CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Serradura

Serradura

A minha vida sentou-se
E não há quem a levante,
Que desde o Poente ao Levante
A minha vida fartou-se.

E ei-la, a mona, lá está,
Estendida, a perna traçada,
No indindável sofá
Da minha Alma estofada.

Pois é assim: a minha Alma
Outrora a sonhar de Rússias,
Espapaçou-se de calma,
E hoje sonha só pelúcias.

Vai aos Cafés, pede um bock,
Lê o <> de castigo,
E não há nenhum remoque
Que a regresse ao Oiro antigo:

Dentro de mim é um fardo
Que não pesa, mas que maça:
O zumbido dum moscardo,
Ou comichão que não passa.

Folhetim da <>
Pelo nosso Júlio Dantas ---
Ou qualquer coisa entre tantas
Duma antipatia igual...

O raio já bebe vinho,
Coisa que nunca fazia,
E fuma o seu cigarrinho
Em plena burocracia!...

Qualquer dia, pela certa,
Quando eu mal me precate,
É capaz dum disparate,
Se encontra a porta aberta...

Isto assim não pode ser...
Mas como achar um remédio?
--- Pra acabar este intermédio
Lembrei-me de endoidecer:

O que era fácil --- partindo
Os móveis do meu hotel,
Ou para a rua saindo
De barrete de papel

A gritar <>...
Mas a minha Alma, em verdade,
Não merece tal façanha,
Tal prova de lealdade...

Vou deixá-la --- decidido ---
No lavabo dum Café,
Como um anel esquecido.
É um fim mais raffiné.

Mário de Sá-Carneiro

Submited by

quarta-feira, abril 1, 2009 - 01:20

Poesia Consagrada :

No votes yet

MariodeSaCarneiro

imagem de MariodeSaCarneiro
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 8 anos 22 semanas
Membro desde: 04/01/2009
Conteúdos:
Pontos: 120

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of MariodeSaCarneiro

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Fotos/ - Mario de Sa Carneiro 0 581 11/24/2010 - 00:33 Português
Poesia Consagrada/Geral Ângulo 0 433 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Sete Canções de Declínio 0 388 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Taciturno 0 439 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Apoteose 0 411 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral 7 0 451 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Vislumbre 0 316 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral 16 0 437 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral A Queda 0 293 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Rodopio 0 284 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Vontade de Dormir 0 371 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Inter-Sonho 0 261 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Escavação 0 293 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Partida 0 240 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Ápice 0 305 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Amor O amor 0 676 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Serradura 0 428 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Estátua Falsa 0 528 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Caranguejola 0 483 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Manucure 0 489 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Crise Lamentável 0 445 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral O Fantasma 0 436 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral El-Rei 0 382 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral AQUELOUTRO 0 463 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Quasi 0 478 11/19/2010 - 16:49 Português