CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

A AMBIÇÃO DE MARIANA

Naquela tarde, Mariana não estava disposta a fazer os trabalhos de casa. Embora sabendo bem o quão exigente era a sua professora, decidiu ir ter com as suas amigas ao adro da igreja daquela pequena aldeia sem luz, nem água canalizada, onde o ar que se respirava era puro, mas a miséria uma realidade tão grande quanto retrógrada e primitiva era a mentalidade de alguns dos seus 800 habitantes.

Deixou os livros em cima da mesa da cozinha e saiu. Ela não estava a suportar mais aquele espaço onde o cheiro a lenha queimada e a miséria tanto a incomodavam. Estes dois elementos, de permanência diária, incomodam mais ainda quando a saturação de quem os vive impede-os de raciocinar direito e de manter a perseverança necessária a um mudar de rumo, num futuro relativamente próximo, sobretudo  quando há já algo que está a exercer-lhes pressão para uma decisão que pode vir a ser lamentável.

Mariana tinha 15 anos. Ela estava cansada de viajar todos os dias para a escola da localidade mais próxima, quantas vezes depois duma noite passada num leito onde o conforto era uma lacuna tão grande quanto toda a atmosfera pesada que se vivia naquela casa. A mãe, pessoa de extrema bondade, cujo rosto revelava já marcas profundas dum enorme sofrimento, não podia dar aos seus 5 filhos  mais do que muito amor. Vivia atormentada pelo progressivo apego do marido ao álcool, apego esse que ele vinha manifestando há alguns anos.  Tinha virado tormento vê-lo sair de casa todas as noites, de lanterna na mão, em direcção à adega onde iria “confraternizar” com os amigos para esquecer o suor que lhe caía do rosto, todos os santos dias, sem que o resultado do seu esforço compensasse a sua família. Ele não era mau, mas este vício estava a torná-lo demasiadamente melancólico, demasiadamente desinteressado e, muito possivelmente, sentindo-se eternamente escravo duma vida de sacrifícios que não conseguia evitar.

Mariana era a mais velha das 5 crianças e a que mais ‘tarefas’ tinha naquele lar, espelho de vidas sem esperança. Ir para o quarto que partilhava com os seus irmãos não seria uma alternativa possível, porque estaria sendo incomodada, constantemente, pelos mais pequenitos. Determinada, enfiou um casaquito de carapuço e saiu. Era sua intenção, ao sair de casa, estar com as amiguinhas de todos os dias, algumas das quais não partilhariam o ácido sabor da vida que se vivia em sua casa e, portanto, nunca poderiam compreender o quanto sofria.  Talvez consciente disso, decidiu mudar de direcção.

Mariana tinha um amigo, filho de agricultores abastados, com quem viajava todos os dias para a escola. O clima que se vivia em casa dele era bem diferente, mas tinha um factor comum:  um malfadado vício. Neste caso, o pai desse seu amigo era conhecido pela sua infidelidade à mulher. Constava-se mesmo, naquela pequena localidade, que tinha filhos de menores de quem abusava regularmente. A mulher dele, como dinheiro não faltava naquela casa, não trabalhava, passando os seus dias a ajudar o padre da aldeia. Todos os santos dias aquela senhora "queimava" ali o seu tempo, preparando os arranjos de  flores, deitando fora as que já estavam murchas ou  arranjando o altar onde a imagem dum Cristo, a quem tantas almas pediam o que Ele não podia dar, inspirava oração. Resumindo: esta senhora preenchia os seus dias a seu bel-prazer.

Naquela tarde Mariana sentiu que os seus passos não deveriam conduzi-la ao adro da igreja. Ela sabia que a mãe do seu amigo estava na igreja, porque a tinha visto passar em frente da sua casa, quando estava na cozinha. Decidida, rumou em direcção à casa do amigo, mas ele não estava. Tinha ido jogar futebol. O pai dele, muito solícito, convidou-a a esperar por ele lá em casa. Aceitou. Talvez o convite fosse sincero. Porque não aceitar? Afinal, não havia mal nenhum nisso… Mas seria, realmente, o que Mariana estaria a sentir, ou essa sua reflexão obedecia a um instinto que ela não estava a dominar?

