CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Quando Aquele Amigo, Que Pouco Conhecia, Morreu

Esta noite acabou triste,
deitado, caído naquele palanque seguro por duas molas,
no poderoso descanso inconsciente de quem já não sente.
Um homem deixou a vida ao amanhecer,
aquela estrondosa doença venceu as forças que lhe restavam.
Não foi um simples homem como todos aqueles
que desconhecemos, aqueles que passam na rua e não nos trocam cumprimentos,
não foi um homem que nunca conheci, embora o que conheci tenha sido pouco.
Jamais será um homem qualquer
e nunca o será porque o conhecia, embora não muito,
mas sei que não era um homem qualquer:
atravessava a estrada para um aperto de mão,
não fingia que passava e não se apercebia da minha presença,
da tua presença, da nossa presença;
elevou a mais sagrada crença da humildade,
não brotava de tristeza mas também não sucumbia elevada felicidade;
calmo, como o pôr do sol no Verão visto da praia,
como um avião quando atravessa a terra em dias de céu limpo,
calmo como eu nunca consegui ser.
Deixou-me, deixou-te, deixou-nos e herdamos a enorme saudade
que por muita dúvida minha e insisto: o tempo não apagará.
Estás presente na nossa honesta presença seja em que lugar for,
a minha voz é a tua voz, a minha viva e a tua morta mas, mesmo morta,
é a tua voz que faz a minha soar mais alto,
é o saber que não eras um homem qualquer que me faz falar,
que insiste em não me tornar mudo.
Eu próprio sei que não acredito na vida p'ra além da morte mas, porém,
no nosso inconsciente morto, o teu já o está e o meu um dia também estará,
sei que nos vamos encontrar e, não preciso acreditar na vida além da morte,
basta-me crer e basta-me sentir que, no dia em que o meu insconsciente também morrer,
alguém vai ler isto que agora escrevo e,
na mais plena harmonia, os nossos inconscientes mortos
vão receber-se mutuamente de braços abertos.

Hugo Sousa

Submited by

segunda-feira, março 17, 2008 - 09:05

Poesia :

No votes yet

HugoSousa

imagem de HugoSousa
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 9 anos 19 semanas
Membro desde: 03/09/2008
Conteúdos:
Pontos: 243

Comentários

imagem de Henrique

Re: Quando Aquele Amigo, Que Pouco Conhecia, Morreu

A amizade é uma pureza imutável…

:-)

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of HugoSousa

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Fotos/ - Eu há uns bons aninhos. 0 700 11/24/2010 - 00:34 Português
Fotos/ - Outro eterno amor. 0 682 11/24/2010 - 00:34 Português
Fotos/ - 119 0 864 11/24/2010 - 00:34 Português
Fotos/ - 118 0 753 11/24/2010 - 00:34 Português
Fotos/ - 117 0 922 11/24/2010 - 00:34 Português
Prosas/Outros Árvore de Sanguessugas - III / Companhia de Sensações - I 0 421 11/18/2010 - 23:39 Português
Prosas/Outros Árvores de Sanguessugas - I 0 521 11/18/2010 - 23:39 Português
Poesia/Geral Não Sei, O Medo 0 553 11/17/2010 - 19:29 Português
Poesia/Geral Vou Continuar 0 631 11/17/2010 - 19:29 Português
Poesia/Geral Por Vezes Sim 1 333 02/25/2010 - 23:31 Português
Poesia/Geral Minha Mulher Morta (Tendência dos Três M's) 1 471 02/25/2010 - 23:30 Português
Prosas/Outros Hoje Não 1 566 02/24/2010 - 14:27 Português
Prosas/Outros Dói-lhe Os Dentes - Parte I 1 716 02/24/2010 - 14:26 Português
Prosas/Outros Dói-lhe Os Dentes - Parte II 1 538 02/24/2010 - 14:26 Português
Prosas/Outros Gostamos De Cerejas, Arranca-me Os Olhos 1 610 02/24/2010 - 14:22 Português
Prosas/Outros Mataram-me-te 1 774 02/24/2010 - 14:21 Português
Prosas/Outros Companhia de Sensações - II 1 399 02/24/2010 - 14:15 Português
Prosas/Outros Árvore de Sanguessugas - IV 1 618 02/24/2010 - 14:14 Português
Poesia/Geral Sonhos Altos 1 450 02/24/2010 - 02:54 Português
Poesia/Geral Nem No Cochão Existem Dias 1 394 02/24/2010 - 02:53 Português
Poesia/Geral Sopro 1 380 02/24/2010 - 02:53 Português
Poesia/Geral Anti 1 814 02/24/2010 - 02:49 Português
Poesia/Geral Resto 1 425 02/24/2010 - 02:48 Português
Poesia/Geral Morreu O Titulo 1 415 02/24/2010 - 02:47 Português
Poesia/Geral Na Desistência Está A Virtude Quando Nada Vale A Pena 1 437 02/24/2010 - 02:46 Português