CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Versão Endovélica de mim próprio

Meu instinto é um pragmático, pacato devoto do dedo mindinho,
Minha ilusão foi doada por videntes sérvios, sendo dum país
De cegos, creem ambos nas impressões que não sinto, bora sinta,
Inda que estranhas, indiscretas estas que ocorrem, acordam acocoradas

Sob minha pele fina, nas veias, como fosse vulgar tê-las, desgrenhadas,
Intimas e tão próximas de mim e eu delas, nos cabelos, nos sovacos,
Na pele, nos cotovelos inda que dobrados em dois, do avesso e em socalcos,
Sob mim próprio, sob a nuca, em cabelo, versão Endovélica

Das minhas singularidades, sendo nem humanas, são fendida diagonal
Em proporções desiguais, comum numa cana verde ainda,
É uma amálgama das coisas mais estranhas sentidas em par,
Defendidas por um macabro ser, sem olhos, sulas orelhas

E uma sinistra ameia ou janela, pendente das rudes pontas
De seis dedos, a enésima parte do real. Magro tronco, branco sujo
Cor da anemia, rosto de esqualo, enguia preta, eirós sem volta
Ao mar profundo, um poço iniciático, metafísico, inumano.

Sonho todavia ser salvo da morte por alguma espécie de enviado,
Imagino-me sentado, costas viradas para um místico postigo por
Onde surgirá a anunciação, a citação de que tenho "estado à espera"
Quando não mais ocupar espaço físico em Terra-surda, suja e crua.

Falta-me em acção o peso que pesa minha sede, destaco a renúncia
Sobre a vontade de viver, o exilio e a separação de mim próprio,
Por vezes cruel por vezes táctil, sendo a actualidade uma miragem
Em que nem o sonho ou a crença contribuem para mover a indiferença

Das mãos, levito entre dois mundos, evito as arestas por covardia,
Duvido da devoção desmedida, desminto-me e demito-me da função
Da consciência, embora não consciente daquilo que digo, afirmo
A minha falta de serenidade a cada vez que respiro pelas veias

Do pescoço e mais abaixo, com esforço. Faz-me falta o repouso
Embora seja uma contrariedade alheia ao meu corpo, prático e
Devotado a profissões de risco puro, excessos são sensações, diferença
É substância, fundamental é sentir no mundo mais que ninguém, a avença.

Joel Matos ( 15 Junho 2021)

http://joel-matos.blogspot.com
https://namastibet.wordpress.com
http://namastibetpoems.blogspot.com

Submited by

terça-feira, junho 15, 2021 - 17:55

Poesia :

Your rating: None (1 vote)

Joel

imagem de Joel
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 2 semanas 1 dia
Membro desde: 12/20/2009
Conteúdos:
Pontos: 41021

Comentários

imagem de Odairjsilva

Escrita sublime

É o que posso dizer sobre seus versos. Digo sem hipocrisia que sinto-me inspirado todas as vezes que leio-te. É muito profundo, confesso, e preciso me atentar nos detalhes, o que faz sua escrita rica demais. Abraços poéticos!!!

imagem de Joel

Obrigado Odair

Obrigado Odair, todos nós nos inspiramos uns nos outros, ninguém cresce e aparece isolado, a superioridade é a ilusão ignorantes, as ervas quando germinam não escolhem local ou subúrbio, apenas procuram claridade, são orgulhosas e gulosas por luz, assim como a nossa escrita quer a sucedânea como esta minha ou a superior ou suis generis procuram ser apreciadas, seja gramínea ou erva daninha concorrem ambas por espaço vital e pela luz do dia, neste caso tu és a luz que me guia, sou um miúdo pouco seguro, uma criança de escritas pouco simétricas e conceitos básicos assimilados doutros embora saiba dar lustro aos sapatos e ao pelo com os vossos elogios, coisa que aprecio soberanamente, muito obrigado (vemos-mos por aqui de futuro e sempre, um abraço)

imagem de Joel

fundamental é sentir no mundo

fundamental é sentir no mundo mais que ninguém, a avença.

