CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Se Deus existisse...

Se o deus antropomorfizado dos crentes existisse e se prestasse a enviar uma mensagem a um ser humano insignificante que tivesse a audácia, a arrogância e a prepotência de se dirigir a ele através de uma pequena oração, este deus, em toda a sua infinita inteligência e sabedoria, certamente, no mínimo, responderia:

"Para de ficar rezando e pensando que tens tu a possibilidade de dirigir-me a palavra e, por isso, te achando melhor do que os outros, batendo no teu peito como um déspota!
O que eu quero que faças é que saias pelo mundo e desfrutes da tua vida.
Conhece o máximo que puderes conhecer!
Eu quero que gozes, cantes, dances, te divirtas e que desfrutes de tua saúde; conheças e aprendas sobre tudo o que eu fiz para ti e te dei por graça.
Para de ir a esses templos-mausoléus lúgubres, obscuros e frios que tu mesmo construíste achando que era a minha morada e que teimas em acreditar ser a minha casa: minha casa está nas montanhas, nos bosques, nos prados, nos rios, nos lagos, nas árvores, nas praias, nas geleiras, no canto dos pássaros, na natureza, nas estrelas, nas diferentes energias, nas diferentes matérias, no vácuo, no espaço infinito...
Justamente aí é onde eu vivo e justamente aí expresso meu amor por ti!
Para de me culpar pela tua vida miserável: corre atrás de teus sonhos!
Eu nunca te disse que há algo mau em ti ou que eras um pecador ou que tuas paixões ou tua sexualidade fossem algo mau.
As tuas forças, as tuas vontades, os teus ímpetos, teus momentos de fúria e de serenidade, o teu sexo e a tua sexualidade, por exemplo, são presentes que eu te dei e com os quais podes expressar teu amor, teu êxtase, tua alegria, tua saúde e tua vontade de viver, tua paixão pelo teu ser amado, assim como tua raiva e indignação perante o teu mundo etc.
Assim, não me culpes por tudo o que te fizeram crer...
Para de ficar lendo e idolatrando supostas escrituras que dizem ser sagradas e que nada têm a ver comigo.
Elas têm a ver com outros iguais a ti, mas que querem dominar-te através delas!
Não sou homem, nem mulher, nem animal, nem planta, nem rocha e sou todos eles.
Não sou machista, nem feminista.
Não dito regras do que cada um tem de fazer ou de que modo cada um tem de viver a vida.
Eu também não julgo para não ser julgado.
Se não podes me ler num amanhecer, numa paisagem, no equilíbrio da natureza, num jardim, numa floresta, na beleza e fúria do espaço, na força da liberdade e da natureza, no olhar de teus verdadeiros amigos, nos olhos e no sorriso de teus filhos, na doçura da inocência de uma criança, no exemplo de teus irmãos e de teus próximos ou no abraço daqueles que te amam, não me encontrarás em nenhum livro e em nenhum templo!
Para de querer cuidar da vida particular de teus semelhantes: se alguém tivesse de desempenhar este papel, seria eu!
O ignorante e o sábio podem ser felizes ou infelizes da mesma forma, é opção de vocês!
Confia em mim e ainda mais em ti mesmo!
Entrega-te, trabalha e batalha por teus sonhos e para de me pedir tudo!
A natureza tudo faz de melhor para ti: acredita e aproveita!
Tu vais querer dizer à natureza como fazer o trabalho dela?
Para de ter medo de mim!
Eu não te julgo, nem te critico, nem me irrito, nem te incomodo ou me incomodo, nem te castigo, nem vigio tudo o que fazes!
Eu sou puro amor!
Para de me pedir perdão!
Perdão pelo quê, afinal?
Não há nada a perdoar!
Se eu te fiz, eu te enchi de paixões, de limitações, de prazeres, de dores, de sentimentos e sofrimentos, de necessidades, de incoerências, de liberdades, de imperfeições, de defeitos e de qualidades - isso tudo define a tua personalidade única.
Como posso te culpar se respondes a algo que eu mesmo pus em ti?
Como poderia eu te castigar por seres como és, se eu sou quem te fez?
Acreditas mesmo que eu poderia criar ou permitir que fosse criado um lugar para queimar a todos os meus filhos que não se "comportaram bem", pelo resto da eternidade?
Aliás, o que é "comportar-se bem" para ti?
Que tipo de deus ou de pai poderia fazer isso?
Esquece isso tudo!
Esquece qualquer tipo de mandamento, qualquer tipo de lei que tentaram imputar-te em meu nome; estas são artimanhas para te manipular, para te controlar, e que só geram mais culpa em ti.
Respeita teu próximo e não faças o que não queiras para ti, sê exemplo. Só isso!
A única coisa que te peço é que prestes atenção à tua vida e à tua natureza e que teu estado de alerta seja sempre teu guia, pois o teu mundo pode ser perigoso para ti e nele há batalhas diárias de forças das mais variadas que podem ou não te prejudicar.
