CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Send'a própria imagem minha, Continuo'a ser eu ess’outro …

Sendo minha própria imagem,
Continuo a ser todavia, eu ess’ outro …

Sou a própria passagem do tempo,
O mestre do desapego, o final do ano,
É o que descrevo de mim e por mim,
De modo a parecer logro sendo-o, sou-o,

Não me imito, desnivelo-me pelo outro,
Mesmo o mais baixo, matreiro oco
Manhoso e velhaco, e os demais são,
Sendo eu, a minha própria mensagem, o local

Da praça, o demérito, a paragem do despudor,
A dor com que observo a tarde
A Ocidente, o lago da ” não-pertença”,
O Oligarca dos mal feitos,

Nada – é o meu nome a cheio,
Feito meu, a própria cara minha personifica
Um lego no que leio e receio nem ser,
Ouço-me em falso falando o que nem entendo,

Apenas raras vezes no sossego, conto
As estações do ano, os rostos leais dos meses
Como que me batem, o mérito nos rostos,
Na longa viagem dos “condes do duvidoso”,

Os Deuses do absurdo são poucos,
Brancos quanto o sal das salinas,
Nas estações do “inverneio”, no subúrbio
Pouco verdadeiro do que expresso,

O que peso não é um peso morto
Que se ate aos sapatos ou que os homens
Possam usar no bolso,
Eu faço uso d’facas vivas, o que me aconteceu,

Acontece aos nós, nos dedos dos loucos,
Nem sei quantos atributos os deuses
Das pedras têm, dos redemoinhos, dos socalcos
Nas águas, da turbulência dos ribeiros,

Dos cascalhos do caudal em que me prendo,
I’preso eu me penso não um rio, um mar
Imenso, desses onde se pode embarcar
Pra outro universo vivo, esse onde anoiteci

Rei e rainha de mim, inúmeras narrativas
Vêm á minha mente que não recordo
Nem tenho necessidade, não perco tempo
Averiguando as que são reais e as que finjo,

Dói-me a viagem dentro da própria viagem,
Conquanto sou a própria imagem doutro,
Continuo a ser, todavia, eu ess’outro
Dentro de mim …

Joel Matos ( 12 Dezembro 2021)

http://joel-matos.blogspot.com
https://namastibet.wordpress.com
http://namastibetpoems.blogspot.com

Submited by

terça-feira, janeiro 4, 2022 - 11:02

Poesia :

Your rating: None (1 vote)

Joel

imagem de Joel
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 1 semana 3 dias
Membro desde: 12/20/2009
Conteúdos:
Pontos: 41452

Comentários

imagem de Joel

Sendo minha própria

Sendo minha própria imagem,
Continuo a ser todavia, eu ess’ outro …

Sou a própria passagem do tempo,
O mestre do desapego, o final do ano,
É o que descrevo de mim e por mim,
De modo a parecer logro sendo-o, sou-o,

Não me imito, desnivelo-me pelo outro,
Mesmo o mais baixo, matreiro oco
Manhoso e velhaco, e os demais são,
Sendo eu, a minha própria mensagem, o local

Da praça, o demérito, a paragem do despudor,
A dor com que observo a tarde
A Ocidente, o lago da ” não-pertença”,
O Oligarca dos mal feitos,

Nada – é o meu nome a cheio,
Feito meu, a própria cara minha personifica
Um lego no que leio e receio nem ser,
Ouço-me em falso falando o que nem entendo,

Apenas raras vezes no sossego, conto
As estações do ano, os rostos leais dos meses
Como que me batem, o mérito nos rostos,
Na longa viagem dos “condes do duvidoso”,

Os Deuses do absurdo são poucos,
Brancos quanto o sal das salinas,
Nas estações do “inverneio”, no subúrbio
Pouco verdadeiro do que expresso,

O que peso não é um peso morto
Que se ate aos sapatos ou que os homens
Possam usar no bolso,
Eu faço uso d’facas vivas, o que me aconteceu,

