CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Vega

Vega

Não, não digas nada irmã já seca e
Nega o que de facto possa ser falácia
Em surdina e antes que se veja cega e
Vesga, a noite, Não se dê depressa ocaso

E seja tarde para bocas esfaimadas
E coros de lémures desbragados
E se estendam, amortalhados de tudo e nadas
De maus presságios e símbolos estafados.

Dorme, velada por Centauro e teu dote
Lembra, Tenho teus regatos bem guardados.
Labregos, os sensos que de mim, sendo íntimos,
Em ti, os deposito como testemunho, inerte.

Responde, se tuas são, como colheita,
As almas em guerra, os oráculos e machados
E os Homens que por ti navegam, desterrados
E em vão buscam noutra Terra, esta que os deserdou?

Mas, na rampa da campa deste insano funeral,
Muda, continuas Vega, na noite e no vasto espaço,
Madraço e imposto do tempo raso, terminal,
Básico e humano se sórdido e baço.

É tudo, em tudo dúvidas e desculpas
E, perdido num sonho de brumas, esconjuro
E Partilho os últimos suspiros das naturezas mortas.

Jorge Manuel M. Santos
(02/2010)
http://namastibetpoems.blogspot.com

Submited by

quinta-feira, fevereiro 11, 2010 - 19:56

Ministério da Poesia :

No votes yet

Joel

imagem de Joel
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 2 dias 12 horas
Membro desde: 12/20/2009
Conteúdos:
Pontos: 40682

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Joel

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Geral O Amor é uma nação em risco, 1 323 05/03/2020 - 00:37 Português
Ministério da Poesia/Geral Ninguém me distingue de quem sou eu ... 1 131 04/20/2020 - 23:34 Português
Ministério da Poesia/Geral A um Deus pouco divino … 1 174 04/19/2020 - 12:02 Português
Poesia/Geral “Hic sunt dracones”, A dor é tudo … 4 342 04/15/2020 - 16:25 Português
Poesia/Geral A Morte não é Bem-Vinda ... 2 291 04/15/2020 - 15:46 Português
Poesia/Geral Objectos próximos, 0 422 04/15/2020 - 12:06 Português
Poesia/Geral Daniel Faria, excerto “Do que era certo” 0 364 04/15/2020 - 11:58 Português
Ministério da Poesia/Geral O avesso do espelho... 5 154 03/01/2020 - 21:02 Português
Poesia/Geral A síndrome de Savanah 0 205 03/01/2020 - 20:26 Português
Ministério da Poesia/Geral O Estado da Dúvida 2 166 01/24/2020 - 21:05 Português
Ministério da Poesia/Geral Patchwork... 0 256 01/08/2020 - 14:05 Português
Ministério da Poesia/Geral Vivo do oficio das paixões 0 247 01/08/2020 - 13:55 Português
Ministério da Poesia/Geral Como morre um Rei de palha... 0 155 01/08/2020 - 13:50 Português
Ministério da Poesia/Geral "Sic est vulgus" 0 224 01/08/2020 - 12:47 Português
Ministério da Poesia/Geral Quantos Césares fui eu !!! 0 178 01/08/2020 - 12:40 Português
Ministério da Poesia/Geral Nada se parece comigo 0 189 01/08/2020 - 12:34 Português
Ministério da Poesia/Geral Pedra, tesoura ou papel..."Do que era certo" 0 184 01/08/2020 - 12:27 Português
Ministério da Poesia/Geral Sou "O-Feito-Do-Primeiro-Vidente" 0 144 01/08/2020 - 12:11 Português
Ministério da Poesia/Geral Morri lívido e nu ... 0 207 01/08/2020 - 12:03 Português
Ministério da Poesia/Geral Ladram cães à distância, Mato o "Por-Matar" ... 0 231 01/08/2020 - 11:45 Português
Ministério da Poesia/Geral Excerto “do que era certo” 0 218 01/08/2020 - 11:38 Português
Ministério da Poesia/Geral Rua dos Douradores 30 ... 0 227 01/08/2020 - 11:32 Português
Ministério da Poesia/Geral A Rua ao meu lado ou O Valor do riso... 0 142 01/08/2020 - 11:24 Português
Ministério da Poesia/Geral Absurdo e Sem-Fim… 0 257 01/08/2020 - 11:17 Português
Ministério da Poesia/Geral Sonho sem fim, nem fundo ... 0 181 01/08/2020 - 11:01 Português