CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Há um vão à minha espera

Há no céu um arco sem flecha, flácida premissa a espera,
Falácia do engano o desejo, como se fosse um falso abraço,
Me trocassem p'lo baço o coração vencido, dormente
E a sensação de ter me perdido pra sempre, preenchido a ar,

A cruz é sólida, sofro amargo de boca, constante o ruído,
Como quem ergue um muro e a terra estremece, sobe
E eu murmuro às sombras que me escurecem, pergunto.
Pronúncio mal avindo num vazio vizinho vão de astros,

Há um véu cor de noite pra onde quer que olhe,
E um horizonte estéril de pontos em cruz pra'onde,
Minha viagem será feita pondo de parte distância
Ou o tempo, tamanho não é constante, é suposto

Completar-me do real não o oposto, perfeito o amor
Do próximo, não a perfeição do amor-perfeito, mediático,
Genérico e paisagem lunar, chamo-lhe consciência
Figurativa a duas dimensões, antes do passo seguinte

E depois de dois dedos de conversa em que me rendo
Ao silêncio, falando apenas com os meus dois botões,
Sem obter resposta, afinal é obvio, em tod'o caso
Desminto o privilégio de ter sempre razão, divago,

O réu nem sempre é culpado, o cérebro queixa-se
Que sou fraco mas pessimismo não é pecado da mente,
È só meu e totalmente eu,- quão pobre é a realidade
E o sonho injusto, quanto à morte não deveria ter vivido,

Há um véu na minha frente, é o Agosto das minhas
Acções, nem lembro de ter uma alma no meu interior
Rosto e a sensação de que vivia í preso em paz,
Sossego, s'pectador assíduo dum filme demais visto.

Há um vão à minha espera, visível só quando tomamos
Consciência dele, a sensibilidade é uma bênção para
A cegueira pura, eu sou dos que sentem sem ver,
Embora veja também com o sentir do pensamento.

Joel Matos ( 24 Junho 2021)

http://joel-matos.blogspot.com
https://namastibet.wordpress.com
http://namastibetpoems.blogspot.com

Submited by

quinta-feira, junho 24, 2021 - 16:49

Poesia :

Your rating: None (1 vote)

Joel

imagem de Joel
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 1 semana 2 dias
Membro desde: 12/20/2009
Conteúdos:
Pontos: 41021

Comentários

imagem de Joel

.

.

imagem de Joel

obrigado pela leitura e pela partilha

obrigado pela leitura

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Joel

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Ministério da Poesia/Geral Sem nada … 2 241 07/07/2021 - 15:16 Português
Poesia/Geral A tenaz negação do eu, 2 170 07/01/2021 - 16:31 Português
Poesia/Geral Sou minha própria imagem, 2 232 07/01/2021 - 12:50 Português
Poesia/Geral Há um vão à minha espera 2 199 07/01/2021 - 12:50 Português
Poesia/Geral leve 4 1.826 06/28/2021 - 15:39 Português
Poesia/Geral Feliz como poucos … 1 541 06/24/2021 - 11:53 Português
Poesia/Geral Deus Ex-Machina, “Anima Vili” ... 1 608 06/24/2021 - 11:38 Português
Poesia/Geral Da significação aos sonhos ... 1 554 06/22/2021 - 10:01 Português
Ministério da Poesia/Geral Sonho sem fim, nem fundo ... 1 609 06/21/2021 - 16:27 Português
Ministério da Poesia/Geral Absurdo e Sem-Fim… 1 1.029 06/21/2021 - 16:26 Português
Ministério da Poesia/Geral A Rua ao meu lado ou O Valor do riso... 1 875 06/21/2021 - 16:25 Português
Ministério da Poesia/Geral Rua dos Douradores 30 ... 1 716 06/21/2021 - 16:25 Português
Ministério da Poesia/Geral Excerto “do que era certo” 1 637 06/21/2021 - 16:25 Português
Ministério da Poesia/Geral Ladram cães à distância, Mato o "Por-Matar" ... 2 746 06/21/2021 - 16:22 Português
Ministério da Poesia/Geral Morri lívido e nu ... 1 716 06/21/2021 - 16:22 Português
Ministério da Poesia/Geral Sou "O-Feito-Do-Primeiro-Vidente" 1 679 06/21/2021 - 16:21 Português
Ministério da Poesia/Geral Pedra, tesoura ou papel..."Do que era certo" 1 856 06/21/2021 - 16:21 Português
Ministério da Poesia/Geral Nada se parece comigo 1 667 06/21/2021 - 16:20 Português
Ministério da Poesia/Geral Quantos Césares fui eu !!! 1 760 06/21/2021 - 16:20 Português
Ministério da Poesia/Geral "Sic est vulgus" 1 1.102 06/21/2021 - 16:19 Português
Ministério da Poesia/Geral Como morre um Rei de palha... 1 684 06/21/2021 - 15:44 Português
Ministério da Poesia/Geral Vivo do oficio das paixões 1 898 06/21/2021 - 15:44 Português
Ministério da Poesia/Geral Patchwork... 2 965 06/21/2021 - 15:44 Português
Poesia/Geral A síndrome de Savanah 1 991 06/21/2021 - 15:43 Português
Poesia/Geral A sucessão dos dias e a sede de voyeur ... 1 618 06/21/2021 - 15:42 Português