CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Ao longe os barcos de flores

AO LONGE OS BARCOS DE FLORES

Só, incessante, um som de flauta chora,
Viúva, grácil, na escuridão tranquila,
– Perdida voz que de entre as mais se exila,
– Festões de som dissimulando a hora.

Na orgia, ao longe, que em clarões cintila
E os lábios, branca, do carmim desflora...
Só, incessante, um som de flauta chora,
Viúva, grácil, na escuridão tranquila.

E a orquestra? E os beijos? Tudo a noite, fora,
Cauta, detém. Só modulada trila
A flauta flébil... Quem há-de remi-la?
Quem sabe a dor que sem razão deplora?

Só, incessante, um som de flauta chora...

Camilo Pessanha

Submited by

quinta-feira, abril 9, 2009 - 22:30

Poesia Consagrada :

No votes yet

CamiloPessanha

imagem de CamiloPessanha
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 9 anos 3 semanas
Membro desde: 04/09/2009
Conteúdos:
Pontos: 150

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of CamiloPessanha

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Fotos/ - Camilo Pessanha 0 540 11/23/2010 - 23:37 Português
Poesia Consagrada/Geral Final 0 405 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Voz débil que passas 0 382 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Se andava no Jardim 0 516 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Singra o navio. Sob a agua clara 0 420 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Ó meu coração torna para traz 0 369 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Esvelta surge! Vem das aguas, nua 0 559 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Soneto Desce em folhedos tenros a collina 0 334 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Soneto Tatuagens complicadas do meu peito 0 720 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Estátua 0 247 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Caminho 0 430 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Interrogação 0 330 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Viola Chinesa 0 387 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Castelo de Óbidos 0 346 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Violoncelo 0 355 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Ao longe os barcos de flores 0 348 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Fonógrafo 0 449 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral II A Morte, no Pego-Dragão 0 307 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral E eis quanto resta do idílio acabado 0 432 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Inscrição 0 342 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Passou o Outono já, já torna o frio... 0 383 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Quem poluiu, quem rasgou os meus lençóis de linho 0 467 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Ao meu coração um peso de ferro 0 417 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Chorae arcadas 0 327 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Canção da Partida 0 400 11/19/2010 - 15:49 Português