CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Como morre um Rei de palha...

De futilidades e empatias tenho a aorta cheia,
Mas quando o céu morre e o frio se torna cinza,
Cai em mim um véu, que é mais magro que o cio
E do que o altar vazio - o mote de acabar o dia -

Se pudesse retiraria o coração amanhã e pela frente,
Para de repente, voltar a ser gente que nem fui,
Foi-me retirado pelas costas, por ironia e pela
Folha de um punhal estranho, de ferrolho velho,

Virei depois saldar as minhas dívidas de jogo,
Desde as bem maiores às mais mínimas,
Que a fé na sorte faz esquecer, Orixá me perdoe,
Pois nem outro vício tenho, jogo de manhã,

Até à calada da noite, amanhã cedo não haverá magia,
Nem nos reconhecermos, tampouco nos perceberemos,
Somos simples corações humanos, postumamente
Criados por um Senhor morto sem pressa,

Com a clarividência de um Sultão da Pérsia nado-morto,
Deposto pela simpatia de um fraco e gordo, inútil
Até ao sobrolho e sobre ele todo, disse-me que morrerei
Só, que é como morre um rei de palha, em pó...

Jorge Santos 12/2019
http://namastibetpoems.blogspot.com

Submited by

quarta-feira, janeiro 8, 2020 - 13:50

Ministério da Poesia :

No votes yet

Joel

imagem de Joel
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 1 semana 1 dia
Membro desde: 12/20/2009
Conteúdos:
Pontos: 40698

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Joel

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Geral Esquecer é ser esquecido 0 72 09/28/2020 - 15:47 Português
Poesia/Geral Na minha terra não há terra, 0 517 06/02/2020 - 16:16 Português
Poesia/Geral A sucessão dos dias e a sede de voyeur ... 0 273 06/02/2020 - 16:09 Português
Poesia/Geral O Amor é uma nação em risco, 1 615 05/03/2020 - 00:37 Português
Ministério da Poesia/Geral Ninguém me distingue de quem sou eu ... 1 326 04/20/2020 - 23:34 Português
Ministério da Poesia/Geral A um Deus pouco divino … 1 520 04/19/2020 - 12:02 Português
Poesia/Geral “Hic sunt dracones”, A dor é tudo … 4 599 04/15/2020 - 16:25 Português
Poesia/Geral A Morte não é Bem-Vinda ... 2 535 04/15/2020 - 15:46 Português
Poesia/Geral Objectos próximos, 0 631 04/15/2020 - 12:06 Português
Poesia/Geral Daniel Faria, excerto “Do que era certo” 0 521 04/15/2020 - 11:58 Português
Ministério da Poesia/Geral O avesso do espelho... 5 379 03/01/2020 - 21:02 Português
Poesia/Geral A síndrome de Savanah 0 505 03/01/2020 - 20:26 Português
Ministério da Poesia/Geral O Estado da Dúvida 2 308 01/24/2020 - 21:05 Português
Ministério da Poesia/Geral Patchwork... 0 500 01/08/2020 - 14:05 Português
Ministério da Poesia/Geral Vivo do oficio das paixões 0 451 01/08/2020 - 13:55 Português
Ministério da Poesia/Geral Como morre um Rei de palha... 0 330 01/08/2020 - 13:50 Português
Ministério da Poesia/Geral "Sic est vulgus" 0 535 01/08/2020 - 12:47 Português
Ministério da Poesia/Geral Quantos Césares fui eu !!! 0 358 01/08/2020 - 12:40 Português
Ministério da Poesia/Geral Nada se parece comigo 0 394 01/08/2020 - 12:34 Português
Ministério da Poesia/Geral Pedra, tesoura ou papel..."Do que era certo" 0 433 01/08/2020 - 12:27 Português
Ministério da Poesia/Geral Sou "O-Feito-Do-Primeiro-Vidente" 0 359 01/08/2020 - 12:11 Português
Ministério da Poesia/Geral Morri lívido e nu ... 0 366 01/08/2020 - 12:03 Português
Ministério da Poesia/Geral Ladram cães à distância, Mato o "Por-Matar" ... 0 399 01/08/2020 - 11:45 Português
Ministério da Poesia/Geral Excerto “do que era certo” 0 347 01/08/2020 - 11:38 Português
Ministério da Poesia/Geral Rua dos Douradores 30 ... 0 413 01/08/2020 - 11:32 Português