Acontece aos nós, nos dedos dos loucos,
Nem sei quantos atributos os deuses
Das pedras têm, dos redemoinhos, dos socalcos
Nas águas, da turbulência dos ribeiros,

Dos cascalhos do caudal em que me prendo,
I’preso eu me penso não um rio, um mar
Imenso, desses onde se pode embarcar
Pra outro universo vivo, esse onde anoiteci

Rei e rainha de mim, inúmeras narrativas
Vêm á minha mente que não recordo
Nem tenho necessidade, não perco tempo
Averiguando as que são reais e as que finjo,

Dói-me a viagem dentro da própria viagem,
Conquanto sou a própria imagem doutro,
Continuo a ser, todavia, eu ess’outro
Dentro de mim …

Joel Matos ( 12 Dezembro 2021)

http://joel-matos.blogspot.com
https://namastibet.wordpress.com
http://namastibetpoems.blogspot.com

imagem de Joel

Sendo minha própria

Sendo minha própria imagem,
Continuo a ser todavia, eu ess’ outro …

Sou a própria passagem do tempo,
O mestre do desapego, o final do ano,
É o que descrevo de mim e por mim,
De modo a parecer logro sendo-o, sou-o,

Não me imito, desnivelo-me pelo outro,
Mesmo o mais baixo, matreiro oco
Manhoso e velhaco, e os demais são,
Sendo eu, a minha própria mensagem, o local

Da praça, o demérito, a paragem do despudor,
A dor com que observo a tarde
A Ocidente, o lago da ” não-pertença”,
O Oligarca dos mal feitos,

Nada – é o meu nome a cheio,
Feito meu, a própria cara minha personifica
Um lego no que leio e receio nem ser,
Ouço-me em falso falando o que nem entendo,

Apenas raras vezes no sossego, conto
As estações do ano, os rostos leais dos meses
Como que me batem, o mérito nos rostos,
Na longa viagem dos “condes do duvidoso”,

Os Deuses do absurdo são poucos,
Brancos quanto o sal das salinas,
Nas estações do “inverneio”, no subúrbio
Pouco verdadeiro do que expresso,

O que peso não é um peso morto
Que se ate aos sapatos ou que os homens
Possam usar no bolso,
Eu faço uso d’facas vivas, o que me aconteceu,

Acontece aos nós, nos dedos dos loucos,
Nem sei quantos atributos os deuses
Das pedras têm, dos redemoinhos, dos socalcos
Nas águas, da turbulência dos ribeiros,

Dos cascalhos do caudal em que me prendo,
I’preso eu me penso não um rio, um mar
Imenso, desses onde se pode embarcar
Pra outro universo vivo, esse onde anoiteci

Rei e rainha de mim, inúmeras narrativas
Vêm á minha mente que não recordo
Nem tenho necessidade, não perco tempo
Averiguando as que são reais e as que finjo,

Dói-me a viagem dentro da própria viagem,
Conquanto sou a própria imagem doutro,
Continuo a ser, todavia, eu ess’outro
Dentro de mim …

Joel Matos ( 12 Dezembro 2021)

http://joel-matos.blogspot.com
https://namastibet.wordpress.com
http://namastibetpoems.blogspot.com

imagem de Joel

Sendo minha própria

Sendo minha própria imagem,
Continuo a ser todavia, eu ess’ outro …

Sou a própria passagem do tempo,
O mestre do desapego, o final do ano,
É o que descrevo de mim e por mim,
De modo a parecer logro sendo-o, sou-o,

Não me imito, desnivelo-me pelo outro,
Mesmo o mais baixo, matreiro oco
Manhoso e velhaco, e os demais são,
Sendo eu, a minha própria mensagem, o local

Da praça, o demérito, a paragem do despudor,
A dor com que observo a tarde
A Ocidente, o lago da ” não-pertença”,
O Oligarca dos mal feitos,

Nada – é o meu nome a cheio,
Feito meu, a própria cara minha personifica
Um lego no que leio e receio nem ser,
Ouço-me em falso falando o que nem entendo,

