A Chuva Lenta (Gabriela Mistral)

Esta água medrosa e triste,

como criança que padece,

antes de tocar a tierra,

desfalece.


Quietos a árvore e o vento,

e no silêncio estupendo,

este fino pranto amargo,

vertendo!


Todo o céu é um coração

aberto em agro tormento.

Não chove: é um sangrar longo

e lento.


Dentro das casas, os homens

não sentem esta amargura,

este envio de água triste

da altura;


este longo e fatigante

descer de água vencida,

por sobre a terra que jaz

transida.


Em baixando a água inerte,

calada como eu suponho

que sejam os vultos leves

de um sonho.


Chove... e como chacal lento

a noite espreita na serra.

Que irá surgir na sombra

da Terra?


Dormireis, quando lá foram

sofrendo, esta água inerte

e letal, irmã da Morte

se verte?
 


Gabriela Mistral(1889-1957), poetisa chilena. poema traduzido por Ruth Sylvia de Miranda Salles

Professora primária em zona rural, foi a primeira figura literária feminina a ganhar o Prêmio Nobel no continente americano. É autora, entre outros livros, de Desolacióm, Ternura, Tala y Lagar.

Submited by

Jueves, Julio 7, 2011 - 21:35

Poesia :

Sin votos aún

AjAraujo

Imagen de AjAraujo
Desconectado
Título: Membro
Last seen: Hace 1 año 43 semanas
Integró: 10/29/2009
Posts:
Points: 15584

Add comment

Inicie sesión para enviar comentarios

other contents of AjAraujo

Tema Título Respuestas Lecturas Último envíoordenar por icono Idioma
Poesia/Intervención Orfeu Rebelde (Miguel Torga) 0 2.498 02/22/2012 - 11:57 Portuguese
Poesia/Meditación Os homens amam a guerra (Affonso Romano de Sant´Anna) 0 658 01/22/2012 - 11:13 Portuguese
Poesia/Dedicada Eppur si muove [Não se pode calar um homem] (Affonso Romano de Sant´Anna) 0 1.409 01/22/2012 - 10:59 Portuguese
Poesia/Intervención O Leitor e a Poesia (Affonso Romano de Sant´Anna) 0 7.314 01/22/2012 - 10:48 Portuguese
Poesia/Intervención Um despertar (Octavio Paz) 0 924 01/21/2012 - 23:14 Portuguese
Poesia/Aforismo Pedra Nativa (Octávio Paz) 0 1.673 01/21/2012 - 23:10 Portuguese
Poesia/Intervención Entre Partir e Ficar (Octávio Paz) 0 1.473 01/21/2012 - 23:05 Portuguese
Poesia/Aforismo Fica o não dito por dito (Ferreira Gullar) 0 741 12/30/2011 - 07:19 Portuguese
Poesia/Intervención A propósito do nada (Ferreira Gullar) 0 1.564 12/30/2011 - 07:16 Portuguese
Poesia/Intervención Dentro (Ferreira Gullar) 0 8.210 12/30/2011 - 07:12 Portuguese
Poesia/Pensamientos O que a vida quer da gente é Coragem (Guimarães Rosa) 2 1.967 12/26/2011 - 20:55 Portuguese
Poesia/Dedicada Adeus, ano velho (Affonso Romano de Sant'Anna) 0 1.876 12/26/2011 - 11:17 Portuguese
Poesia/Meditación Para que serve a vida? 0 1.376 12/11/2011 - 00:07 Portuguese
Poesia/Dedicada Natal às Avessas 0 753 12/11/2011 - 00:03 Portuguese
Poesia/Intervención A voz de dentro 0 983 11/18/2011 - 23:14 Portuguese
Poesia/Intervención As partes de mim... 0 1.396 11/18/2011 - 23:00 Portuguese
Poesia/Pensamientos Curta a Vida "curta" 0 1.731 11/13/2011 - 12:46 Portuguese
Poesia/Intervención Lobo solitário 0 1.230 11/13/2011 - 12:46 Portuguese
Poesia/Pensamientos A solidão na multidão 0 1.486 11/13/2011 - 12:43 Portuguese
Poesia/Pensamientos Não permita que ninguém decida por você... Seleção de Pensamentos I-XVI (Carlos Castañeda) 0 1.919 11/12/2011 - 11:55 Portuguese
Poesia/Pensamientos Não me prendo a nada... (Carlos Castañeda) 0 1.071 11/12/2011 - 11:37 Portuguese
Poesia/Pensamientos Um caminho é só... um caminho (Carlos Castañeda) 0 1.322 11/12/2011 - 11:35 Portuguese
Poesia/Meditación Procura da Poesia (Carlos Drummond de Andrade) 0 846 11/01/2011 - 12:04 Portuguese
Poesia/Intervención Idade Madura (Carlos Drummond de Andrade) 0 1.400 11/01/2011 - 12:02 Portuguese
Poesia/Meditación Nosso Tempo (Carlos Drummond de Andrade) 0 1.796 11/01/2011 - 12:00 Portuguese