imagem de Joel

fundamental é sentir no mundo

fundamental é sentir no mundo mais que ninguém, a avença.

imagem de Joel

fundamental é sentir no mundo

fundamental é sentir no mundo mais que ninguém, a avença.

imagem de Joel

fundamental é sentir no mundo

fundamental é sentir no mundo mais que ninguém, a avença.

imagem de Joel

fundamental é sentir no mundo

fundamental é sentir no mundo mais que ninguém, a avença.

imagem de Joel

fundamental é sentir no mundo

fundamental é sentir no mundo mais que ninguém, a avença.

imagem de Joel

fundamental é sentir no mundo

fundamental é sentir no mundo mais que ninguém, a avença.

imagem de Joel

fundamental é sentir no mundo

fundamental é sentir no mundo mais que ninguém, a avença.

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Joel

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Ministério da Poesia/Geral Sem nada … 2 248 07/07/2021 - 15:16 Português
Poesia/Geral A tenaz negação do eu, 2 182 07/01/2021 - 16:31 Português
Poesia/Geral Sou minha própria imagem, 2 244 07/01/2021 - 12:50 Português
Poesia/Geral Há um vão à minha espera 2 207 07/01/2021 - 12:50 Português
Poesia/Geral leve 4 1.832 06/28/2021 - 15:39 Português
Poesia/Geral Feliz como poucos … 1 549 06/24/2021 - 11:53 Português
Poesia/Geral Deus Ex-Machina, “Anima Vili” ... 1 610 06/24/2021 - 11:38 Português
Poesia/Geral Da significação aos sonhos ... 1 559 06/22/2021 - 10:01 Português
Ministério da Poesia/Geral Sonho sem fim, nem fundo ... 1 615 06/21/2021 - 16:27 Português
Ministério da Poesia/Geral Absurdo e Sem-Fim… 1 1.037 06/21/2021 - 16:26 Português
Ministério da Poesia/Geral A Rua ao meu lado ou O Valor do riso... 1 884 06/21/2021 - 16:25 Português
Ministério da Poesia/Geral Rua dos Douradores 30 ... 1 720 06/21/2021 - 16:25 Português
Ministério da Poesia/Geral Excerto “do que era certo” 1 642 06/21/2021 - 16:25 Português
Ministério da Poesia/Geral Ladram cães à distância, Mato o "Por-Matar" ... 2 759 06/21/2021 - 16:22 Português
Ministério da Poesia/Geral Morri lívido e nu ... 1 726 06/21/2021 - 16:22 Português
Ministério da Poesia/Geral Sou "O-Feito-Do-Primeiro-Vidente" 1 698 06/21/2021 - 16:21 Português
Ministério da Poesia/Geral Pedra, tesoura ou papel..."Do que era certo" 1 869 06/21/2021 - 16:21 Português
Ministério da Poesia/Geral Nada se parece comigo 1 678 06/21/2021 - 16:20 Português
Ministério da Poesia/Geral Quantos Césares fui eu !!! 1 768 06/21/2021 - 16:20 Português
Ministério da Poesia/Geral "Sic est vulgus" 1 1.117 06/21/2021 - 16:19 Português
Ministério da Poesia/Geral Como morre um Rei de palha... 1 690 06/21/2021 - 15:44 Português
Ministério da Poesia/Geral Vivo do oficio das paixões 1 918 06/21/2021 - 15:44 Português
Ministério da Poesia/Geral Patchwork... 2 977 06/21/2021 - 15:44 Português
Poesia/Geral A síndrome de Savanah 1 1.002 06/21/2021 - 15:43 Português
Poesia/Geral A sucessão dos dias e a sede de voyeur ... 1 640 06/21/2021 - 15:42 Português