CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

21

Enquanto isso, você
assiste de camarote
a eterna luta entre
Dona Sofia e A Menina Carmem –
guerra intestina assim onde já civil?
ARQUéTIPOS & PROTóTIPOS.
Documento e Monumento,
Eternidade contra Tempo.
Igualdade contra Liberdade!
raternidade contra Irmandade!
Ordem barra Progresso!
CETICISMO X CATECISMO!
Caos vezes Cosmos!
Nervos de aço à flor da pele!
Disputam-se putanos e puritanos!
Jatos e Jegues,
ecnologia de Ponta
versus Ponta de Estoque!
Entranhas contra estranhas!
Contra prisão perpétua,
um sábado eterno!
Traste contra contraste,
a palavra versos a poesia,
prosa mais controversa!
A poesia do vazio
contra o vazio da poesia!
O poema para a poesia,
como o morfema para a ortografia!
O Melhor contra o Bonzão!
Vox populi versus vox dei!
Só os medíocres não conhecem meio-termo.
Tá certo, o espírito racional
entende muito, muito pouco.
Não me entenda mal, mas…
quando você pensa que está certo,
é melhor pensar de novo.
A verdade não tem
nenhuma profundidade
que não seja abismo.
Boiei.
Se a verdade é uma só, todo o resto é mentira?
Se não há regra sem exceção,
onde a exceção dessa regra?
Ou essa regra será uma excessão?

Vai no faro e segue o rastro:
as verdades mais evidentes
são desprezadas pelos que procuram
outras “mais profundas” –
parecem muito superficiais
para os caçadores de abismos.
Abismados ficariam se se debruçassem
sobre as verdades mais ao rés-do-chão.

Verdade para camuflar verdades,
verdade para quem tem dúvidas,
verdade para quem tem fé,
verdade para como pedra,
verdade para como freio,
verdade para como arreio,
ou para sustentar os seios –
salada de verdade
era a da finada minha avó!

Em verdade vos digo:
conhecereis a Dúvida,
e ela sim vos libertará de Verdade!

Tá certo, mas o que é estar certo?
Ter certeza não implica ser certeiro!
O amor instransitivo, incorpóreo, inalmal,
encontra-se no calor da dúvida;
o gratuito, encorpado, desalmado,
no seio da descrença.
Nosso Inferno é a Ignorância –
a Dúvida, nosso Purgatório.
Além do mais, super-homem
aspira a supra-sumo –
sacerdote de além-deus.
Como chegar ao Paraíso?
Admito que isso é a mais puta verdade,
mas confesso que duvido
de tudo o me parece sê-lo…

Como o Sol ilumina a Terra
mas apaga o firmamento,
assim também toda verdade muito próxima
pode ofuscar as demais –
ainda que menor que elas.

Lembre-se da conhecida frase
de pára-choque de caminhão:
MANTENHA DISTÂNCIA!

Só à noite se vêem estrelas –
se as verdades são feitas de luz,
é mister escuridão para vê-las.

Toda solução põe em cena
no mínimo mais um problema.

No limite, abismo invocando abismo,
não há paraíso nem final das contas.
Quanto mais se entende a queda,
mais queda que se entenda:
a sabença aumenta a ignorância
na medida em que diminui a burrice.
Mas que tédio seria saber tudo –
só a ignorância diverte!
Abre-te, cérebro!
Não há conhecimento mais profundo
que o da própria ignorância –
só ele permite se precaver
do que não se pode prever.

A intuição sobrepuja a razão
quando o resultado só depende da sorte –
boa sorte, oxalá tenha razão!

Pior desentender que malentender,
desconhecer que conhecer de vista…
Pensando bem, é muito perigoso pensar mal –
de pensar morreu o burro.
Quem não sabe nada não sabe o que é medo!
Pensando melhor, melhor nem pensar, você pensa…
Você que pensa!
Pensando assim, você vai precisar de muita sorte…

Agir por instinto não significa
agir da melhor forma possível.
Funciona, quando funciona, por pura coincidência –
NÃO SE PODE PERDER SEMPRE.