Respeita e cuida do corpo que te dei, ele é a tua morada e ele é o teu templo de saúde e paz.
Esta vida não é uma prova, nem um degrau, nem um passo no caminho, nem um ensaio, nem um prelúdio para o paraíso ou para o inferno.
Basta, por enquanto, saberes que esta vida é o único presente que há aqui e agora, e é o único que precisas.
Não precisas de mais do que isso: o restante a mim pertence, pois não serias capaz de abraçar a tudo, nem entender ou lidar com tudo.
Eu te fiz absolutamente livre!
Tua liberdade limita-se apenas à liberdade de teus semelhantes.
Não há prêmios nem castigos.
Não há pecados nem virtudes.
Ninguém leva a melhor num "placar".
Ninguém carrega um registro.
Tu és livre para fazer da tua vida o que quiseres: o teu dia pode ser a representação de um "paraíso" ou de um "inferno", e sei que, às vezes, vives os dois no mesmo dia! Isso faz parte de ti e de teu mundo.
Não vou te dizer agora se há algo depois desta vida, mas posso te dar um bom conselho: vive agora como se não o houvesse. Como se esta fosse tua única oportunidade e única chance de aproveitar, de amar, de existir, de ser feliz e de fazer outros felizes, de experimentar e experienciar tudo o que podes; e agora! Não depois!
Tudo está à tua disposição!
Assim, se há nada depois de tua morte, terás aproveitado da oportunidade que te dei agora; e se houver, tenha certeza de que eu não vou te perguntar se foste tu "comportado" ou não.
Eu vou sim te perguntar se tu gostaste, se te divertiste...
Do que mais gostaste ou o que aprendeste...
O que deixaste de legado na tua experiência...
Para de "crer" em mim: crer é supor, adivinhar, imaginar.
Eu não quero que acredites em mim!
Quero que me sintas em ti!
Quero que me sintas em ti quando beijas teu(tua) amado(a), quando agasalhas tua filhinha, quando acaricias teu cachorro ou gato, quando tomas banho no mar ou na chuva, quando ajudas o teu próximo, quando vives uma experiência única, quando tens êxtases e prazeres físicos ou psicológicos, quando fazes uma descoberta, quando ensinas algo a uma criança, quando facilitas as coisas para ti mesmo e para teu próximo, quando trazes alegrias à tua casa e à tua vizinhança, quando contemplas as estrelas do céu noturno...
Para de louvar-me! Que tipo de deus ególatra tu acreditas que eu seja?
Me aborrece que me louves e que vivas a choramingar...
Parece-me que desejas de forma angustiante que eu te castigue; parece-me que tens a tara e a necessidade de te mostrar inferior e eternamente suplicante na tentativa de me ludibriar e fugir de teu fantasioso "juízo final".
O teu "juízo final" é somente teu: em teu leito de morte poderás refletir sobre o que deixas de legado para teus próximos e semelhantes; mas digo: por quê não podes tu viver teus dias já refletindo sobre teus atos agora, assim que os comete - antes que seja tarde demais?
Por quê não podes tu pedir perdão a quem fizeste mal ainda em vida ao invés de pedir perdão a mim ao sentires tua morte iminente?
Por quê deixar para o final (quando for tarde demais) para se arrepender do que já passou?
Por quê não podes tu viver a vida "expurgando" e te livrando de teu "juízo final" pessoal a cada dia?
Também me cansa que sempre me agradeças ou sempre te lamente.
Tu te sentes grato? Então, demonstra-o cuidando de ti mesmo, de tua saúde, de tuas relações, do teu próximo e do teu mundo.
Te sentes olhado, cuidado, amado e surpreendido? Expressa tua alegria! Aproveita tua saúde e tua vida! Esse é o melhor jeito de me louvar e de me agradecer.
Tu te sentes necessitado? Então, para de me pedir que te dê algo por graça, e procura, abrindo teus caminhos, por onde estás agora, o que te falta: para de complicar as coisas e de apenas repetir lamentos sobre o que te falta; valoriza o que tens e corre atrás do que queres com as ferramentas que te dei, ou melhor, cria tu outras!
Esquece tudo o que te ensinaram sobre mim!
Reflete sem rédeas!
Reflete por ti mesmo!
A única certeza é que tu estás aí, tu existes, estás vivo, e que este teu mundo está cheio de maravilhas!
Para quê tu precisas de mais demonstrações ou mais provas de mim?
Para quê tantas explicações diretas?
Não basta admirar os jardins que criei para ti?
Tu precisas também acreditar que há fadas neles?
Busca tuas respostas e descobre os mistérios de teu mundo por ti mesmo: esta é uma das maiores alegrias que poderás sentir!
Não me procures fora, pois não me acharás!
Procura-me dentro... aí mesmo é onde estou: vivendo em ti."

