CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

(Ouçam-me, pra que eu possa…)

Ouçam-me só, para que eu possa…

O que escuto possuí um nó oblíquo como o destino,
Tem vazios e interstícios complexos, ausências,
Prevalece o que puder eu fundear entre as marés,
Amor, saudade ou o que a serenidade existencial

Conseguir não explicar e o que eu escuso,
Apesar de ser segredo, debato-a comigo,
É uma Pérgula d’esguelha com roseiras,
Nem-abertas nem-fechadas, invisível

Da entrada. O que me dói tanto é oblíquo,
Quanto a esfera armilar, do lado onde tudo pende,
É abismo fundo em mar noz, donde parece,
Ninguém vem e onde nem no chão cresce avenca,

Que erre eu o rumo tanto se me dá e ainda assim
Entendo mas não estou errado quando escuto
O preciso momento em que absoluto iniquo
Do meu pensar toca o imo do que sinto,

Se calhar atento, eu escuto a analogia dos erros
Repetidos noutra e noutras dimensões, ironia
Do órgão nativo e sem tempo que dói sem doer,
Mas seduz-me o espreitar pelas frinchas do mundo,

E o enrolar das ondas vela-me aquando a bonança,
Reina e o temporal amaina e me amansa, nasço
Ao destino com alfaias em forma de sinetas
De mil por mil alternáveis movimentos de ir e de vir,

A minha vida cresceu enviusada e em nó,
Ouçam-me só pra que eu possa ouvir
Quem cala e passa, que me diga onde pára
Meu destino, longe amonte e me foge ocioso,

Sem amarra nem mar pra parar,
Onde há-de ele me ir sonhar,
Onde há-de ele me vir sonhar,
(Ouçam-me só, pra que eu possa…)

Jorge Santos (12/2014)

Submited by

sexta-feira, fevereiro 23, 2018 - 18:31

Ministério da Poesia :

Your rating: None Average: 5 (1 vote)

Joel

imagem de Joel
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 3 horas 27 minutos
Membro desde: 12/20/2009
Conteúdos:
Pontos: 40692

Comentários

imagem de Joel

.

.

imagem de Joel

escuto a analogia dos

escuto a analogia dos erros
Repetidos noutra e noutras dimensões, ironia
Do órgão nativo e sem tempo que dói sem doer,
Mas seduz-me o espreitar pelas frinchas do mundo,

E o enrolar das ondas vela-me aquando a bonança,
Reina e o temporal amaina e me amansa

imagem de Joel

escuto a analogia dos

escuto a analogia dos erros
Repetidos noutra e noutras dimensões, ironia
Do órgão nativo e sem tempo que dói sem doer,
Mas seduz-me o espreitar pelas frinchas do mundo,

E o enrolar das ondas vela-me aquando a bonança,
Reina e o temporal amaina e me amansa

imagem de Joel

escuto a analogia dos

escuto a analogia dos erros
Repetidos noutra e noutras dimensões, ironia
Do órgão nativo e sem tempo que dói sem doer,
Mas seduz-me o espreitar pelas frinchas do mundo,

E o enrolar das ondas vela-me aquando a bonança,
Reina e o temporal amaina e me amansa

imagem de Joel

escuto a analogia dos

escuto a analogia dos erros
Repetidos noutra e noutras dimensões, ironia
Do órgão nativo e sem tempo que dói sem doer,
Mas seduz-me o espreitar pelas frinchas do mundo,

E o enrolar das ondas vela-me aquando a bonança,
Reina e o temporal amaina e me amansa

imagem de Joel

escuto a analogia dos

escuto a analogia dos erros
Repetidos noutra e noutras dimensões, ironia
Do órgão nativo e sem tempo que dói sem doer,
Mas seduz-me o espreitar pelas frinchas do mundo,

E o enrolar das ondas vela-me aquando a bonança,
Reina e o temporal amaina e me amansa

imagem de Joel

escuto a analogia dos

escuto a analogia dos erros
Repetidos noutra e noutras dimensões, ironia
Do órgão nativo e sem tempo que dói sem doer,
Mas seduz-me o espreitar pelas frinchas do mundo,

