CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Desculpa Se Sou Puta - Parte 1 - Capítulo 1 -

“Escrevo as linhas ténues do meu sonho,
Frágeis fragmentos de lucidez roubada,
Momentos, mais nada…
Podia amar-te hoje, lamber o salitre da dor que me trazes,
Perdoar sem esquecer-te…”

Inês Dunas
http://librisscriptaest.blogspot.pt/

Havia perdido os primeiros gritos de guerra, enclausurada nos meus lençóis de flanela, incapaz de reagir a mais uma segunda-feira penosa que se aproximava devagar sem querer espantar os mortais que encaram esse dia como uma penosa jornada.
Era obviamente o meu caso. Para mim, aos 14 anos a escola é uma tremenda seca, os transportes públicos são um tormento, as profs uma violenta dor de cabeça e sair ainda de noite para todo este tormento era uma perfeita loucura. Fosse eu que mandasse no mundo e decretaria a proibição de sairmos de casa como morcegos, às apalpadelas na escuridão de uma madrugada fria.
No piso inferior a generala (alcunha que dou à minha mãe, especialmente às segundas-feiras ou quando debita ordens incompreensíveis), berrava a plenos pulmões que era hora de levantar…e a escola…blá…blá….blá.
A minha mãe é aquele género de pessoa chata, que acha que sabe tudo, que percebe tudo, que sabe o que eu quero, o que sinto e o que passo, mas ela não sabe nadica de nada. Se há algo que odeio mesmo do fundo do coração é o ar presunçoso dos cotas que acham que somos apenas crianças, que somos apenas fiteiras, que necessitamos apenas de estudar, de marrar e blá,blá,blá. Que diabo, somos pessoas como eles, com gostos e ódios mil e temos todo o direito a não querer que as ditas "verdades Universais" brotem de bocas de gentinha que nada é na vida.
Veja-se o meu caso, ou por outra, o caso da minha mãe. Funcionária do correios,(não, não anda de mota a distribuir cartas, se bem que isso era fixe), em nove anos nunca foi promovida, ao contrário da colega dela que só lá está há um ano. Depois, separou-se há cerca de dois meses, porque o meu pai descobriu que a secretária dele era mais eficiente e mais nova que a cota da minha mãe e ainda por cima, perdeu o carro que havia comprado, com a desculpa de que já era velho e só daria despesas extras. Isso fez-me pensar que também ela era velha e a adivinhar pelos montes de comprimidos que sempre traz da farmácia, poderia igualmente fazer-lhe uma rifa com a mesma desculpa.
Eu não sou mimada, sou apenas ciente do conforto e o carro, bem vistas as coisas, era o espaço quente e tranquilo, os vinte minutos de tranquilidade antes de ser largada na tortura. Era uma espécie de última refeição de um condenado à morte.
O meu pai claro, é o meu herói  Sempre foi e sempre será. No dia em que ele saiu de vez de casa, sentou-se à cabeceira da minha cama, explicando-me o que estava a suceder, com longas pausas, gestos teatrais e frases feitas ou bem ensaiadas mas  quanto mais ele se alongava nas explicações, mais percebia que, embora sem o dizer, a minha mãe era a culpada da sua saída e isso enfureceu-me.
Saí para o dilúvio sem uma palavra, sem sequer olhar para trás. Mãe que é mãe nunca permitiria que filha fosse para escola neste temporal, pensei eu amargamente quando o meu Nokia vibrou:
-Onde estás?
-Ao frio e à chuva a caminho da escola e tu?
-A caminho também. Estás perto de casa?
-Sim…Porque?
-Estou com o meu pai. Queres boleia?
-Lógico. – Sorri eu esperançada.
-Ok S.
A.era a minha mais recente amiga e já a caminho de uma promoção de melhor amiga. Era aquele tipo de miúda que sabe sempre ouvir e dar um sorriso esperançoso. Além disso e apesar de só a conhecer á meio semestre acompanhou de perto o meu drama da separação dos meus pais. Ou seja, adoro-a.
O Ford Fiesta cinza chegou relativamente rápido e lá dentro os dois sorriam-me. A vinha à frente no lugar do pendura e o pai ao volante. Não perdi tempo e entrei para o banco de trás, lutando para me sentar com o guarda-chuva, a mochila e a minha aptidão natural para ser desastrada sob pressão.
E é precisamente por esta boleia e no quanto ela me influenciará que escolhi este chuvoso dia, como o princípio da minha história.

Submited by

sábado, fevereiro 7, 2015 - 11:07

Prosas :

No votes yet

Mefistus

imagem de Mefistus
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 34 semanas 5 dias
Membro desde: 03/07/2008
Conteúdos:
Pontos: 3083

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Mefistus

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Amor Saber A Mar! 4 864 02/19/2019 - 16:26 Português
Prosas/Contos Desculpa Se Sou Puta -Parte 1 - Capítulo 3 0 971 02/07/2015 - 11:18 Português
Prosas/Contos Desculpa Se Sou Puta -Parte 1 - Capítulo 2 0 950 02/07/2015 - 11:11 Português
Prosas/Contos Desculpa Se Sou Puta - Parte 1 - Capítulo 1 - 0 761 02/07/2015 - 11:07 Português
Prosas/Contos Desculpa se sou Puta! - Introdução 0 597 02/07/2015 - 11:03 Português
Prosas/Contos Desculpa se sou Puta! - Introdução 0 891 02/07/2015 - 11:00 Português
Poesia/Amor Saber A Mar! 0 0 07/09/2012 - 15:31 Português
Poesia/Amor Saber A Mar! 0 1.291 07/09/2012 - 15:30 Português
Poesia/Aforismo Cativa Saliva na boca triste 0 2.071 06/04/2012 - 13:52 Português
Poesia/Meditação Haveria Sempre Poesia, Nas horas loucas de maresia 2 1.389 04/21/2012 - 05:56 Português
Poesia/Desilusão Melancolia 0 1.215 11/04/2011 - 12:11 Português
Poesia/Pensamentos Para onde vou ó dor! 0 816 11/04/2011 - 11:42 Português
Poesia/Meditação Trova a dois Terços! 0 1.221 11/04/2011 - 11:34 Português
Poesia/Intervenção Ó Chefe dá-me um emprego! 1 1.285 10/25/2011 - 10:30 Português
Poesia/Dedicado Em amêndoas Tragado 3 1.573 10/24/2011 - 10:15 Português
Poesia/Intervenção Uma breve nostalgia! 0 1.190 10/24/2011 - 10:06 Português
Poesia/Meditação No pio da Perdiz 0 1.425 10/24/2011 - 09:58 Português
Poesia/Fantasia Baila Marisa Baila! 3 2.134 09/01/2011 - 11:17 Português
Prosas/Terror Diablo- Capitulo 4 (parte 4/4) 0 1.605 04/09/2011 - 01:02 Português
Prosas/Terror Diablo - Capitulo 4 ( parte 3/4) 0 1.682 04/09/2011 - 00:59 Português
Prosas/Terror Diablo - Capitulo 4 ( parte 2/4) 0 1.184 04/09/2011 - 00:56 Português
Prosas/Terror Diablo Capitulo 4 (Parte 1/4). 0 2.264 04/09/2011 - 00:49 Português
Prosas/Terror Diablo Capitulo 3 (Parte 3/3) 0 1.193 04/09/2011 - 00:46 Português
Poesia/Meditação Dançarina de saia Púpura 2 1.880 04/07/2011 - 23:35 Português
Poesia/Meditação Como um corpo suspenso em cordas de linho 1 1.574 02/27/2011 - 20:51 Português