CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Como eu não possuo

Como eu não possuo

Olho em volta de mim. Todos possuem ---
Um afecto, um sorriso ou um abraço.
Só para mim as ânsias se diluem
E não possuo mesmo quando enlaço.

Roça por mim, em longe, a teoria
Dos espasmos golfados ruivamente;
São êxtases da cor que eu fremiria,
Mas a minh'alma pára e não os sente!

Quero sentir. Não sei... perco-me todo...
Não posso afeiçoar-me nem ser eu:
Falta-me egoísmo para ascender ao céu,
Falta-me unção pra me afundar no lodo.

Não sou amigo de ninguém. Pra o ser
Forçoso me era antes possuir
Quem eu estimasse --- ou homem ou mulher,
E eu não logro nunca possuir!...

Castrado de alma e sem saber fixar-me,
Tarde a tarde na minha dor me afundo...
Serei um emigrado doutro mundo
Que nem na minha dor posso encontrar-me?...

Como eu desejo a que ali vai na rua,
Tão ágil, tão agreste, tão de amor...
Como eu quisera emaranhá-la nua,
Bebê-la em espasmos de harmonia e cor!...

Desejo errado... Se a tivera um dia,
Toda sem véus, a carne estilizada
Sob o meu corpo arfando transbordada,
Nem mesmo assim --- ó ânsia! --- eu a teria...

Eu vibraria só agonizante
Sobre o seu corpo de êxtases doirados,
Se fosse aqueles seios transtornados,
Se fosse aquele sexo aglutinante...

De embate ao meu amor todo me ruo,
E vejo-me em destroço até vencendo:
É que eu teria só, sentindo e sendo
Aquilo que estrebucho e não possuo.

Mário de Sá-Carneiro

Submited by

quarta-feira, abril 1, 2009 - 00:14

Poesia Consagrada :

No votes yet

MariodeSaCarneiro

imagem de MariodeSaCarneiro
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 8 anos 18 semanas
Membro desde: 03/31/2009
Conteúdos:
Pontos: 120

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of MariodeSaCarneiro

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Fotos/ - Mario de Sa Carneiro 0 580 11/23/2010 - 23:33 Português
Poesia Consagrada/Geral Ângulo 0 426 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Sete Canções de Declínio 0 382 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Taciturno 0 438 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Apoteose 0 410 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral 7 0 449 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Vislumbre 0 315 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral 16 0 436 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral A Queda 0 293 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Rodopio 0 283 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Vontade de Dormir 0 371 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Inter-Sonho 0 260 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Escavação 0 293 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Partida 0 240 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Ápice 0 304 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Amor O amor 0 672 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Serradura 0 427 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Estátua Falsa 0 526 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Caranguejola 0 482 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Manucure 0 488 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Crise Lamentável 0 444 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral O Fantasma 0 432 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral El-Rei 0 376 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral AQUELOUTRO 0 462 11/19/2010 - 15:49 Português
Poesia Consagrada/Geral Quasi 0 474 11/19/2010 - 15:49 Português