E o enrolar das ondas vela-me aquando a bonança,
Reina e o temporal amaina e me amansa

imagem de Joel

escuto a analogia dos

escuto a analogia dos erros
Repetidos noutra e noutras dimensões, ironia
Do órgão nativo e sem tempo que dói sem doer,
Mas seduz-me o espreitar pelas frinchas do mundo,

E o enrolar das ondas vela-me aquando a bonança,
Reina e o temporal amaina e me amansa

imagem de Joel

escuto a analogia dos

escuto a analogia dos erros
Repetidos noutra e noutras dimensões, ironia
Do órgão nativo e sem tempo que dói sem doer,
Mas seduz-me o espreitar pelas frinchas do mundo,

E o enrolar das ondas vela-me aquando a bonança,
Reina e o temporal amaina e me amansa

imagem de Joel

escuto a analogia dos

escuto a analogia dos erros
Repetidos noutra e noutras dimensões, ironia
Do órgão nativo e sem tempo que dói sem doer,
Mas seduz-me o espreitar pelas frinchas do mundo,

E o enrolar das ondas vela-me aquando a bonança,
Reina e o temporal amaina e me amansa

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Joel

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Geral Na minha terra não há terra, 0 303 06/02/2020 - 16:16 Português
Poesia/Geral A sucessão dos dias e a sede de voyeur ... 0 163 06/02/2020 - 16:09 Português
Poesia/Geral O Amor é uma nação em risco, 1 386 05/03/2020 - 00:37 Português
Ministério da Poesia/Geral Ninguém me distingue de quem sou eu ... 1 188 04/20/2020 - 23:34 Português
Ministério da Poesia/Geral A um Deus pouco divino … 1 259 04/19/2020 - 12:02 Português
Poesia/Geral “Hic sunt dracones”, A dor é tudo … 4 392 04/15/2020 - 16:25 Português
Poesia/Geral A Morte não é Bem-Vinda ... 2 348 04/15/2020 - 15:46 Português
Poesia/Geral Objectos próximos, 0 467 04/15/2020 - 12:06 Português
Poesia/Geral Daniel Faria, excerto “Do que era certo” 0 416 04/15/2020 - 11:58 Português
Ministério da Poesia/Geral O avesso do espelho... 5 227 03/01/2020 - 21:02 Português
Poesia/Geral A síndrome de Savanah 0 305 03/01/2020 - 20:26 Português
Ministério da Poesia/Geral O Estado da Dúvida 2 200 01/24/2020 - 21:05 Português
Ministério da Poesia/Geral Patchwork... 0 327 01/08/2020 - 14:05 Português
Ministério da Poesia/Geral Vivo do oficio das paixões 0 304 01/08/2020 - 13:55 Português
Ministério da Poesia/Geral Como morre um Rei de palha... 0 206 01/08/2020 - 13:50 Português
Ministério da Poesia/Geral "Sic est vulgus" 0 318 01/08/2020 - 12:47 Português
Ministério da Poesia/Geral Quantos Césares fui eu !!! 0 229 01/08/2020 - 12:40 Português
Ministério da Poesia/Geral Nada se parece comigo 0 248 01/08/2020 - 12:34 Português
Ministério da Poesia/Geral Pedra, tesoura ou papel..."Do que era certo" 0 267 01/08/2020 - 12:27 Português
Ministério da Poesia/Geral Sou "O-Feito-Do-Primeiro-Vidente" 0 199 01/08/2020 - 12:11 Português
Ministério da Poesia/Geral Morri lívido e nu ... 0 243 01/08/2020 - 12:03 Português
Ministério da Poesia/Geral Ladram cães à distância, Mato o "Por-Matar" ... 0 284 01/08/2020 - 11:45 Português
Ministério da Poesia/Geral Excerto “do que era certo” 0 254 01/08/2020 - 11:38 Português
Ministério da Poesia/Geral Rua dos Douradores 30 ... 0 300 01/08/2020 - 11:32 Português
Ministério da Poesia/Geral A Rua ao meu lado ou O Valor do riso... 0 207 01/08/2020 - 11:24 Português