CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Poemeto de consolação

Poemeto de consolação

Sei que amanha não tocarei mais os teus doces lábios
As ruas se tornaram tão calmas e teu olhar profundo
E que é na busca do teu encontro que me perco
Sobre a existência de meras farsas existenciais.

Sei que não te traí naquela clara noite de verão
Faltaram becos escuros e havia suspiros marginais
Dos misteriosos gatunos da rua sessenta e seis
A espreitar os saqueadores das despensas.

Não consegui ler Goethe nem faltei para com a música wagneriana
Os jornais acordaram mortos defronte a minha porta
Envolvido pela gosma fétida dos bons políticos
Que preferiram a causa própria aos valores da nação.

Queria falar da tua necessidade enquanto minha
Mas vejo que o que sobrou não cabe nestas folhas rotas
Que a tinta de minha pena vibra a colorir
A preferida solidão dos píncaros a tua necessidade.

Faltou o teu negro nome e teu olhar tão casto
Pelo menos a mim, poeta menor e suicida
Que preferiu a morte a tua presença amiga
Fiel deusa do imprevisível e do indeterminado.

Não cantarei a tua pureza, pois ela não existe
Não cantarei tua virtude, pois ela esteve ausente
Cantarei o teu medo ao verdadeiro matrimônio
E tua repentina razão ao anticristo.

Não mais te darei rosas nem cartas de amor
As rosas feneceram cedo demais e as cartas sangraram
Não houve assassinato, apenas um corpo
A se distinguir em um jardim suspenso.

Fica apenas a ausência do teu beijo
Sobre este pensamento andarilho
Que se desnorteou do caminho
Do cemitério da saudade.

Falta à inscrição na lápide, falta meu nome
A sangrar em plena sexta-feira gorda
E a ouvir grunhidos de solidão.

Submited by

quinta-feira, setembro 2, 2010 - 05:32

Poesia :

No votes yet

ntistacien

imagem de ntistacien
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 3 semanas 5 dias
Membro desde: 04/22/2010
Conteúdos:
Pontos: 262

Comentários

imagem de Henrique

Re: Poemeto de consolação

Faltou o teu negro nome e teu olhar tão casto
Pelo menos a mim, poeta menor e suicida
Que preferiu a morte a tua presença amiga
Fiel deusa do imprevisível e do indeterminado.

Fica apenas a ausência do teu beijo
Sobre este pensamento andarilho
Que se desnorteou do caminho
Do cemitério da saudade.

Falta à inscrição na lápide, falta meu nome
A sangrar em plena sexta-feira gorda
E a ouvir grunhidos de solidão.

Intenso!!!

O ser desconsolado!!!

:-)

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of ntistacien

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Fotos/Outros Girassol 0 27 02/23/2019 - 03:04 Português
Poesia/Aforismo É na solidão do auto conflito que se molda a mais nobre alma. 0 111 01/22/2019 - 03:40 Português
Poesia/Geral Aula de Português. 0 113 01/22/2019 - 03:36 Português
Poesia/Aforismo ntistacien 0 101 01/22/2019 - 03:19 Português
Poesia/Aforismo O que fazemos ou deixamos de fazer hoje surte efeitos na posteridade. 0 62 01/20/2019 - 06:31 Português
Poesia/Aforismo Ame como se de amor tu foste, deseje como se tua essência dependesse disto, mas jamais se curve ao que lhe foi negado. ntistacien 0 98 01/20/2019 - 06:27 Português
Poesia/Aforismo Há muito confundimos o amor com a posse, este gera um misto de segurança e dor se correspondido ou não, aquele gera paz. 0 83 01/20/2019 - 06:26 Português
Poesia/Pensamentos Feliz mesmo é poder olhar para os céus e contemplar teu olhar. Embriagar-se de amor e, ainda assim, continuar sóbrio. 0 86 01/15/2019 - 14:56 Português
Poesia/Pensamentos Foi a ingenuidade de seu olhar que desarmou meu nefasto coração. 0 42 01/15/2019 - 14:55 Português
Poesia/Geral A filosofia do lagarto: Autotomia 0 82 01/15/2019 - 14:51 Português
Poesia/Geral Silencioso grito a Brasiliana 0 85 01/14/2019 - 03:46 Português
Poesia/Geral Tempo 0 80 01/14/2019 - 03:02 Português
Poesia/Meditação Em pedaços 0 53 01/14/2019 - 02:50 Português
Poesia/Aforismo ntistacien 0 80 01/13/2019 - 05:47 Português
Poesia/Aforismo ntistacien 0 78 01/13/2019 - 05:45 Português
Poesia/Aforismo A virtude reside sob a máscara que admite existência em outrem. 0 74 01/13/2019 - 05:43 Português
Poesia/Desilusão Em pedaços 0 79 01/10/2019 - 02:15 Português
Poesia/Meditação Avulso 0 95 01/10/2019 - 01:55 Português
Poesia/Aforismo ntistacien 0 175 11/10/2018 - 18:26 Português
Poesia/Amor Para um colibri 0 162 11/10/2018 - 17:32 Português
Poesia/Geral Flores de abril 0 185 11/10/2018 - 17:21 Português
Poesia/Geral Vazio poema 1 302 11/14/2013 - 12:46 Português
Poesia/Geral Vazio poema 0 197 11/12/2013 - 22:34 Português
Poesia/Geral Ausência e Solidão 1 327 11/01/2013 - 06:06 Português
Poesia/Geral Poema a um anjo 0 556 07/03/2011 - 04:22 Português