CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

A carne

Odeio a minha cara.
Odeio como lhe sinto as expressões e tenho consciência de cada músculo. Tenho consciência, porém não controlo. Odeio-a tão rígida, não sei o que fazer com ela. Por vezes é como se não fosse minha.

— Rigoroso sentido esse, o Imutável. Querias parar de sentir, pois bem, corta-a fora. E deixa essas expressões medonhas irem com ela. Espera, depois, que nasça uma nova, perfeita para o uso que lhe dás. E o sentido, diz-me se se foi embora.

— Não tens, no rosto, as linhas puras que pretendo alcançar. Transformas-me em algo que eu não sou. Roubas-me de mim pela crueza da tua expressão. Não obedeces aos teus sentidos! E, no final, troças de mim levando-me a pensar que és o que não és?

O que dizias do Imutável? A razão deixou-o há muito. Vil criatura do céu e do inferno. O sentido é que perdeu a direcção! Sentimentos parados no tempo. Ó pele, porque não me pertences como vejo nos meus semelhantes? Traz-me a expressão, devolve-ma à cara. A alma está cansada de ser traída. Músculos teatrais, senti — por uma vez que seja! Representam sempre o texto de outro autor que me é estranho. E vós, ossos, não fosse precisar de sustentar os orgãos dos sentidos, e partia-vos com um pedregulho encontrado na praia. Talvez assim a vossa estrutura se parecesse mais comigo.

Anseio, enfim, libertar-me desta coisa que é a carne. Deixa-la toda a apodrecer e gozar, assim, a vontade que é a minha.

Submited by

quarta-feira, abril 25, 2012 - 12:13

Poesia :

No votes yet

infectofacto

imagem de infectofacto
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 3 anos 48 semanas
Membro desde: 03/20/2012
Conteúdos:
Pontos: 172

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of infectofacto

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Geral Quanto 0 256 05/14/2015 - 12:15 Português
Poesia/Geral desolação 0 261 08/17/2014 - 16:00 Português
Poesia/Canção Começar 2 595 06/13/2014 - 11:23 Português
Poesia/Geral Desacção 0 213 06/08/2013 - 14:19 Português
Poesia/Desilusão Saio de mim 0 286 01/21/2013 - 17:51 Português
Poesia/Geral Cruzeiro 0 344 01/04/2013 - 01:45 Português
Poesia/Geral Diálogo sem fim #3 0 295 10/09/2012 - 13:31 Português
Poesia/Geral Calafrio 0 361 08/30/2012 - 02:02 Português
Poesia/Geral Jazz 0 332 08/17/2012 - 01:02 Português
Poesia/Geral Navego 1 367 08/06/2012 - 01:09 Português
Poesia/Geral Sonhos 0 304 07/17/2012 - 10:43 Português
Poesia/Geral Iluminação 0 311 06/01/2012 - 04:10 Português
Poesia/Geral (Untitled) 2 421 05/25/2012 - 21:22 Português
Poesia/Geral Ladainha 3 492 05/21/2012 - 04:10 Português
Poesia/Geral Justificação da realidade 4 475 05/20/2012 - 17:53 Português
Poesia/Geral Os felizes 2 460 05/14/2012 - 18:50 Português
Poesia/Geral No escuro 2 479 04/28/2012 - 22:20 Português
Poesia/Geral A carne 0 369 04/25/2012 - 12:13 Português
Poesia/Geral Da procura 2 431 04/25/2012 - 03:51 Português
Poesia/Geral O meu amigo 2 380 04/24/2012 - 23:22 Português
Poesia/Geral Os alienados 3 534 04/21/2012 - 22:17 Português
Poesia/Geral deus 4 475 04/21/2012 - 02:19 Português
Poesia/Geral Estupefacção 3 503 04/19/2012 - 22:55 Português
Poesia/Geral (Untitled) 2 458 04/19/2012 - 02:26 Português
Poesia/Geral Ritmo 1 374 04/19/2012 - 02:12 Português