CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

O desilusionista

Não estou aqui para disfarçar!
Nem para anestesiar consciências.
Não estou aqui para entreter!
Nem para aliviar consequências!
Não sou entretenimento, nem alento,
nem remédio para dores intrínsecas.
Não estou aqui para encobrir de ilusões,
com véus sujos de intransparência
(ou com falsas e poéticas construções),
as verdades íntimas de nosso tempo.
Não estou aqui para pregar falsas ideias de salvação,
nem expor imagens sobre um além-mundo imaginário
que nos assombra e nos enverga como um peso insuportável
a nos frenar e a nos barrar, temendo uma falsa perdição.
Não sou uma porta pela qual todos possam fugir de seus mais íntimos temores.
Não me alicio ao imaginário comum, nem tampouco a esse romantismo sexualizado,
na tentativa dissimulada de fugir de meus mais selvagens e grotescos instintos.
Não alimento a ilusória imagem de um futuro evoluído,
no qual todos possamos viver em paz (com os outros ou com nós mesmos).
Não alimento a patologia cotidiana, a qual chamamos de vida moderna.
Não permaneço aquém ou além, mas, sim, e principalmente, contra meu tempo!
Não estou aqui para confundir fé com religião
(esta mesma que mais serviu para separar do que para unir os homens),
até porque uma me alimentaria apenas com migalhas
e a outra (caso eu permitisse) me sugaria todas as forças:
apenas a eterna e perpétua dúvida nutre-me e me encoraja
a seguir em frente e transformar minhas fraquezas em forças,
e minhas dores em aprendizado, e meu caos em calmaria.
Não estou aqui para compor as máscaras que são os escudos
e as vias mais fáceis para a fuga psicológica
deste mundo cheio de fingimento e completamente vazio de sentido.
Não vivo contra, nem apenas em prol, mas, sim, além de minha natureza.
Não fujo da transvaloração dos valores deste mundo,
nem do confronto entre a bipolaridade deste ambiente indiferente
e a dualidade de minha natureza sempre complexa.
Não fujo da responsabilidade de quebrar tabus,
na tentativa de amenizar o mal-estar da civilização
(o qual sinto como um câncer a me consumir!)
Não permito que o que possuo valha mais do que o que sou,
nem que as coisas que tenho um dia possam me possuir.
Não deixo um falso mundo metafísico sobrepor-se ao mundo sensível.
Não revivo nem vivo a remoer as mesmas angústias de eras anteriores,
nem permito que elas sejam continuadas em experiências contemporâneas.
Não me vejo na imagem puritana e ilusória
em que cada um de nós acredita refletir-se no espelho da consciência.
Não me estrago no conforto sufocante em que a rotina tenta me afogar.
Não me estrago no mais primaz dos valores dogmático-religiosos: "amai ao próximo".
Eu não amo o próximo. Pelo contrário. Enojo-me dele!
Enojo-me deste mundo no qual a corrupção (em todas as esferas e estratos)
seja vista como conduta padrão, e a falta de respeito seja vista como conduta de espertos sobre tolos;
enojo-me deste homem brutal capaz de exercer maldade gratuita sobre seu semelhante;
enojo-me deste mundo no qual a burrice, a estupidez, a arrogância e o mau gosto
sejam vistos como algo a ser louvado e admirado;
enojo-me desta geração narcisista e individualista ao extremo
ávida por motivos para sentir repulsa a si mesma,
quando, na verdade, causa nojo por tudo aquilo que ela mesma produz e reproduz.
Enojo-me do homem que trocou grande parte de sua felicidade por um tipo de segurança ignorante.
Enojo-me do homem que se esquece que
cada escolha é uma renúncia,
cada dia a mais é um a menos,
cada cifra a mais é liberdade e felicidade de menos,
caminhos velhos levam sempre aos mesmos destinos,
cada criança mal educada a mais é um cidadão nobre a menos,
cada criança mal amada a mais é um cidadão amoroso a menos,
cada morte cinza a mais é vida verde e azul a menos.
E, mesmo com o advento das ciências, e das artes em geral,
como artifícios de sublimação do sofrimento,
o homem ainda não obteve o contentamento da felicidade.
Os limites da cultura na qual estamos inseridos ainda são fortes geradores de infelicidade,
ao passo que a exigência imposta por esta mesma civilização culta torna a meta pela felicidade algo impossível!
Mas, tão subjetiva quanto todas as teorias filosóficas é a visão de mundo de cada um de nós;
e o que é errado e grave para uns, pode não ser tanto assim para outros.
A nossa diversidade é a mais sublime de nossas características
e também a maior de nossas maldições.
E, infelizmente, a consciência que nos torna diferente de todos os outros animais
é a mesma força, impregnada de maldade, que nos destrói e nos faz destruir a tudo a nossa volta.
Eis o homem: câncer do mundo!

