Deus Ex-Machina, “Anima Vili” ...

Deus Ex-Machina

O que passou está pensado segundo um acto de procrastinação, nem sei quantas vezes eu penso que nada sei, não tenho passado, nem vêm a mim, senão expressões vazias de alucinado, as quais reparto ambiguamente comigo mesmo por enquanto e eu próprio me encanto se me ligam e à minha alma com as flores secas e sem a fé dum cavado duro chão, indiferentes também elas, tal a estranheza da minha escrita em pobres letras, quantas vezes ausentes de nobreza, quantas vezes incoerentes.
Estou cansado de ter desejos, a minha cura será uma viciada infanta, abatida entre duas luas cheias, acima da linha de cintura, culpo-me do desejo que é tê-lo ou talvez não, tal como a uma rainha dói, dividida entre o céu e a sorte que a partiu em dois na memória, eu nunca soube quem ela foi, nem me decido em que sombra ela agora está…
Quantas vezes eu peço tornar-me de repente sóbrio, quanto a luz do dia ao sol da meia tarde e a vida real, uma janela aberta, com passagem para o presente e não papel manchado, num canteiro devoto, esquinas sem arte, contempladas à distancia, numa revolta sem batalha, impotente tanto quanto flores sem bainha, nem chão nem rainha, mesmo de “faz-de-conta”, que invoquem o sol pondo-se numa taça, ao divino que não se manifesta sob um azul de céu manso…
Eu hei-de um dia descobrir o que digo quando escrevo, meus olhos nasceram em greve, meu entendimento é breve e leve, quanto um cometa inédito, segue e some, some e segue, assoma-me a loucura quando escrevo, assola-me o que digo e quando o faço, assemelho-me a um louco, sendo ele, eu próprio noutro…noutros longos mundos.
Cresce mais alto em mim o que digo do que o que penso, o coração faz peso pra um lado, embora procure o equilíbrio do perfeito, desabo na sátira de mim próprio, será a poética o caminho certo, estando eu do lado errado ou estando certo, do lado oposto a cada estado de alma que, estéril, eu protagonizo, – digo apontando para o outro lado do espaço pra esses longos mundos – e penso, qual a função do mecanismo de Deus, que é o sentirmos-nos dele viúvos e se a fúria do sonho provém da alma.

“Anima Vili”

«O adjectivo é a tinta que esmalta a frase, é o colorido que lhe imprime tonalidade. Tanto que a excessiva adjectivação torna o estilo berrante, pejado, à guisa de tela em que a derrama e copiosidade de tintas acaba por empastar o motivo. (…)»

* Carlos Góes -Filósofo

Exagero nas berrantes adjectivações, igual a um colorido Confúcio, quase me crescem paulatinamente da boca o verde e na mente amarelo-laranja, na tentativa pura, derradeira, louca e boçal, de colar algo magnífico e orgânico como plasticina com pasta de dentes e nas palavras que não pegam, nem se agregam, quer seja por conceito mágico ou preconceito antropológico biológico, físico, moral ou estético, claudicando mesmo nas mesquinhas e ancestrais crenças religiosas e da sinceridade sincera, nas manifestações de insustentabilidade da realidade monogâmica, apesar destas serem colaterais, por motivo de intratabilidade significativa e genética da arte, gera-se uma discórdia entre dois polos, o princípio do coeficiente imponderável no peso dos pensamentos, versus o valor argumentativo do significante real e físico e a percepção parceira dele, assim é a nossa escrita poética, se nos maravilha e cria um túnel de luz, numa evidente trajectória iluminativa lúcida, súbita e estonteante, logo vêm contrastantes, berrantes, os cínicos passear lentamente investidos de critérios pouco relojoeiros e sofistas, os quais vêm, têm na nossa perfeita imperfeição a razão fractal da suas sublimes e cientes existências curvadas, ao sentirem numa dor de dentes um valor rítmico, sintomático e inestimável patético ou artístico fora do plano equatorial terrestre e antropozoico.
Quando é o oposto e o contrário,como agora, que me abandonou a inspiração criativa e um poço/túnel vertical é escavado na parede perpendicular e no escuro do material mineral mais rochoso e negro, cor do azedume ou num paiol, onde murcham os afectos como organismos mortos, sem visão, condenados à extinção, como espectros sem missão e manifestações lamentáveis da nossa incurável, animalesca “anima vili” no Ateneu eucarístico e xeno-comercial dos delegados estéticos estóicos, da infeliz praça lúdica, conspurcam-nos efectivamente como meros organismos simbólicos, simbióticos e sem grau, numa escala progressiva decrescente, desevolucionista e catatónica por eles incestuosamente contaminada e esterilizada da semântica poética, vital e ancestral …
Pairam dualidades sobre nós, quer sejam num futurismo de Atenas, na eterna folha de laudia prata ou então no receio do martelo dórico de ferro gordo e a dor do nó Gregório, no falso palanque ou no estrado de madeira podre, baço como uma cidade de fuga, bastante difusa, perseguidora e persistente, castrante e aberrante, segundo a figura indelével no mapa de Plometeu-o Grande, de Alexandria .
A arte não tem sexo definido nem sufixo, nem podem ser um estorvo, as palavras terminadas em “eu existo” e insisto pois de nada serve senão no sonhar de um apático, sendo o ser humano, de uns metros quadrados curtos e apenas ou uma caixa redonda, vazia, sem enredo dentro, nem fósforos secos que acendam um húmido rastilho, ou outras “cenas” crípticas …