Lance de dados, golpe de sorte –
a seleção é natural, não lógica.
As mãos são mais lépidas que os olhos;
ver é mais econômico que pensar –
mas não chega até onde não se enxerga.
Sem o delírio, o pensamento chega mais rápido,
mas não voa tão alto…

Procure levar em contra
todos esses prós…
Perante o universo,
todas as nossas ideias mais geniais,
nossos pensamentos mais brilhantes,
nossos sentimentos mais nobres,
nossas obras mais primas,
apenas nos equiparam (do verbo equiparar)
a uma mosca tentando escapar
pelo vidro da janela,
sem jamais compreender
por que não o consegue.
Nossos genes não nos equiparam (do verbo equipar)
com ferramentas suficientes
para compreender o Universo
ou nós é que ainda
não aprendemos a usá-las?
Tudo isso parece tão estúpido
quanto uma piada estúpida.
Não cuspa na cartilha
da qual você comeu:
a cienciola é fraca,
mas sem ela não há o mistério,
e sem mistério, onde o fascínio das coisas?
Eu na minha opinião acho que sem dúvida
não se pode ter certeza de nada.

RAZÃO E LOUCURA: NÃO PERMITA
QUE NENHUMA TE ROUBE A OUTRA!

A aritmética não é só o número,
a lógica não é só a artimética,
a razão não é só a lógica,
o homem não é só a razão –
mas não ser só a razão
implica ser também a razão, não tenho razão?

O riso não te leve o siso –
COMO SER FELIZ SEM O SABER?

A cabeça debaixo proporciona o prazer,
mas é a de cima que o sente.

E se quer mesmo saber,
ser feliz é só metade
pra quem quer a plenitude.

Submited by

domingo, dezembro 20, 2009 - 01:27

Ministério da Poesia :

No votes yet

MauroBartolomeu

imagem de MauroBartolomeu
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 8 anos 3 semanas
Membro desde: 12/19/2009
Conteúdos:
Pontos: 110

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of MauroBartolomeu

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Geral asfixia 0 526 08/06/2011 - 04:56 Português
Poesia/Haikai sem título 1 376 03/29/2011 - 14:19 Português
Poesia/Amor Contra o Amor 2 972 03/23/2011 - 14:56 Português
Fotos/ - MauroBartolomeu 0 696 03/05/2011 - 00:25 Português
Ministério da Poesia/Geral 30 0 549 11/19/2010 - 18:12 Português
Ministério da Poesia/Geral 6 0 540 11/19/2010 - 18:12 Português
Ministério da Poesia/Geral 29 0 577 11/19/2010 - 18:12 Português
Ministério da Poesia/Geral 27 0 594 11/19/2010 - 18:12 Português
Ministério da Poesia/Geral 28 0 671 11/19/2010 - 18:12 Português
Ministério da Poesia/Geral 25 0 558 11/19/2010 - 18:12 Português
Ministério da Poesia/Geral 26 0 700 11/19/2010 - 18:12 Português
Ministério da Poesia/Geral 24 0 554 11/19/2010 - 18:12 Português
Ministério da Poesia/Geral 23 0 634 11/19/2010 - 18:12 Português
Ministério da Poesia/Geral 22 0 642 11/19/2010 - 18:12 Português
Ministério da Poesia/Geral 20 0 533 11/19/2010 - 18:12 Português
Ministério da Poesia/Geral 21 0 504 11/19/2010 - 18:12 Português
Ministério da Poesia/Geral 14 0 686 11/19/2010 - 18:12 Português
Ministério da Poesia/Geral 15 0 579 11/19/2010 - 18:12 Português
Ministério da Poesia/Geral 16 0 438 11/19/2010 - 18:12 Português
Ministério da Poesia/Amor 17 0 588 11/19/2010 - 18:12 Português
Ministério da Poesia/Canção 18 0 599 11/19/2010 - 18:12 Português
Ministério da Poesia/Geral 19 0 584 11/19/2010 - 18:12 Português
Ministério da Poesia/Geral 8 0 554 11/19/2010 - 18:12 Português
Ministério da Poesia/Geral 9 0 590 11/19/2010 - 18:12 Português
Ministério da Poesia/Canção 10 0 632 11/19/2010 - 18:12 Português