Submited by

segunda-feira, outubro 10, 2016 - 20:18

Poesia :

Your rating: None (5 votes)

MaynardoAlves

imagem de MaynardoAlves
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 5 semanas 5 dias
Membro desde: 05/02/2010
Conteúdos:
Pontos: 597

Comentários

imagem de MaynardoAlves

O desilusionista

"Permita que eu me apresente."
(Apenas um pequeno desabafo...)

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of MaynardoAlves

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Aforismo O vinhedo universal 1 476 02/06/2020 - 14:39 Português
Poesia/Meditação Metamorfose filosófica: bênção ou maldição? 1 482 12/03/2018 - 16:23 Português
Poesia/Intervenção Aos vivos que ficam ou Epitáfio II 1 585 10/09/2018 - 13:41 Português
Poesia/Geral Meu pequeno depoimento em prol do ateísmo 0 560 09/26/2018 - 01:17 Português
Poesia/Geral Revolucionário... revolucionário!? 1 530 09/25/2018 - 18:12 Português
Prosas/Outros Meu pequeno depoimento em prol do ateísmo 0 628 09/19/2018 - 20:13 Português
Poesia/Meditação O legado de um filósofo 1 496 09/17/2018 - 20:45 Português
Poesia/Intervenção Os novos mandamentos (ou melhor, conselhos) 1 692 08/29/2018 - 00:53 Português
Poesia/Fantasia O jardim de Epicuro 1 696 08/22/2018 - 17:14 Português
Poesia/Tristeza Em (des)construção 1 600 08/10/2018 - 15:46 Português
Poesia/Tristeza Máquina do tempo 1 635 08/08/2018 - 17:28 Português
Poesia/Tristeza Valores familiares 1 700 08/08/2018 - 17:21 Português
Poesia/Pensamentos Um lugar para chamar de seu 1 671 08/08/2018 - 17:14 Português
Poesia/Meditação Humilde-se! 1 663 05/21/2018 - 12:41 Português
Poesia/Tristeza Um inferno (para um poeta) 1 805 05/21/2018 - 12:34 Português
Prosas/Outros Onde? 2 617 03/08/2018 - 18:41 Português
Poesia/Comédia Meu amigo ócio 4 663 03/06/2018 - 16:20 Português
Poesia/Geral Promessas para uma vida nova 2 809 03/05/2018 - 21:09 Português
Poesia/Meditação Se Deus existisse... 4 722 03/05/2018 - 20:56 Português
Poesia/Intervenção Onde? 18 963 01/03/2018 - 19:28 Português
Poesia/Meditação Um instante infinito 1 767 11/17/2017 - 15:00 Português
Poesia/Desilusão Ainda no exílio (desde os dias de Gonçalves Dias) 1 743 11/08/2017 - 12:38 Português
Poesia/Canção Sem título (por luto) 1 725 10/27/2017 - 15:34 Português
Poesia/Geral Mensagem 1 765 03/27/2017 - 14:50 Português
Poesia/Aforismo O exagero de Sócrates 0 584 10/14/2016 - 20:50 Português