CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Sem título (por luto)

Ouviu-se, em meio a tantas mentiras ácidas,
que povos heroicos e bravos, em certa chance,
chegaram com suas esquadras e escudos rústicos
e macularam o chão desta pátria neste instante.

Se a garantia de suas almas
conseguiram conquistar com tantas mortes,
em teu seio, ó liberdade,
tantos outros foram abandonados à própria sorte.

Ó pátria negligenciada!
Salvem-na! Salvem-na!

Brasil, devaneio imenso de horrores vívidos,
de ódio e desesperança em terra padeces!
Em teu poluído céu, tristonho e fétido,
a imagem do suplício resplandece!

Gigante pela imposição das realezas,
és velho, és torpe, pálido colosso!
E o teu presente espelha tuas fraquezas!

Terras roubadas de povos mil és tu, Brasil, ó pátria falha!
Dos filhos deste solo és mãe senil.
Pátria violada, Brasil!

Deitados eternamente em berços perdidos,
ao som de tiros e às trevas mais profundas,
agonizam, ó Brasil, os que não se corromperam,
escondidos em valas, buracos e tumbas!

O que a terra menos precisa
é da destruição de seus campos e de suas flores!
Nossas florestas, quase sem vida,
agonizam, em teu seio, sob duras dores!

Ó pátria morta e violentada!
Salvem-na! Salvem-na!

Brasil, de luto eterno sejam símbolos
as lápides, obeliscos e epitáfios;
e diga o preto-e-branco de teu povo:
cuidado com o futuro, aprendamos com o passado!

Mas, se deixarmos nossos poderes à própria sorte,
veremos que nossos filhos faltarão à luta
e, então, desprezarão nossas próprias mortes!

Terra viciada! Estado vil és tu, Brasil, ó pátria errada!
País de um futuro que nunca se viu!
Levantemo-nos, Brasil!

Submited by

sexta-feira, setembro 16, 2016 - 13:36

Poesia :

Your rating: None (4 votes)

MaynardoAlves

imagem de MaynardoAlves
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 14 semanas 4 dias
Membro desde: 05/02/2010
Conteúdos:
Pontos: 596

Comentários

imagem de MaynardoAlves

Sem título (por luto)

Espera o Brasil que TODOS cumprais com o vosso dever!
Eia! Avante, brasileiros! Sempre avante!
Gravai com buril nos pátrios anais o vosso poder!
Eia! Avante, brasileiros! Sempre avante!
Servi o Brasil sem esmorecer, com ânimo audaz
cumpri o dever na guerra e na paz,
à sombra da lei, à brisa gentil,
o lábaro erguei do belo Brasil!
Eia! Sus, oh, sus!

Quantos brados retumbantes e agoniantes de tantos povos já não se ouviram às margens plácidas de inúmeros Ipirangas espalhados por este país?
Quantos raios fúlgidos do Sol da liberdade, naqueles e em tantos outros instantes, têm sido apagados ou sequer tiveram chance de brilhar?
Ó liberdade, quantos não morreram antes de sequer terem conquistado, em igualdade, o direito de, em teu seio, desafiar a própria morte?
Cantemos...

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of MaynardoAlves

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Aforismo O vinhedo universal 0 188 05/07/2019 - 16:59 Português
Poesia/Meditação Metamorfose filosófica: bênção ou maldição? 1 259 12/03/2018 - 16:23 Português
Poesia/Intervenção Aos vivos que ficam ou Epitáfio II 1 404 10/09/2018 - 13:41 Português
Poesia/Geral Meu pequeno depoimento em prol do ateísmo 0 432 09/26/2018 - 01:17 Português
Poesia/Geral Revolucionário... revolucionário!? 1 335 09/25/2018 - 18:12 Português
Prosas/Outros Meu pequeno depoimento em prol do ateísmo 0 379 09/19/2018 - 20:13 Português
Poesia/Meditação O legado de um filósofo 1 338 09/17/2018 - 20:45 Português
Poesia/Intervenção Os novos mandamentos (ou melhor, conselhos) 1 438 08/29/2018 - 00:53 Português
Poesia/Fantasia O jardim de Epicuro 1 462 08/22/2018 - 17:14 Português
Poesia/Tristeza Em (des)construção 1 375 08/10/2018 - 15:46 Português
Poesia/Tristeza Máquina do tempo 1 382 08/08/2018 - 17:28 Português
Poesia/Tristeza Valores familiares 1 396 08/08/2018 - 17:21 Português
Poesia/Pensamentos Um lugar para chamar de seu 1 487 08/08/2018 - 17:14 Português
Poesia/Meditação Humilde-se! 1 496 05/21/2018 - 12:41 Português
Poesia/Tristeza Um inferno (para um poeta) 1 563 05/21/2018 - 12:34 Português
Prosas/Outros Onde? 2 398 03/08/2018 - 18:41 Português
Poesia/Comédia Meu amigo ócio 4 444 03/06/2018 - 16:20 Português
Poesia/Geral Promessas para uma vida nova 2 586 03/05/2018 - 21:09 Português
Poesia/Meditação Se Deus existisse... 4 541 03/05/2018 - 20:56 Português
Poesia/Intervenção Onde? 18 707 01/03/2018 - 19:28 Português
Poesia/Meditação Um instante infinito 1 508 11/17/2017 - 15:00 Português
Poesia/Desilusão Ainda no exílio (desde os dias de Gonçalves Dias) 1 504 11/08/2017 - 12:38 Português
Poesia/Canção Sem título (por luto) 1 531 10/27/2017 - 15:34 Português
Poesia/Geral Mensagem 1 546 03/27/2017 - 14:50 Português
Poesia/Aforismo O exagero de Sócrates 0 445 10/14/2016 - 20:50 Português