Apenas raras vezes no sossego, conto
As estações do ano, os rostos leais dos meses
Como que me batem, o mérito nos rostos,
Na longa viagem dos “condes do duvidoso”,

Os Deuses do absurdo são poucos,
Brancos quanto o sal das salinas,
Nas estações do “inverneio”, no subúrbio
Pouco verdadeiro do que expresso,

O que peso não é um peso morto
Que se ate aos sapatos ou que os homens
Possam usar no bolso,
Eu faço uso d’facas vivas, o que me aconteceu,

Acontece aos nós, nos dedos dos loucos,
Nem sei quantos atributos os deuses
Das pedras têm, dos redemoinhos, dos socalcos
Nas águas, da turbulência dos ribeiros,

Dos cascalhos do caudal em que me prendo,
I’preso eu me penso não um rio, um mar
Imenso, desses onde se pode embarcar
Pra outro universo vivo, esse onde anoiteci

Rei e rainha de mim, inúmeras narrativas
Vêm á minha mente que não recordo
Nem tenho necessidade, não perco tempo
Averiguando as que são reais e as que finjo,

Dói-me a viagem dentro da própria viagem,
Conquanto sou a própria imagem doutro,
Continuo a ser, todavia, eu ess’outro
Dentro de mim …

Joel Matos ( 12 Dezembro 2021)

http://joel-matos.blogspot.com
https://namastibet.wordpress.com
http://namastibetpoems.blogspot.com

imagem de Joel

Sendo minha própria

Sendo minha própria imagem,
Continuo a ser todavia, eu ess’ outro …

Sou a própria passagem do tempo,
O mestre do desapego, o final do ano,
É o que descrevo de mim e por mim,
De modo a parecer logro sendo-o, sou-o,

Não me imito, desnivelo-me pelo outro,
Mesmo o mais baixo, matreiro oco
Manhoso e velhaco, e os demais são,
Sendo eu, a minha própria mensagem, o local

Da praça, o demérito, a paragem do despudor,
A dor com que observo a tarde
A Ocidente, o lago da ” não-pertença”,
O Oligarca dos mal feitos,

Nada – é o meu nome a cheio,
Feito meu, a própria cara minha personifica
Um lego no que leio e receio nem ser,
Ouço-me em falso falando o que nem entendo,

Apenas raras vezes no sossego, conto
As estações do ano, os rostos leais dos meses
Como que me batem, o mérito nos rostos,
Na longa viagem dos “condes do duvidoso”,

Os Deuses do absurdo são poucos,
Brancos quanto o sal das salinas,
Nas estações do “inverneio”, no subúrbio
Pouco verdadeiro do que expresso,

O que peso não é um peso morto
Que se ate aos sapatos ou que os homens
Possam usar no bolso,
Eu faço uso d’facas vivas, o que me aconteceu,

Acontece aos nós, nos dedos dos loucos,
Nem sei quantos atributos os deuses
Das pedras têm, dos redemoinhos, dos socalcos
Nas águas, da turbulência dos ribeiros,

Dos cascalhos do caudal em que me prendo,
I’preso eu me penso não um rio, um mar
Imenso, desses onde se pode embarcar
Pra outro universo vivo, esse onde anoiteci

Rei e rainha de mim, inúmeras narrativas
Vêm á minha mente que não recordo
Nem tenho necessidade, não perco tempo
Averiguando as que são reais e as que finjo,

Dói-me a viagem dentro da própria viagem,
Conquanto sou a própria imagem doutro,
Continuo a ser, todavia, eu ess’outro
Dentro de mim …

Joel Matos ( 12 Dezembro 2021)

http://joel-matos.blogspot.com
https://namastibet.wordpress.com
http://namastibetpoems.blogspot.com

imagem de Joel

Sendo minha própria

Sendo minha própria imagem,
Continuo a ser todavia, eu ess’ outro …

Sou a própria passagem do tempo,
O mestre do desapego, o final do ano,
É o que descrevo de mim e por mim,
De modo a parecer logro sendo-o, sou-o,

