CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Vivo numa casa sem vista certa

Vivo numa casa sem vista certa

 

Vivo numa casa de pano pintado d’mar e vestida d'vento,
Sempre virada ao tempo, mesmo ao vento hostil do norte,

A maré protesta do interior dos búzios e na casa d’ fronte
Alguém vigia pelos vidros, d’noite e abala quando desperto,

Nem a conheço, nem sei porque escuta nos búzios lá fora,
Talvez deseje algo e não encontre no ermo, o que procura

Ou espere vindo da espiral, algum rumor humano.
Vivo na praia p’ra me fundir nela, deslembrado e lugar-comum,

Se nem música ouço cantar as paredes de papel e pano,
No meu lugar na casa de trapo, sentado em lado nenhum.

Vivo numa casa povoada do assombro das horas tardias,
Escoam-se nas linhas de chuva pingando do telhado,

Conspirando na infinita monotonia de vidas esquecidas,
Na casa ao lado, não sei quem dorme e se levanta cedo,

Pois todas as noites, o desassossego é íntimo da morgue,
Com um bando de tordos, a entrar e a sair trajados de preto,

De madrugada, cerro as portadas e acautelo do furto,
O refluxo do mar imerso, de quem, com olhos ávidos o persegue.

Vivo numa casa arrendada nos subúrbios e em ruínas,
Jurei lealdade ao senhorio que recebe o arrendamento,

Mas infiltra-se p’las fissuras raios da luz d’outro tempo,
Em que o julgado era mudo e condenado a luz de velas,

Deambulam pelo patíbulo da forca na casa contígua,
Ouço-os berrar numa berraria abafada pela água

Da enxurrada, que corre nas telhas e se torna em oceano,
Eu escuto no escuro, através do muro da casa de pano.

Vivo por aí ao Deus-dará, (sem etiqueta)
Envergando velhos sentidos d’trapo,
Guiado por falsas vistas e na falta destas, apenas pelo tacto,
Sem morada com vista certa…

Jorge Santos (11/2010)
http://joel-matos.blogspot.com 

Submited by

quinta-feira, dezembro 16, 2010 - 20:42

Poesia :

Your rating: None (2 votes)

Joel

imagem de Joel
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 4 dias 5 horas
Membro desde: 12/20/2009
Conteúdos:
Pontos: 40699

Comentários

imagem de Joel

.

.

imagem de Joel

.

.

imagem de Joel

.

.

imagem de Joel

.

.

imagem de Joel

.

.

imagem de Joel

.

.

imagem de Joel

.

.

imagem de Joel

.

.

imagem de Joel

.

.

imagem de Susan

Uma casa que é tão frágil

Uma casa que é tão frágil abriga um corpo cansado e uma alma em reatalhos ...
Um poema triste ,reflexivo e lindo !!!
Beijos
Susan

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Joel

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Geral Esquecer é ser esquecido 0 184 09/28/2020 - 14:47 Português
Poesia/Geral Na minha terra não há terra, 0 575 06/02/2020 - 15:16 Português
Poesia/Geral A sucessão dos dias e a sede de voyeur ... 0 324 06/02/2020 - 15:09 Português
Poesia/Geral O Amor é uma nação em risco, 1 679 05/02/2020 - 23:37 Português
Ministério da Poesia/Geral Ninguém me distingue de quem sou eu ... 1 394 04/20/2020 - 22:34 Português
Ministério da Poesia/Geral A um Deus pouco divino … 1 581 04/19/2020 - 11:02 Português
Poesia/Geral “Hic sunt dracones”, A dor é tudo … 4 948 04/15/2020 - 15:25 Português
Poesia/Geral A Morte não é Bem-Vinda ... 2 586 04/15/2020 - 14:46 Português
Poesia/Geral Objectos próximos, 0 688 04/15/2020 - 11:06 Português
Poesia/Geral Daniel Faria, excerto “Do que era certo” 0 571 04/15/2020 - 10:58 Português
Ministério da Poesia/Geral O avesso do espelho... 5 432 03/01/2020 - 20:02 Português
Poesia/Geral A síndrome de Savanah 0 574 03/01/2020 - 19:26 Português
Ministério da Poesia/Geral O Estado da Dúvida 2 331 01/24/2020 - 20:05 Português
Ministério da Poesia/Geral Patchwork... 0 553 01/08/2020 - 13:05 Português
Ministério da Poesia/Geral Vivo do oficio das paixões 0 488 01/08/2020 - 12:55 Português
Ministério da Poesia/Geral Como morre um Rei de palha... 0 378 01/08/2020 - 12:50 Português
Ministério da Poesia/Geral "Sic est vulgus" 0 608 01/08/2020 - 11:47 Português
Ministério da Poesia/Geral Quantos Césares fui eu !!! 0 408 01/08/2020 - 11:40 Português
Ministério da Poesia/Geral Nada se parece comigo 0 422 01/08/2020 - 11:34 Português
Ministério da Poesia/Geral Pedra, tesoura ou papel..."Do que era certo" 0 490 01/08/2020 - 11:27 Português
Ministério da Poesia/Geral Sou "O-Feito-Do-Primeiro-Vidente" 0 404 01/08/2020 - 11:11 Português
Ministério da Poesia/Geral Morri lívido e nu ... 0 403 01/08/2020 - 11:03 Português
Ministério da Poesia/Geral Ladram cães à distância, Mato o "Por-Matar" ... 0 450 01/08/2020 - 10:45 Português
Ministério da Poesia/Geral Excerto “do que era certo” 0 376 01/08/2020 - 10:38 Português
Ministério da Poesia/Geral Rua dos Douradores 30 ... 0 455 01/08/2020 - 10:32 Português