CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Os felizes

Tudo com enormes fardas de rum
vagueávamos
noite dentro
e os lixeiros vinham atrás de nós!

Tudo com enormes pedras de erva
cantávamos
dançávamos
a noite não tinha fim.

fomos irmãos e amantes
fomos perfeitos uns para os outros
fomos e queríamos ser
sempre assim como antes

Todos sumimos, mas
Porém
Todos se foram embora
Perdidos na vida dos outros.

Fomos fumaça
Nuvens cheias de estática
Cúmulos de energia
Fomos latência

quantas vezes dormimos todos
juntos
sem roupa nem pudor
quantas vezes fodemos
sem ter medo, sempre sem ter medo

O Sol, o odiado Sol
Punha-se ao contrário
Sobre as nossas débeis cabeças
Deitadas no jardim. Nascia,
Diziam os infiéis. Morria,
Dizia eu. Ninguém queria saber.

Um por um partimos.
Sós, nunca acompanhados
No meio de estranhos
Nunca acompanhados.

só nos partilhávamos a nós
próprios
ninguém mais nos conhecia
ninguém queria conhecer
ninguém queria saber

Da droga que resistia no sangue
e das ideias ainda mais
os homens teatrais, convenceram-nos de tal
que achamos por bem
nunca mais querer mais
vil experimentação – vil mortalidade
já não existia dilema
vil criadagem
da alma em si pequena

Submited by

quarta-feira, maio 9, 2012 - 01:38

Poesia :

No votes yet

infectofacto

imagem de infectofacto
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 3 anos 47 semanas
Membro desde: 03/20/2012
Conteúdos:
Pontos: 172

Comentários

imagem de Anaamorim

Quando o conformismo os leva,

Quando o conformismo os leva, seremos nós a arvore de raíz mutilada que permanecerá seca e pequena perante o fulgor de tantos saberes já completos de drogas que os repletam dessa mesma noite.

Gostei especialmente desta imagem:

O Sol, o odiado Sol
Punha-se ao contrário
Sobre as nossas débeis cabeças
Deitadas no jardim. Nascia,
Diziam os infiéis. Morria,
Dizia eu. Ninguém queria saber.

imagem de infectofacto

Olá Ana, obrigado pelo

Olá Ana, obrigado pelo comentário. Entretanto alterei ligeiramente a última estrofe, não transmitia como queria o que era pretendido.

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of infectofacto

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Geral Quanto 0 256 05/14/2015 - 12:15 Português
Poesia/Geral desolação 0 260 08/17/2014 - 16:00 Português
Poesia/Canção Começar 2 595 06/13/2014 - 11:23 Português
Poesia/Geral Desacção 0 212 06/08/2013 - 14:19 Português
Poesia/Desilusão Saio de mim 0 286 01/21/2013 - 17:51 Português
Poesia/Geral Cruzeiro 0 343 01/04/2013 - 01:45 Português
Poesia/Geral Diálogo sem fim #3 0 293 10/09/2012 - 13:31 Português
Poesia/Geral Calafrio 0 361 08/30/2012 - 02:02 Português
Poesia/Geral Jazz 0 331 08/17/2012 - 01:02 Português
Poesia/Geral Navego 1 366 08/06/2012 - 01:09 Português
Poesia/Geral Sonhos 0 304 07/17/2012 - 10:43 Português
Poesia/Geral Iluminação 0 310 06/01/2012 - 04:10 Português
Poesia/Geral (Untitled) 2 421 05/25/2012 - 21:22 Português
Poesia/Geral Ladainha 3 491 05/21/2012 - 04:10 Português
Poesia/Geral Justificação da realidade 4 475 05/20/2012 - 17:53 Português
Poesia/Geral Os felizes 2 459 05/14/2012 - 18:50 Português
Poesia/Geral No escuro 2 478 04/28/2012 - 22:20 Português
Poesia/Geral A carne 0 369 04/25/2012 - 12:13 Português
Poesia/Geral Da procura 2 429 04/25/2012 - 03:51 Português
Poesia/Geral O meu amigo 2 380 04/24/2012 - 23:22 Português
Poesia/Geral Os alienados 3 534 04/21/2012 - 22:17 Português
Poesia/Geral deus 4 473 04/21/2012 - 02:19 Português
Poesia/Geral Estupefacção 3 503 04/19/2012 - 22:55 Português
Poesia/Geral (Untitled) 2 457 04/19/2012 - 02:26 Português
Poesia/Geral Ritmo 1 373 04/19/2012 - 02:12 Português