CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Vénus

Vénus

I

À flor da vaga, o seu cabelo verde,
Que o torvelinho enreda e desenreda...
O cheiro a carne que nos embebeda!
Em que desvios a razão se perde!
Pútrido o ventre, azul e aglutinoso,
Que a onda, crassa, num balanço alaga,
E reflui (um olfato que se embriaga)
Como em um sorvo, murmura de gozo.
O seu esboço, na marinha turva...
De pé flutua, levemente curva;
Ficam-lhe os pés atrás, como voando...
E as ondas lutam, como feras mugem,
A lia em que a desfazem disputando,
E arrastando-a na areia, co'a salsugem.

II

Singra o navio. Sob a água clara
Vê-se o fundo do mar, de areia fina...
_ Impecável figura peregrina,
A distância sem fim que nos separa!
Seixinhos da mais alva porcelana,
Conchinhas tenuemente cor de rosa,
Na fria transparência luminosa
Repousam, fundos, sob a água plana.
E a vista sonda, reconstrui, compara,
Tantos naufrágios, perdições, destroços!
_ Ó fúlgida visão, linda mentira!
Róseas unhinhas que a maré partira...
Dentinhos que o vaivém desengastara...
Conchas, pedrinhas, pedacinhos de ossos...

Camilo Pessanha

Submited by

quinta-feira, abril 9, 2009 - 23:22

Poesia Consagrada :

No votes yet

CamiloPessanha

imagem de CamiloPessanha
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 8 anos 35 semanas
Membro desde: 04/09/2009
Conteúdos:
Pontos: 150

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of CamiloPessanha

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Fotos/ - Camilo Pessanha 0 509 11/24/2010 - 00:37 Português
Poesia Consagrada/Geral Final 0 383 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Voz débil que passas 0 355 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Se andava no Jardim 0 493 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Singra o navio. Sob a agua clara 0 404 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Ó meu coração torna para traz 0 348 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Esvelta surge! Vem das aguas, nua 0 548 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Soneto Desce em folhedos tenros a collina 0 315 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Soneto Tatuagens complicadas do meu peito 0 665 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Estátua 0 233 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Caminho 0 406 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Interrogação 0 312 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Viola Chinesa 0 371 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Castelo de Óbidos 0 332 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Violoncelo 0 330 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Ao longe os barcos de flores 0 331 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Fonógrafo 0 425 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral II A Morte, no Pego-Dragão 0 290 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral E eis quanto resta do idílio acabado 0 408 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Inscrição 0 320 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Passou o Outono já, já torna o frio... 0 364 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Quem poluiu, quem rasgou os meus lençóis de linho 0 454 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Ao meu coração um peso de ferro 0 403 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Chorae arcadas 0 309 11/19/2010 - 16:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Canção da Partida 0 386 11/19/2010 - 16:49 Português