CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Castelo de Óbidos

Castelo de Óbidos

Quando se erguerão as seteiras,
Outra vez, do castelo em ruína,
E haverá gritos e bandeiras
Na fria aragem matutina?

Se ouvirá tocar a rebate
Sobre a planície abandonada?
E sairemos ao combate
De cota e elmo e a longa espada?

Quando iremos, tristes e sérios,
Nas prolixas e vãs contendas.
Soltando juras, impropérios,
Pelas divisas e legendas?

.......................................
.......................................
.......................................
.......................................

E voltaremos, os antigos
E puríssimos lidadores,
(Quantos trabalhos e perigos!)
Quase mortos e vencedores?

E quando, ó Doce Infanta Real,
Nos sorrirás do belveder?
– Magra figura de vitral,
Por quem nós fomos combater...

O meu coração desce,
Um balão apagado...
– Melhor fora que ardesse,
Nas trevas, incendiado.

Na bruma fastidienta,
Como um caixão à cova...
– Porque antes não rebenta
De dor violenta e nova?!

Que apego ainda o sustém?
Átomo miserando...
– Se o esmagasse o trem
Dum comboio arquejando!...

O inane, vil despojo
Da alma egoísta e fraca!
Trouxesse-o o mar de rojo,
Levasse-o na ressaca.

Camilo Pessanha

Submited by

quinta-feira, abril 9, 2009 - 23:28

Poesia Consagrada :

No votes yet

CamiloPessanha

imagem de CamiloPessanha
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 8 anos 23 semanas
Membro desde: 04/09/2009
Conteúdos:
Pontos: 150

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of CamiloPessanha

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Fotos/ - Camilo Pessanha 0 504 11/24/2010 - 00:37 Português
Poesia Consagrada/Geral Final 0 379 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Voz débil que passas 0 351 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Se andava no Jardim 0 490 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Singra o navio. Sob a agua clara 0 397 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Ó meu coração torna para traz 0 345 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Esvelta surge! Vem das aguas, nua 0 545 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Soneto Desce em folhedos tenros a collina 0 311 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Soneto Tatuagens complicadas do meu peito 0 647 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Estátua 0 228 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Caminho 0 403 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Interrogação 0 308 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Viola Chinesa 0 366 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Castelo de Óbidos 0 328 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Violoncelo 0 327 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Ao longe os barcos de flores 0 327 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Fonógrafo 0 421 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral II A Morte, no Pego-Dragão 0 287 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral E eis quanto resta do idílio acabado 0 397 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Inscrição 0 316 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Passou o Outono já, já torna o frio... 0 360 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Quem poluiu, quem rasgou os meus lençóis de linho 0 451 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Ao meu coração um peso de ferro 0 399 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Chorae arcadas 0 305 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Canção da Partida 0 382 11/19/2010 - 16:49 Português