Não me imito, desnivelo-me pelo outro,
Mesmo o mais baixo, matreiro oco
Manhoso e velhaco, e os demais são,
Sendo eu, a minha própria mensagem, o local

Da praça, o demérito, a paragem do despudor,
A dor com que observo a tarde
A Ocidente, o lago da ” não-pertença”,
O Oligarca dos mal feitos,

Nada – é o meu nome a cheio,
Feito meu, a própria cara minha personifica
Um lego no que leio e receio nem ser,
Ouço-me em falso falando o que nem entendo,

Apenas raras vezes no sossego, conto
As estações do ano, os rostos leais dos meses
Como que me batem, o mérito nos rostos,
Na longa viagem dos “condes do duvidoso”,

Os Deuses do absurdo são poucos,
Brancos quanto o sal das salinas,
Nas estações do “inverneio”, no subúrbio
Pouco verdadeiro do que expresso,

O que peso não é um peso morto
Que se ate aos sapatos ou que os homens
Possam usar no bolso,
Eu faço uso d’facas vivas, o que me aconteceu,

Acontece aos nós, nos dedos dos loucos,
Nem sei quantos atributos os deuses
Das pedras têm, dos redemoinhos, dos socalcos
Nas águas, da turbulência dos ribeiros,

Dos cascalhos do caudal em que me prendo,
I’preso eu me penso não um rio, um mar
Imenso, desses onde se pode embarcar
Pra outro universo vivo, esse onde anoiteci

Rei e rainha de mim, inúmeras narrativas
Vêm á minha mente que não recordo
Nem tenho necessidade, não perco tempo
Averiguando as que são reais e as que finjo,

Dói-me a viagem dentro da própria viagem,
Conquanto sou a própria imagem doutro,
Continuo a ser, todavia, eu ess’outro
Dentro de mim …

Joel Matos ( 12 Dezembro 2021)

http://joel-matos.blogspot.com
https://namastibet.wordpress.com
http://namastibetpoems.blogspot.com

imagem de Joel

Sendo minha própria

Sendo minha própria imagem,
Continuo a ser todavia, eu ess’ outro …

Sou a própria passagem do tempo,
O mestre do desapego, o final do ano,
É o que descrevo de mim e por mim,
De modo a parecer logro sendo-o, sou-o,

Não me imito, desnivelo-me pelo outro,
Mesmo o mais baixo, matreiro oco
Manhoso e velhaco, e os demais são,
Sendo eu, a minha própria mensagem, o local

Da praça, o demérito, a paragem do despudor,
A dor com que observo a tarde
A Ocidente, o lago da ” não-pertença”,
O Oligarca dos mal feitos,

Nada – é o meu nome a cheio,
Feito meu, a própria cara minha personifica
Um lego no que leio e receio nem ser,
Ouço-me em falso falando o que nem entendo,

Apenas raras vezes no sossego, conto
As estações do ano, os rostos leais dos meses
Como que me batem, o mérito nos rostos,
Na longa viagem dos “condes do duvidoso”,

Os Deuses do absurdo são poucos,
Brancos quanto o sal das salinas,
Nas estações do “inverneio”, no subúrbio
Pouco verdadeiro do que expresso,

O que peso não é um peso morto
Que se ate aos sapatos ou que os homens
Possam usar no bolso,
Eu faço uso d’facas vivas, o que me aconteceu,

Acontece aos nós, nos dedos dos loucos,
Nem sei quantos atributos os deuses
Das pedras têm, dos redemoinhos, dos socalcos
Nas águas, da turbulência dos ribeiros,

Dos cascalhos do caudal em que me prendo,
I’preso eu me penso não um rio, um mar
Imenso, desses onde se pode embarcar
Pra outro universo vivo, esse onde anoiteci

Rei e rainha de mim, inúmeras narrativas
Vêm á minha mente que não recordo
Nem tenho necessidade, não perco tempo
Averiguando as que são reais e as que finjo,

Dói-me a viagem dentro da própria viagem,
Conquanto sou a própria imagem doutro,
Continuo a ser, todavia, eu ess’outro
Dentro de mim …

