CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Branco e Vermelho

Branco e Vermelho

A dor, forte e imprevista,
Ferindo-me, imprevista,
De branca e de imprevista
Foi um deslumbramento,
Que me endoidou a vista,
Fez-me perder a vista,
Fez-me fugir a vista,
Num doce esvaimento.
Como um deserto imenso,
Branco deserto imenso,
Resplandecente e imenso,
Fez-se em redor de mim.

Todo o meu ser, suspenso,
Não sinto já, não penso,
Pairo na luz, suspenso...
Que delícia sem fim!
Na inundação da luz
Banhando os céus a flux,
No êxtase da luz,
Vejo passar, desfila
(Seus pobres corpos nus
Que a distancia reduz,
Amesquinha e reduz
No fundo da pupila)
Na areia imensa e plana
Ao longe a caravana
Sem fim, a caravana
Na linha do horizonte
Da enorme dor humana,
Da insigne dor humana...
A inútil dor humana!
Marcha, curvada a fronte.
Até o chão, curvados,
Exaustos e curvados,
Vão um a um, curvados,
Escravos condenados,
No poente recortados,
Em negro recortados,
Magros, mesquinhos, vis.
A cada golpe tremem
Os que de medo tremem,
E as pálpebras me tremem
Quando o açoite vibra.
Estala! e apenas gemem,
Palidamente gemem,

A cada golpe gemem,
Que os desequilibra.
Sob o açoite caem,
A cada golpe caem,
Erguem-se logo. Caem,
Soergue-os o terror...
Até que enfim desmaiem,
Por uma vez desmaiem!
Ei-los que enfim se esvaem,
Vencida, enfim, a dor...
E ali fiquem serenos,
De costas e serenos.
Beije-os a luz, serenos,
Nas amplas frontes calmas.
Ó céus claros e amenos,
Doces jardins amenos,
Onde se sofre menos,
Onde dormem as almas!
A dor, deserto imenso,
Branco deserto imenso,
Resplandecente e imenso,
Foi um deslumbramento.
Todo o meu ser suspenso,
Não sinto já, não penso,
Pairo na luz, suspenso
Num doce esvaimento.
Ó morte, vem depressa,
Acorda, vem depressa,
Acode-me depressa,
Vem-me enxugar o suor,
Que o estertor começa.
É cumprir a promessa.
Já o sonho começa...
Tudo vermelho em flor...

Camilo Pessanha

Submited by

quinta-feira, abril 9, 2009 - 22:07

Poesia Consagrada :

No votes yet

CamiloPessanha

imagem de CamiloPessanha
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 9 anos 15 semanas
Membro desde: 04/09/2009
Conteúdos:
Pontos: 150

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of CamiloPessanha

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Fotos/ - Camilo Pessanha 0 557 11/23/2010 - 23:37 Português
Poesia Consagrada/Geral Final 0 414 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Voz débil que passas 0 390 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Se andava no Jardim 0 526 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Singra o navio. Sob a agua clara 0 427 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Ó meu coração torna para traz 0 380 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Esvelta surge! Vem das aguas, nua 0 563 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Soneto Desce em folhedos tenros a collina 0 339 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Soneto Tatuagens complicadas do meu peito 0 743 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Estátua 0 253 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Caminho 0 442 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Interrogação 0 340 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Viola Chinesa 0 398 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Castelo de Óbidos 0 350 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Violoncelo 0 363 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Ao longe os barcos de flores 0 365 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Fonógrafo 0 459 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral II A Morte, no Pego-Dragão 0 309 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral E eis quanto resta do idílio acabado 0 447 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Inscrição 0 353 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Passou o Outono já, já torna o frio... 0 398 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Quem poluiu, quem rasgou os meus lençóis de linho 0 471 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Ao meu coração um peso de ferro 0 424 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Chorae arcadas 0 336 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Canção da Partida 0 409 11/19/2010 - 15:49 Português