CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Quem poluiu, quem rasgou os meus lençóis de linho

Quem poluiu, quem rasgou os meus lençóis de linho

Quem poluiu, quem rasgou os meus lençóis de linho,
Onde esperei morrer, - meus tão castos lençóis?
Do meu jardim exíguo os altos girassóis
Quem foi que os arrancou e lançou ao caminho?

Quem quebrou (que furor cruel e simiesco!)
A mesa de eu cear, - tábua tosca, de pinho?
E me espalhou a lenha? E me entornou o vinho?
- Da minha vinha o vinho acidulado e fresco...

Ó minha pobre mãe!... Não te ergas mais da cova.
Olha a noite, olha o vento. Em ruína a casa nova...
Dos meus ossos o lume a extinguir-se breve.

Não venhas mais ao lar. Não vagabundes mais,
Alma da minha mãe... Não andes mais à neve,
De noite a mendigar às portas dos casais.

Camilo Pessanha

Submited by

quinta-feira, abril 9, 2009 - 22:38

Poesia Consagrada :

No votes yet

CamiloPessanha

imagem de CamiloPessanha
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 9 anos 50 semanas
Membro desde: 04/09/2009
Conteúdos:
Pontos: 150

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of CamiloPessanha

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Fotos/ - Camilo Pessanha 0 639 11/23/2010 - 23:37 Português
Poesia Consagrada/Geral Final 0 462 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Voz débil que passas 0 444 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Se andava no Jardim 0 588 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Singra o navio. Sob a agua clara 0 490 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Ó meu coração torna para traz 0 438 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Esvelta surge! Vem das aguas, nua 0 601 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Soneto Desce em folhedos tenros a collina 0 387 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Soneto Tatuagens complicadas do meu peito 0 822 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Estátua 0 311 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Caminho 0 494 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Interrogação 0 398 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Viola Chinesa 0 455 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Castelo de Óbidos 0 412 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Violoncelo 0 412 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Ao longe os barcos de flores 0 421 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Fonógrafo 0 526 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral II A Morte, no Pego-Dragão 0 353 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral E eis quanto resta do idílio acabado 0 519 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Inscrição 0 392 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Passou o Outono já, já torna o frio... 0 440 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Quem poluiu, quem rasgou os meus lençóis de linho 0 507 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Ao meu coração um peso de ferro 0 483 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Chorae arcadas 0 383 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Canção da Partida 0 460 11/19/2010 - 15:49 Português