Joel Matos ( 12 Dezembro 2021)

http://joel-matos.blogspot.com
https://namastibet.wordpress.com
http://namastibetpoems.blogspot.com

imagem de Joel

Sendo minha própria

Sendo minha própria imagem,
Continuo a ser todavia, eu ess’ outro …

Sou a própria passagem do tempo,
O mestre do desapego, o final do ano,
É o que descrevo de mim e por mim,
De modo a parecer logro sendo-o, sou-o,

Não me imito, desnivelo-me pelo outro,
Mesmo o mais baixo, matreiro oco
Manhoso e velhaco, e os demais são,
Sendo eu, a minha própria mensagem, o local

Da praça, o demérito, a paragem do despudor,
A dor com que observo a tarde
A Ocidente, o lago da ” não-pertença”,
O Oligarca dos mal feitos,

Nada – é o meu nome a cheio,
Feito meu, a própria cara minha personifica
Um lego no que leio e receio nem ser,
Ouço-me em falso falando o que nem entendo,

Apenas raras vezes no sossego, conto
As estações do ano, os rostos leais dos meses
Como que me batem, o mérito nos rostos,
Na longa viagem dos “condes do duvidoso”,

Os Deuses do absurdo são poucos,
Brancos quanto o sal das salinas,
Nas estações do “inverneio”, no subúrbio
Pouco verdadeiro do que expresso,

O que peso não é um peso morto
Que se ate aos sapatos ou que os homens
Possam usar no bolso,
Eu faço uso d’facas vivas, o que me aconteceu,

Acontece aos nós, nos dedos dos loucos,
Nem sei quantos atributos os deuses
Das pedras têm, dos redemoinhos, dos socalcos
Nas águas, da turbulência dos ribeiros,

Dos cascalhos do caudal em que me prendo,
I’preso eu me penso não um rio, um mar
Imenso, desses onde se pode embarcar
Pra outro universo vivo, esse onde anoiteci

Rei e rainha de mim, inúmeras narrativas
Vêm á minha mente que não recordo
Nem tenho necessidade, não perco tempo
Averiguando as que são reais e as que finjo,

Dói-me a viagem dentro da própria viagem,
Conquanto sou a própria imagem doutro,
Continuo a ser, todavia, eu ess’outro
Dentro de mim …

Joel Matos ( 12 Dezembro 2021)

http://joel-matos.blogspot.com
https://namastibet.wordpress.com
http://namastibetpoems.blogspot.com

imagem de Joel

Sendo minha própria

Sendo minha própria imagem,
Continuo a ser todavia, eu ess’ outro …

Sou a própria passagem do tempo,
O mestre do desapego, o final do ano,
É o que descrevo de mim e por mim,
De modo a parecer logro sendo-o, sou-o,

Não me imito, desnivelo-me pelo outro,
Mesmo o mais baixo, matreiro oco
Manhoso e velhaco, e os demais são,
Sendo eu, a minha própria mensagem, o local

Da praça, o demérito, a paragem do despudor,
A dor com que observo a tarde
A Ocidente, o lago da ” não-pertença”,
O Oligarca dos mal feitos,

Nada – é o meu nome a cheio,
Feito meu, a própria cara minha personifica
Um lego no que leio e receio nem ser,
Ouço-me em falso falando o que nem entendo,

Apenas raras vezes no sossego, conto
As estações do ano, os rostos leais dos meses
Como que me batem, o mérito nos rostos,
Na longa viagem dos “condes do duvidoso”,

Os Deuses do absurdo são poucos,
Brancos quanto o sal das salinas,
Nas estações do “inverneio”, no subúrbio
Pouco verdadeiro do que expresso,

O que peso não é um peso morto
Que se ate aos sapatos ou que os homens
Possam usar no bolso,
Eu faço uso d’facas vivas, o que me aconteceu,

Acontece aos nós, nos dedos dos loucos,
Nem sei quantos atributos os deuses
Das pedras têm, dos redemoinhos, dos socalcos
Nas águas, da turbulência dos ribeiros,

