CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Final

Ó cores virtuaes que jazeis subterraneas,
—Fulgurações azues, vermelhos de hemoptyse,
Represados clarões, chromaticas vesanias—,
No limbo onde esperaes a luz que vos baptise,

As palpebras cerrae, anciosas não veleis.

Abôrtos que pendeis as frontes côr de cidra,
Tão graves de scismar, nos bocaes dos museus,
E escutando o correr da agua na clepsydra,
Vagamente sorris, resignados e atheus,

Cessae de cogitar, o abysmo não sondeis.

Gemebundo arrulhar dos sonhos não sonhados,
Que toda a noite erraes, doces almas penando,
E as azas laceraes na aresta dos telhados,
E no vento expiraes em um queixume brando,

Adormecei. Não suspireis. Não respireis.

Camilo Pessanha

Submited by

quinta-feira, abril 9, 2009 - 22:41

Poesia Consagrada :

No votes yet

CamiloPessanha

imagem de CamiloPessanha
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 9 anos 50 semanas
Membro desde: 04/09/2009
Conteúdos:
Pontos: 150

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of CamiloPessanha

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Fotos/ - Camilo Pessanha 0 639 11/23/2010 - 23:37 Português
Poesia Consagrada/Geral Final 0 462 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Voz débil que passas 0 445 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Se andava no Jardim 0 589 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Singra o navio. Sob a agua clara 0 491 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Ó meu coração torna para traz 0 438 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Esvelta surge! Vem das aguas, nua 0 601 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Soneto Desce em folhedos tenros a collina 0 388 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Soneto Tatuagens complicadas do meu peito 0 822 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Estátua 0 311 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Caminho 0 494 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Interrogação 0 398 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Viola Chinesa 0 455 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Castelo de Óbidos 0 412 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Violoncelo 0 412 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Ao longe os barcos de flores 0 421 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Fonógrafo 0 526 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral II A Morte, no Pego-Dragão 0 353 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral E eis quanto resta do idílio acabado 0 519 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Inscrição 0 393 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Passou o Outono já, já torna o frio... 0 441 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Quem poluiu, quem rasgou os meus lençóis de linho 0 508 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Ao meu coração um peso de ferro 0 484 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Chorae arcadas 0 384 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Canção da Partida 0 460 11/19/2010 - 15:49 Português