CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

O avesso do espelho...

Basta querer eu alguma coisa pra que morra por ela mesmo,
Assim o respeito que tenho por todos, pior que por mim próprio,
O estranho é que, na classificação que me dou, baixa e “fascia”,
Não me caibo, nem me basto de afirmar pra ser respeitado,
Sou suspeito da dupla significação no que digo, penso e faço,

Dispenso qualidades alheias, sobrevivo do instinto como se fosse
Eu uma industria de criação própria, pouco original e o mercado
De interesse fútil, decorativo painel de “moiral”, moral opinativo
A duas dimensões, para parecer ser escabrosamente humano,
De compleição estéril, assim o respeito que tenho por outros,

Simplesmente porque o sol se põe a leste e não a oeste dos
Ombros desses, meses sem conta, sem autenticidade e enquanto
Os pulmões virados de latitude ao norte, os rins apontam,
Tal qual a minha atitude perante Deuses que desconhecem
Pelo cheiro a natureza das flores e a dor dos opinados ciprestes

Altivos. A respeito das sensações próximas, pouco há a dizer,
A não ser o que falhou, loucura seria afirmar-me como a metade
De cá do destino, pois se morrerei como tenho desde sempre
Vivido, sem respeito por mim próprio e muito menos pelo
Próximo. A Ode Triunfal é um mito longe do Arco do Triunfo,

Assim como o crucifixo não é símbolo apropriado num ateu,
A propósito de proficiências mágicas e alquimias sulfúreas
Complexas, subterrâneas galerias onde tudo se paga em metal,
Basta querer na ruína e na morte pra que haja submundo,
Não se aplica a sombra ao vazio, nem se explica o vazio,

Ainda assim respeito a urgência e a insurgência senão
Como velcros da ilusão na mudança, odeio as maiorias e as
Fórmulas hierárquicas monogâmicas erigidas num padrão,
Respeito a emoção se for natural e não em função do estilo,
Digo o que penso e o riso é uma possibilidade lúdica ela mesmo,

Antes que morra e a espontaneidade em mim afunde, como
Um prego e a variedade de sentir, a mecânica do espirito
O desassossego místico, necessidade vital e suprema de dor,
A aceitação sem submissão, sentindo como bafo no espelho
Do que estou falando, o que estou dizendo e o avesso …

Jorge Santos 02/2020
http://namastibetpoems.blogspot.com

Submited by

domingo, março 1, 2020 - 20:54

Ministério da Poesia :

Your rating: None Average: 5 (1 vote)

Joel

imagem de Joel
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 3 dias 14 horas
Membro desde: 12/20/2009
Conteúdos:
Pontos: 40693

Comentários

imagem de Joel

-----

-----

imagem de Joel

-----

-----

imagem de Joel

-----

-----

imagem de Joel

-----

-----

imagem de Joel

-----

-----

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Joel

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Geral Na minha terra não há terra, 0 446 06/02/2020 - 16:16 Português
Poesia/Geral A sucessão dos dias e a sede de voyeur ... 0 203 06/02/2020 - 16:09 Português
Poesia/Geral O Amor é uma nação em risco, 1 454 05/03/2020 - 00:37 Português
Ministério da Poesia/Geral Ninguém me distingue de quem sou eu ... 1 230 04/20/2020 - 23:34 Português
Ministério da Poesia/Geral A um Deus pouco divino … 1 421 04/19/2020 - 12:02 Português
Poesia/Geral “Hic sunt dracones”, A dor é tudo … 4 461 04/15/2020 - 16:25 Português
Poesia/Geral A Morte não é Bem-Vinda ... 2 411 04/15/2020 - 15:46 Português
Poesia/Geral Objectos próximos, 0 515 04/15/2020 - 12:06 Português
Poesia/Geral Daniel Faria, excerto “Do que era certo” 0 459 04/15/2020 - 11:58 Português
Ministério da Poesia/Geral O avesso do espelho... 5 269 03/01/2020 - 21:02 Português
Poesia/Geral A síndrome de Savanah 0 385 03/01/2020 - 20:26 Português
Ministério da Poesia/Geral O Estado da Dúvida 2 233 01/24/2020 - 21:05 Português
Ministério da Poesia/Geral Patchwork... 0 381 01/08/2020 - 14:05 Português
Ministério da Poesia/Geral Vivo do oficio das paixões 0 356 01/08/2020 - 13:55 Português
Ministério da Poesia/Geral Como morre um Rei de palha... 0 243 01/08/2020 - 13:50 Português
Ministério da Poesia/Geral "Sic est vulgus" 0 412 01/08/2020 - 12:47 Português
Ministério da Poesia/Geral Quantos Césares fui eu !!! 0 266 01/08/2020 - 12:40 Português
Ministério da Poesia/Geral Nada se parece comigo 0 302 01/08/2020 - 12:34 Português
Ministério da Poesia/Geral Pedra, tesoura ou papel..."Do que era certo" 0 335 01/08/2020 - 12:27 Português
Ministério da Poesia/Geral Sou "O-Feito-Do-Primeiro-Vidente" 0 256 01/08/2020 - 12:11 Português
Ministério da Poesia/Geral Morri lívido e nu ... 0 284 01/08/2020 - 12:03 Português
Ministério da Poesia/Geral Ladram cães à distância, Mato o "Por-Matar" ... 0 317 01/08/2020 - 11:45 Português
Ministério da Poesia/Geral Excerto “do que era certo” 0 284 01/08/2020 - 11:38 Português
Ministério da Poesia/Geral Rua dos Douradores 30 ... 0 336 01/08/2020 - 11:32 Português
Ministério da Poesia/Geral A Rua ao meu lado ou O Valor do riso... 0 260 01/08/2020 - 11:24 Português