Dos cascalhos do caudal em que me prendo,
I’preso eu me penso não um rio, um mar
Imenso, desses onde se pode embarcar
Pra outro universo vivo, esse onde anoiteci

Rei e rainha de mim, inúmeras narrativas
Vêm á minha mente que não recordo
Nem tenho necessidade, não perco tempo
Averiguando as que são reais e as que finjo,

Dói-me a viagem dentro da própria viagem,
Conquanto sou a própria imagem doutro,
Continuo a ser, todavia, eu ess’outro
Dentro de mim …

Joel Matos ( 12 Dezembro 2021)

http://joel-matos.blogspot.com
https://namastibet.wordpress.com
http://namastibetpoems.blogspot.com

imagem de Joel

Sendo minha própria

Sendo minha própria imagem,
Continuo a ser todavia, eu ess’ outro …

Sou a própria passagem do tempo,
O mestre do desapego, o final do ano,
É o que descrevo de mim e por mim,
De modo a parecer logro sendo-o, sou-o,

Não me imito, desnivelo-me pelo outro,
Mesmo o mais baixo, matreiro oco
Manhoso e velhaco, e os demais são,
Sendo eu, a minha própria mensagem, o local

Da praça, o demérito, a paragem do despudor,
A dor com que observo a tarde
A Ocidente, o lago da ” não-pertença”,
O Oligarca dos mal feitos,

Nada – é o meu nome a cheio,
Feito meu, a própria cara minha personifica
Um lego no que leio e receio nem ser,
Ouço-me em falso falando o que nem entendo,

Apenas raras vezes no sossego, conto
As estações do ano, os rostos leais dos meses
Como que me batem, o mérito nos rostos,
Na longa viagem dos “condes do duvidoso”,

Os Deuses do absurdo são poucos,
Brancos quanto o sal das salinas,
Nas estações do “inverneio”, no subúrbio
Pouco verdadeiro do que expresso,

O que peso não é um peso morto
Que se ate aos sapatos ou que os homens
Possam usar no bolso,
Eu faço uso d’facas vivas, o que me aconteceu,

Acontece aos nós, nos dedos dos loucos,
Nem sei quantos atributos os deuses
Das pedras têm, dos redemoinhos, dos socalcos
Nas águas, da turbulência dos ribeiros,

Dos cascalhos do caudal em que me prendo,
I’preso eu me penso não um rio, um mar
Imenso, desses onde se pode embarcar
Pra outro universo vivo, esse onde anoiteci

Rei e rainha de mim, inúmeras narrativas
Vêm á minha mente que não recordo
Nem tenho necessidade, não perco tempo
Averiguando as que são reais e as que finjo,

Dói-me a viagem dentro da própria viagem,
Conquanto sou a própria imagem doutro,
Continuo a ser, todavia, eu ess’outro
Dentro de mim …

Joel Matos ( 12 Dezembro 2021)

http://joel-matos.blogspot.com
https://namastibet.wordpress.com
http://namastibetpoems.blogspot.com

imagem de Joel

Sendo minha própria

Sendo minha própria imagem,
Continuo a ser todavia, eu ess’ outro …

Sou a própria passagem do tempo,
O mestre do desapego, o final do ano,
É o que descrevo de mim e por mim,
De modo a parecer logro sendo-o, sou-o,

Não me imito, desnivelo-me pelo outro,
Mesmo o mais baixo, matreiro oco
Manhoso e velhaco, e os demais são,
Sendo eu, a minha própria mensagem, o local

Da praça, o demérito, a paragem do despudor,
A dor com que observo a tarde
A Ocidente, o lago da ” não-pertença”,
O Oligarca dos mal feitos,

Nada – é o meu nome a cheio,
Feito meu, a própria cara minha personifica
Um lego no que leio e receio nem ser,
Ouço-me em falso falando o que nem entendo,

Apenas raras vezes no sossego, conto
As estações do ano, os rostos leais dos meses
Como que me batem, o mérito nos rostos,
Na longa viagem dos “condes do duvidoso”,

