemos?
Para onde vamos?
O flanelinha e a puta.
A vida deles é melhor ou pior do que a minha?
É pior ou melhor do que a sua?

Poema: Odair José, Poeta Cacerense

www.odairpoetacacerense.blogspot.com

Submited by

Tuesday, July 30, 2019 - 19:28

Poesia :

No votes yet

Odairjsilva

Odairjsilva's picture
Offline
Title: Membro
Last seen: 18 hours 50 min ago
Joined: 04/07/2009
Posts:
Points: 4662

Add comment

Login to post comments

other contents of Odairjsilva

Topic Title Replies Views Last Postsort icon Language
Poesia/Meditation O medo devora a alma 0 9 10/29/2020 - 18:22 Portuguese
Poesia/Thoughts O começo do fim 0 50 10/28/2020 - 22:35 Portuguese
Poesia/Sadness Castigo ou maldade? 0 13 10/27/2020 - 18:21 Portuguese
Poesia/Love Quero caminhar até o fim 0 12 10/26/2020 - 18:07 Portuguese
Poesia/Sadness Uma lágrima 0 24 10/22/2020 - 20:41 Portuguese
Poesia/Thoughts Terra dos pássaros 0 18 10/21/2020 - 18:26 Portuguese
Poesia/Intervention Por um punhado de dinheiro 0 22 10/20/2020 - 22:28 Portuguese
Poesia/Meditation Condenado 0 11 10/20/2020 - 18:33 Portuguese
Poesia/Love Ela apenas sorriu 0 28 10/15/2020 - 21:36 Portuguese
Poesia/Passion Sentimento de paixão! 0 49 10/15/2020 - 21:33 Portuguese
Poesia/Love Só os seus olhos podem salvar-me 0 30 10/15/2020 - 21:15 Portuguese
Poesia/Passion Um peregrino (mal)dito 0 27 10/14/2020 - 20:19 Portuguese
Poesia/Disillusion Os olhos da esperança se foram 0 56 10/13/2020 - 13:33 Portuguese
Poesia/Love Em seus olhos vi florescer 0 42 10/09/2020 - 23:49 Portuguese
Poesia/General Livro à venda! 0 49 10/08/2020 - 19:07 Portuguese
Poesia/Thoughts Braços da eternidade 0 34 10/08/2020 - 18:56 Portuguese
Poesia/Sadness Batidas do coração 0 52 10/05/2020 - 21:03 Portuguese
Poesia/Disillusion Meu coração diz o contrário 0 30 10/01/2020 - 21:10 Portuguese
Poesia/Disillusion Quem sabe? 0 41 09/30/2020 - 18:27 Portuguese
Poesia/Disillusion A face do mal 0 38 09/28/2020 - 20:44 Portuguese
Poesia/Meditation Nas garras da ambição 0 41 09/25/2020 - 18:16 Portuguese
Poesia/Meditation Viver 0 36 09/24/2020 - 18:50 Portuguese
Poesia/Disillusion De mim só terá a saudade 0 30 09/23/2020 - 17:57 Portuguese
Poesia/Love As coisas que tenho na alma 0 31 09/22/2020 - 18:19 Portuguese
Poesia/Meditation À sombra da ausência de Deus 0 46 09/21/2020 - 19:00 Portuguese