CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Primeiro eu tive que morrer

Era tudo muito cansativo
Sempre a mesma coisa
Um cotidiano extenuante que sugava minhas energias
Sentia em mim o sufocamento do tempo
As exigências de um mundo cada vez mais urgente
Era tudo muito estressante.

Então eu parei de correr
No início quase fui atropelado
As pessoas gritavam comigo para sair da frente
Eu as atrapalhava em suas buscas desenfreadas
Quase fui pisoteado
Xingaram-me com todos os palavrões possíveis
E eu quase vacilei os meus pés
Quase prossegui adiante na mesma rotina.

Não posso fazer mais isso, pensei comigo
Estava disposto a sobreviver
Queria apenas espaço para viver uma vida normal
Sem as cobranças diárias de um mundo capitalista cruel
Que arrancava a minha pele
E vendia a minha carne nos mercados clandestinos.

Mas, não sabia eu que era preciso morrer
Só a morte pode nos libertar
Primeiro eu tive que morrer
Ao morrer eu sepultei todo o orgulho
Todas as ambições de um mundo perverso
E tornei-me livre das amarras que me prendiam
E agora posso caminhar livremente
Porque nada mais importa deste mundo infame.

Poema: Odair José, Poeta Cacerense

www.odairpoetacacerense.blogspot.com

Submited by

quinta-feira, março 31, 2022 - 21:03

Poesia :

No votes yet

Odairjsilva

imagem de Odairjsilva
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 2 horas 24 minutos
Membro desde: 04/07/2009
Conteúdos:
Pontos: 7703

Comentários

imagem de Odairjsilva

Visitem os

imagem de Odairjsilva

Visitem os

imagem de Odairjsilva

Visitem os

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Odairjsilva

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Pensamentos De mãos dadas com a Morte 3 52 05/18/2022 - 18:53 Português
Poesia/Pensamentos Do pensamento 3 76 05/17/2022 - 18:36 Português
Poesia/Desilusão O teu olhar 3 46 05/16/2022 - 23:29 Português
Poesia/Intervenção Destruam essa arte 3 46 05/16/2022 - 18:38 Português
Poesia/Desilusão Silenciosa sombra de solidão 3 47 05/16/2022 - 12:38 Português
Poesia/Amor Saber entender, crescer e viver 3 73 05/13/2022 - 19:25 Português
Poesia/Meditação Cantem as canções que não escrevi 3 57 05/12/2022 - 22:56 Português
Poesia/Tristeza Alma em suplício 3 49 05/11/2022 - 23:12 Português
Poesia/Meditação Feliz com sua presença 3 77 05/11/2022 - 18:42 Português
Poesia/Desilusão Insensatez 3 68 05/10/2022 - 18:37 Português
Poesia/Pensamentos Eu navegarei 3 61 05/09/2022 - 23:13 Português
Poesia/Pensamentos Fantasmas de um tempo passado 3 104 05/09/2022 - 13:28 Português
Poesia/Dedicado Mãe, o maior amor que pode existir 3 77 05/08/2022 - 20:33 Português
Poesia/Dedicado Mãe - Eu canto a ti o amor! 3 71 05/06/2022 - 23:57 Português
Poesia/Meditação Dias melhores virão 3 126 05/06/2022 - 19:01 Português
Poesia/Meditação A impossibilidade física da morte na mente de alguém que está vivo 3 76 05/05/2022 - 19:11 Português
Poesia/Meditação O peso do mundo 3 66 05/04/2022 - 23:02 Português
Poesia/Meditação E se não estiver tudo bem? 3 80 05/04/2022 - 18:45 Português
Poesia/Amor Inimaginável 3 83 05/03/2022 - 18:34 Português
Poesia/Tristeza Querida solidão 3 82 05/02/2022 - 18:29 Português
Poesia/Intervenção Não lastimo o próximo perigo 3 124 05/02/2022 - 12:41 Português
Poesia/Pensamentos Palavras apenas não servem 3 68 04/30/2022 - 21:59 Português
Poesia/Fantasia Enquanto dormia 3 89 04/29/2022 - 23:56 Português
Poesia/Meditação Resta um poeta morto! 3 102 04/28/2022 - 20:45 Português
Poesia/Meditação Corra com os cavalos 3 67 04/28/2022 - 18:23 Português