Submited by

segunda-feira, fevereiro 5, 2018 - 17:42

Poesia :

Your rating: None (7 votes)

MaynardoAlves

imagem de MaynardoAlves
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 8 semanas 5 dias
Membro desde: 05/02/2010
Conteúdos:
Pontos: 591

Comentários

imagem de Joel

A única certeza é que tu estás aí,

existes ...

imagem de MaynardoAlves

.

Obrigado pela leitura e pelo comentário, Joel.

imagem de Joel

Busca tuas respostas e descobre

por ti

imagem de MaynardoAlves

Se Deus existisse...

Acredito ser essa a melhor resposta a uma oração, que poderia vir de um deus que foi criado para confortar o coração daqueles que necessitam acreditar nele.

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of MaynardoAlves

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Meditação Metamorfose filosófica: bênção ou maldição? 1 108 12/03/2018 - 15:23 Português
Poesia/Intervenção Aos vivos que ficam ou Epitáfio II 1 227 10/09/2018 - 12:41 Português
Poesia/Geral Meu pequeno depoimento em prol do ateísmo 0 249 09/26/2018 - 00:17 Português
Poesia/Geral Revolucionário... revolucionário!? 1 176 09/25/2018 - 17:12 Português
Prosas/Outros Meu pequeno depoimento em prol do ateísmo 0 194 09/19/2018 - 19:13 Português
Poesia/Meditação O legado de um filósofo 1 200 09/17/2018 - 19:45 Português
Poesia/Intervenção Os novos mandamentos (ou melhor, conselhos) 1 195 08/28/2018 - 23:53 Português
Poesia/Fantasia O jardim de Epicuro 1 218 08/22/2018 - 16:14 Português
Poesia/Tristeza Em (des)construção 1 200 08/10/2018 - 14:46 Português
Poesia/Tristeza Máquina do tempo 1 212 08/08/2018 - 16:28 Português
Poesia/Tristeza Valores familiares 1 231 08/08/2018 - 16:21 Português
Poesia/Pensamentos Um lugar para chamar de seu 1 278 08/08/2018 - 16:14 Português
Poesia/Meditação Humilde-se! 1 314 05/21/2018 - 11:41 Português
Poesia/Tristeza Um inferno (para um poeta) 1 381 05/21/2018 - 11:34 Português
Prosas/Outros Onde? 2 297 03/08/2018 - 17:41 Português
Poesia/Comédia Meu amigo ócio 4 296 03/06/2018 - 15:20 Português
Poesia/Geral Promessas para uma vida nova 2 347 03/05/2018 - 20:09 Português
Poesia/Meditação Se Deus existisse... 4 344 03/05/2018 - 19:56 Português
Poesia/Intervenção Onde? 18 489 01/03/2018 - 18:28 Português
Poesia/Meditação Um instante infinito 1 409 11/17/2017 - 14:00 Português
Poesia/Desilusão Ainda no exílio (desde os dias de Gonçalves Dias) 1 383 11/08/2017 - 11:38 Português
Poesia/Canção Sem título (por luto) 1 389 10/27/2017 - 14:34 Português
Poesia/Geral Mensagem 1 376 03/27/2017 - 13:50 Português
Poesia/Aforismo O exagero de Sócrates 0 322 10/14/2016 - 19:50 Português
Poesia/Aforismo A mais importante das leis 0 420 10/14/2016 - 19:45 Português