Os Deuses do absurdo são poucos,
Brancos quanto o sal das salinas,
Nas estações do “inverneio”, no subúrbio
Pouco verdadeiro do que expresso,

O que peso não é um peso morto
Que se ate aos sapatos ou que os homens
Possam usar no bolso,
Eu faço uso d’facas vivas, o que me aconteceu,

Acontece aos nós, nos dedos dos loucos,
Nem sei quantos atributos os deuses
Das pedras têm, dos redemoinhos, dos socalcos
Nas águas, da turbulência dos ribeiros,

Dos cascalhos do caudal em que me prendo,
I’preso eu me penso não um rio, um mar
Imenso, desses onde se pode embarcar
Pra outro universo vivo, esse onde anoiteci

Rei e rainha de mim, inúmeras narrativas
Vêm á minha mente que não recordo
Nem tenho necessidade, não perco tempo
Averiguando as que são reais e as que finjo,

Dói-me a viagem dentro da própria viagem,
Conquanto sou a própria imagem doutro,
Continuo a ser, todavia, eu ess’outro
Dentro de mim …

Joel Matos ( 12 Dezembro 2021)

http://joel-matos.blogspot.com
https://namastibet.wordpress.com
http://namastibetpoems.blogspot.com

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Joel

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Geral Espírito de andante ... 37 260 05/26/2022 - 16:07 Português
Poesia/Geral Feliz como poucos … 3 964 03/24/2022 - 13:15 Português
Poesia/Geral Nada, fora o novo ... 17 251 03/19/2022 - 21:01 Português
Poesia/Geral A tenaz negação do eu, 8 552 03/19/2022 - 20:58 Português
Poesia/Geral Nunca tive facilidade de 29 262 03/11/2022 - 18:20 Português
Poesia/Geral Tudo em mim, 13 261 02/25/2022 - 18:40 Português
Poesia/Geral E eu deixei meus olhos 12 299 02/25/2022 - 18:40 Português
Poesia/Geral Meu instinto é dado pelos dedos mindinhos 22 285 02/25/2022 - 18:39 Português
Ministério da Poesia/Geral Sem nada … 17 861 02/19/2022 - 16:18 Português
Poesia/Geral Até que mais seja 33 298 02/17/2022 - 11:28 Português
Poesia/Geral Send'a própria imagem minha, Continuo'a ser eu ess’outro … 18 219 01/21/2022 - 19:07 Português
Poesia/Geral Perfeitos no amor e no pranto … 46 255 01/20/2022 - 23:04 Português
Ministério da Poesia/Geral O facto de respirar … 43 477 01/19/2022 - 21:36 Português
Poesia/Geral Não me substituam a realidade 36 221 01/15/2022 - 10:31 Português
Ministério da Poesia/Geral Sou tudo quanto dou e devo ... 18 435 01/04/2022 - 19:16 Português
Poesia/Geral Cada um de todos nós é todo'mundo, 31 565 12/11/2021 - 21:10 Português
Poesia/Geral Sou minha própria imagem, 2 596 07/01/2021 - 12:50 Português
Poesia/Geral Há um vão à minha espera 2 551 07/01/2021 - 12:50 Português
Poesia/Geral leve 4 2.396 06/28/2021 - 15:39 Português
Poesia/Geral Deus Ex-Machina, “Anima Vili” ... 1 1.194 06/24/2021 - 11:38 Português
Poesia/Geral Da significação aos sonhos ... 1 1.071 06/22/2021 - 10:01 Português
Ministério da Poesia/Geral Sonho sem fim, nem fundo ... 1 1.098 06/21/2021 - 16:27 Português
Ministério da Poesia/Geral Absurdo e Sem-Fim… 1 1.568 06/21/2021 - 16:26 Português
Ministério da Poesia/Geral A Rua ao meu lado ou O Valor do riso... 1 1.482 06/21/2021 - 16:25 Português
Ministério da Poesia/Geral Rua dos Douradores 30 ... 1 1.184 06/21/2021 - 16:25 Português