Joel Matos 10/2019
Http://joel-matos.blogspot.com

Berrante

Submited by

Miércoles, Enero 8, 2020 - 09:44

Poesia :

Sin votos aún

Joel

Imagen de Joel
Desconectado
Título: Membro
Last seen: Hace 1 semana 3 días
Integró: 12/20/2009
Posts:
Points: 40617

Add comment

Inicie sesión para enviar comentarios

other contents of Joel

Tema Título Respuestas Lecturas Último envíoordenar por icono Idioma
Ministério da Poesia/General O Estado da Dúvida 2 64 01/24/2020 - 20:05 Portuguese
Ministério da Poesia/General Patchwork... 0 65 01/08/2020 - 13:05 Portuguese
Ministério da Poesia/General Vivo do oficio das paixões 0 49 01/08/2020 - 12:55 Portuguese
Ministério da Poesia/General Como morre um Rei de palha... 0 51 01/08/2020 - 12:50 Portuguese
Ministério da Poesia/General "Sic est vulgus" 0 80 01/08/2020 - 11:47 Portuguese
Ministério da Poesia/General Quantos Césares fui eu !!! 0 42 01/08/2020 - 11:40 Portuguese
Ministério da Poesia/General Nada se parece comigo 0 48 01/08/2020 - 11:34 Portuguese
Ministério da Poesia/General Pedra, tesoura ou papel..."Do que era certo" 0 46 01/08/2020 - 11:27 Portuguese
Ministério da Poesia/General Sou "O-Feito-Do-Primeiro-Vidente" 0 46 01/08/2020 - 11:11 Portuguese
Ministério da Poesia/General Morri lívido e nu ... 0 58 01/08/2020 - 11:03 Portuguese
Ministério da Poesia/General Ladram cães à distância, Mato o "Por-Matar" ... 0 61 01/08/2020 - 10:45 Portuguese
Ministério da Poesia/General Excerto “do que era certo” 0 71 01/08/2020 - 10:38 Portuguese
Ministério da Poesia/General Rua dos Douradores 30 ... 0 87 01/08/2020 - 10:32 Portuguese
Ministério da Poesia/General A Rua ao meu lado ou O Valor do riso... 0 44 01/08/2020 - 10:24 Portuguese
Ministério da Poesia/General Absurdo e Sem-Fim… 0 54 01/08/2020 - 10:17 Portuguese
Ministério da Poesia/General Sonho sem fim, nem fundo ... 0 61 01/08/2020 - 10:01 Portuguese
Poesia/General Da significação aos sonhos ... 0 73 01/08/2020 - 09:54 Portuguese
Poesia/General Deus Ex-Machina, “Anima Vili” ... 0 60 01/08/2020 - 09:44 Portuguese
Poesia/General Feliz como poucos … 0 76 01/08/2020 - 09:32 Portuguese
Ministério da Poesia/General As estrelas, os Estrôncios e os Sonhos. 39 819 11/28/2019 - 11:37 Portuguese
Ministério da Poesia/General Dreaming Of A Better World 122 335 11/10/2019 - 18:37 Portuguese
Poesia/General Escrevo o que ninguém escuta ... 108 437 10/22/2019 - 14:40 Portuguese
Poesia/General Supondo-me desperto 85 1.068 10/22/2019 - 14:39 Portuguese
Ministério da Poesia/General Venho de uma pequena ciência, 148 352 10/22/2019 - 14:38 Portuguese
Ministério da Poesia/General Indigno eu, 92 325 10/22/2019 - 14:37 Portuguese