CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Interrogação

Interrogação

Não sei se isto é amor. Procuro o teu olhar,
Se alguma dor me fere, em busca de um abrigo;
E apesar disso, crê! nunca pensei num lar
Onde fosses feliz, e eu feliz contigo.

Por ti nunca chorei nenhum ideal desfeito.
E nunca te escrevi nenhuns versos românticos.
Nem depois de acordar te procurei no leito
Como a esposa sensual do Cântico dos Cânticos.

Se é amar-te não sei. Não sei se te idealizo
A tua cor sadia, o teu sorriso terno...
Mas sinto-me sorrir de ver esse sorriso
Que me penetra bem, como este sol de Inverno.

Passo contigo a tarde e sempre sem receio
Da luz crepuscular, que enerva, que provoca.
Eu não demoro o olhar na curva do teu seio
Nem me lembrei jamais de te beijar na boca.

Eu não sei se é amor. Será talvez começo...
Eu não sei que mudança a minha alma pressente...
Amor não sei se o é, mas sei que te estremeço,
Que adoecia talvez de te saber doente.

Camilo Pessanha

Submited by

quinta-feira, abril 9, 2009 - 22:26

Poesia Consagrada :

No votes yet

CamiloPessanha

imagem de CamiloPessanha
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 9 anos 14 semanas
Membro desde: 04/09/2009
Conteúdos:
Pontos: 150

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of CamiloPessanha

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Fotos/ - Camilo Pessanha 0 556 11/23/2010 - 23:37 Português
Poesia Consagrada/Geral Final 0 411 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Voz débil que passas 0 390 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Se andava no Jardim 0 526 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Singra o navio. Sob a agua clara 0 426 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Ó meu coração torna para traz 0 378 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Esvelta surge! Vem das aguas, nua 0 562 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Soneto Desce em folhedos tenros a collina 0 338 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Soneto Tatuagens complicadas do meu peito 0 741 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Estátua 0 252 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Caminho 0 441 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Interrogação 0 337 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Viola Chinesa 0 398 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Castelo de Óbidos 0 349 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Violoncelo 0 363 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Ao longe os barcos de flores 0 360 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Fonógrafo 0 456 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral II A Morte, no Pego-Dragão 0 308 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral E eis quanto resta do idílio acabado 0 445 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Inscrição 0 352 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Passou o Outono já, já torna o frio... 0 393 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Quem poluiu, quem rasgou os meus lençóis de linho 0 471 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Ao meu coração um peso de ferro 0 423 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Chorae arcadas 0 335 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Canção da Partida 0 408 11/19/2010 - 15:49 Português