CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Despido de tudo quanto sou...

Andei distraído procurando o que não via
Nem vejo, visto que sou pequeno, 
Viro o rosto pra de onde venho 
E não pra onde fui posto, 
Vejo nas estrelas o rosto, 
Não da morte mas do oposto, da vida
Pra'lém do percurso que fui, fiz nesta Terra

Outrora bela, soberba ...
Outrora viva,
Andei por aí buscando o repouso,
Não via nem vejo, a fonte do limo, 
O álamo esguio,
O negrume do teixo, da terra preta o apelo,
Das folhas mortas,

Abdiquei de ser rei,
Pra ser jardineiro "por conta própria",
Sem reino nem terreno pra arar,
Podei as rosas dos quintais dos outros
E observei pardais nos ninhos,
Nas sombras os olivais dir-se-iam deuses mortais,
Não contei quantos, mas muitos, muitos.

Há muito que desejo desertar,
Mas as pernas na beira da estrada, 
Estão sempre fora de mim e o meu coração ... lento,
Lento não dá pra fugir por aí de rastos
Admito não ter dormido todo o tempo do mundo,
Mas mesmo assim penso como se fosse madrugada
E domingo, cada vez que me levanto

Sem vida e me mudo pro outro lado da cama,
Na mesma fronha que uso desde que vim ao mundo,
Sinto um ritual de vencedor num corpo derrotado,
O que muda são apenas os sonhos que persegui
Sem sucesso ao longo do tempo
E ainda sonho sonhos que não sigo,
Acatei a derrota,

Sinto um ritual de vencedor nas asas
E nas pernas o símbolo das coisas
Que me pegam ao chão terreno,
"Rocket-man", visto que
O meu território é de ar,
Balouço-me na fronteira do tudo e do nada,
Qualquer um desses reinos me conforma,

A memória passa sem se ver, sem se dar
Sonhar é não estar presente em nenhum Destes países
Pra sempre,
Duvidar é dar liberdade ao voo ...
O plano é adormecer descrente,
Desnudo de tudo o que sei,
Despido de tudo quanto sou.

Jorge Santos 11/2018
http://namastibetpoems.blogspot.com

Submited by

sexta-feira, março 29, 2019 - 11:01

Ministério da Poesia :

No votes yet

Joel

imagem de Joel
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 3 dias 14 horas
Membro desde: 12/20/2009
Conteúdos:
Pontos: 40682

Comentários

imagem de Joel

-

-

imagem de Joel

-

-

imagem de Joel

-

-

imagem de Joel

-

-

imagem de Joel

-

-

imagem de Joel

-

-

imagem de Joel

-

-

imagem de Joel

-

-

imagem de Joel

-

-

imagem de Joel

-

-

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Joel

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Geral O Amor é uma nação em risco, 1 326 05/03/2020 - 00:37 Português
Ministério da Poesia/Geral Ninguém me distingue de quem sou eu ... 1 131 04/20/2020 - 23:34 Português
Ministério da Poesia/Geral A um Deus pouco divino … 1 174 04/19/2020 - 12:02 Português
Poesia/Geral “Hic sunt dracones”, A dor é tudo … 4 344 04/15/2020 - 16:25 Português
Poesia/Geral A Morte não é Bem-Vinda ... 2 292 04/15/2020 - 15:46 Português
Poesia/Geral Objectos próximos, 0 422 04/15/2020 - 12:06 Português
Poesia/Geral Daniel Faria, excerto “Do que era certo” 0 365 04/15/2020 - 11:58 Português
Ministério da Poesia/Geral O avesso do espelho... 5 154 03/01/2020 - 21:02 Português
Poesia/Geral A síndrome de Savanah 0 207 03/01/2020 - 20:26 Português
Ministério da Poesia/Geral O Estado da Dúvida 2 167 01/24/2020 - 21:05 Português
Ministério da Poesia/Geral Patchwork... 0 256 01/08/2020 - 14:05 Português
Ministério da Poesia/Geral Vivo do oficio das paixões 0 247 01/08/2020 - 13:55 Português
Ministério da Poesia/Geral Como morre um Rei de palha... 0 158 01/08/2020 - 13:50 Português
Ministério da Poesia/Geral "Sic est vulgus" 0 224 01/08/2020 - 12:47 Português
Ministério da Poesia/Geral Quantos Césares fui eu !!! 0 178 01/08/2020 - 12:40 Português
Ministério da Poesia/Geral Nada se parece comigo 0 190 01/08/2020 - 12:34 Português
Ministério da Poesia/Geral Pedra, tesoura ou papel..."Do que era certo" 0 186 01/08/2020 - 12:27 Português
Ministério da Poesia/Geral Sou "O-Feito-Do-Primeiro-Vidente" 0 144 01/08/2020 - 12:11 Português
Ministério da Poesia/Geral Morri lívido e nu ... 0 207 01/08/2020 - 12:03 Português
Ministério da Poesia/Geral Ladram cães à distância, Mato o "Por-Matar" ... 0 232 01/08/2020 - 11:45 Português
Ministério da Poesia/Geral Excerto “do que era certo” 0 220 01/08/2020 - 11:38 Português
Ministério da Poesia/Geral Rua dos Douradores 30 ... 0 229 01/08/2020 - 11:32 Português
Ministério da Poesia/Geral A Rua ao meu lado ou O Valor do riso... 0 142 01/08/2020 - 11:24 Português
Ministério da Poesia/Geral Absurdo e Sem-Fim… 0 259 01/08/2020 - 11:17 Português
Ministério da Poesia/Geral Sonho sem fim, nem fundo ... 0 181 01/08/2020 - 11:01 Português