…………

A atitude da Mariana tornou célebre aquela aldeia de 800 habitantes.
Na cela dum qualquer estabelecimento prisional, um homem, não arrependido, esperava o dia da sua libertação, enquanto no espaço duma qualquer instituição de menores, uma jovem, envergonhada e arrependida, mudava o quadro das suas ambições, esperando o dia em que pudesse regressar a casa para ajudar a sua família, que sempre a amou, malgrado o pouco que podia dar-lhe, para além desse Amor tão puro quanto verdadeiro…

Maria Letra

Submited by

terça-feira, novembro 20, 2012 - 16:13

Prosas :

No votes yet

Maria Letra

imagem de Maria Letra
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 31 semanas 10 horas
Membro desde: 11/20/2012
Conteúdos:
Pontos: 2604

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Maria Letra

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Tristeza O FLAGELO DA PERDA 1 299 06/17/2021 - 15:23 Português
Poesia/Geral NA MIRA DE GENTE FALSA 0 228 06/13/2021 - 20:41 Português
Poesia/Intervenção SOCIALIZAR_OU NÃO? 0 165 06/13/2021 - 20:36 Português
Poesia/Geral RENOVAÇÃO 0 375 05/27/2021 - 16:34 Português
Poesia/Intervenção AUTO DA SUBSERVIÊNCIA 0 281 05/25/2021 - 00:03 Português
Poesia/Soneto LUZ E DESAIRE 0 285 05/21/2021 - 17:32 Português
Poesia/Desilusão ESPECTRO DO QUE ME RESTA 0 362 05/06/2021 - 23:10 Português
Poesia/Soneto QUERIA SER POMBA COM ASAS DE ESTANHO 0 311 05/06/2021 - 21:29 Português
Poesia/Soneto DEIXA-ME VIVER! 2 462 04/27/2021 - 20:40 Português
Poesia/Tristeza MUITOS FORAM OS QUE PARTIRAM 0 404 04/25/2021 - 10:42 Português
Poesia/Intervenção REVOLUÇÃO 0 375 04/25/2021 - 08:39 Português
Poesia/Dedicado UM HINO À NOITE 0 392 04/22/2021 - 23:15 Português
Prosas/Outros A MINHA PERPECTIVA SOBRE ALGUMAS DAS DIFERENTES CLASSES SOCIAIS-COM A COLABORAÇÃO DE MIGUEL LETRA 0 456 04/13/2021 - 12:14 Português
Poesia/Meditação ESPERO_POR_TI_MADRUGADA 2 258 04/07/2021 - 20:34 Português
Poesia/Desilusão A NOVA PÁSCOA 0 267 04/04/2021 - 07:09 Português
Poesia/Geral O QUE SERIA DE MIM 0 281 03/28/2021 - 02:54 Português
Poesia/Soneto TEMPOS DE AFLIÇÃO 2 399 03/26/2021 - 23:34 Português
Poesia/Geral ESPERANDO PELA MARÉ ALTA 0 330 03/25/2021 - 23:45 Português
Poesia/Geral MULHER-ESCRITORA 0 276 03/25/2021 - 16:28 Português
Poesia/Tristeza RECOMEÇAR 0 296 03/25/2021 - 01:32 Português
Poesia/Desilusão O VAZIO DA MINHA ALMA 0 1.183 03/11/2021 - 12:51 inglês
Poesia/Geral O GRITO DO INDÍGENA 2 481 03/10/2021 - 21:31 Português
Poesia/Tristeza TERRAS DE DESAMOR 0 456 03/09/2021 - 21:04 Português
Poesia/Intervenção VIOLÊNCIA 0 291 03/09/2021 - 20:46 Português
Poesia/Geral A MULHER E O OBVERSO DO IRREVERSÍVEL 0 305 03/08/2021 - 21:30 Português