CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Quasi

Quasi

Um pouco mais de sol - eu era brasa,
Um pouco mais de azul - eu era além
Para atingir, faltou-me um golpe de asa ...
Se ao menos eu permanecesse aquém ...

Assombro ou paz ? Em vão ... Tudo esvaído
Num grande mar enganador d´espuma;
E o grande sonho despertado em bruma,
O grande sonho - ó dor ! - quasi vivido ...

Quasi o amor, quase o triunfo e a chama,
Quasi o princípio e o fim - quasi a expansão ...
Mas na minh´alma tudo se derrama ...
Entanto nada foi só ilusão !

De tudo houve um começo ... e tudo errou ...
- Ai a dor de ser-quasi, dor sem fim ...
Eu falhei-me entre os mais, falhei em mim,
Asa que se elançou mas não voou ...

Momentos de alma que desbaratei ...
Templos aonde nunca pus um altar ...
Rios que perdi sem os levar ao mar ...
Ânsias que foram mas que não fixei ...

Se me vagueio, encontro só indícios ...
Ogivas para o sol - vejo-as cerradas;
E mãos d' heroi, sem fé, acobardadas,
Puseram grades sobre os precipícios ...

Num ímpeto difuso de quebranto,
Tudo encetei e nada possuí ...
Hoje, de mim, só resta o desencanto
Das coisas que beijei mas não vivi ...

Um pouco mais de sol - e fora brasa,
Um pouco mais de azul - e fora além.
Para atingir faltou-me um golpe d´asa ...
Se ao menos eu permanecesse aquém ...

Paris 1913 - maio 13

Mário de Sá-Carneiro

Submited by

quarta-feira, abril 1, 2009 - 01:45

Poesia Consagrada :

No votes yet

MariodeSaCarneiro

imagem de MariodeSaCarneiro
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 8 anos 26 semanas
Membro desde: 04/01/2009
Conteúdos:
Pontos: 120

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of MariodeSaCarneiro

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Fotos/ - Mario de Sa Carneiro 0 585 11/24/2010 - 00:33 Português
Poesia Consagrada/Geral Ângulo 0 439 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Sete Canções de Declínio 0 396 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Taciturno 0 442 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Apoteose 0 416 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral 7 0 455 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Vislumbre 0 320 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral 16 0 439 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral A Queda 0 298 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Rodopio 0 288 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Vontade de Dormir 0 375 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Inter-Sonho 0 265 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Escavação 0 298 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Partida 0 246 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Ápice 0 308 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Amor O amor 0 685 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Serradura 0 432 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Estátua Falsa 0 532 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Caranguejola 0 486 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Manucure 0 493 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Crise Lamentável 0 449 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral O Fantasma 0 439 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral El-Rei 0 386 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral AQUELOUTRO 0 466 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Quasi 0 482 11/19/2010 - 16:49 Português