Quasi

Quasi

Um pouco mais de sol - eu era brasa,
Um pouco mais de azul - eu era além
Para atingir, faltou-me um golpe de asa ...
Se ao menos eu permanecesse aquém ...

Assombro ou paz ? Em vão ... Tudo esvaído
Num grande mar enganador d´espuma;
E o grande sonho despertado em bruma,
O grande sonho - ó dor ! - quasi vivido ...

Quasi o amor, quase o triunfo e a chama,
Quasi o princípio e o fim - quasi a expansão ...
Mas na minh´alma tudo se derrama ...
Entanto nada foi só ilusão !

De tudo houve um começo ... e tudo errou ...
- Ai a dor de ser-quasi, dor sem fim ...
Eu falhei-me entre os mais, falhei em mim,
Asa que se elançou mas não voou ...

Momentos de alma que desbaratei ...
Templos aonde nunca pus um altar ...
Rios que perdi sem os levar ao mar ...
Ânsias que foram mas que não fixei ...

Se me vagueio, encontro só indícios ...
Ogivas para o sol - vejo-as cerradas;
E mãos d' heroi, sem fé, acobardadas,
Puseram grades sobre os precipícios ...

Num ímpeto difuso de quebranto,
Tudo encetei e nada possuí ...
Hoje, de mim, só resta o desencanto
Das coisas que beijei mas não vivi ...

Um pouco mais de sol - e fora brasa,
Um pouco mais de azul - e fora além.
Para atingir faltou-me um golpe d´asa ...
Se ao menos eu permanecesse aquém ...

Paris 1913 - maio 13

Mário de Sá-Carneiro

Submited by

Wednesday, April 1, 2009 - 01:45

Poesia Consagrada :

No votes yet

MariodeSaCarneiro

MariodeSaCarneiro's picture
Offline
Title: Membro
Last seen: 8 years 31 weeks ago
Joined: 04/01/2009
Posts:
Points: 120

Add comment

Login to post comments

other contents of MariodeSaCarneiro

Topic Title Replies Views Last Postsort icon Language
Fotos/Profile Mario de Sa Carneiro 0 646 11/24/2010 - 00:33 Portuguese
Poesia Consagrada/General Ângulo 0 452 11/19/2010 - 16:49 Portuguese
Poesia Consagrada/General Sete Canções de Declínio 0 404 11/19/2010 - 16:49 Portuguese
Poesia Consagrada/General Taciturno 0 447 11/19/2010 - 16:49 Portuguese
Poesia Consagrada/General Apoteose 0 424 11/19/2010 - 16:49 Portuguese
Poesia Consagrada/General 7 0 460 11/19/2010 - 16:49 Portuguese
Poesia Consagrada/General Vislumbre 0 324 11/19/2010 - 16:49 Portuguese
Poesia Consagrada/General 16 0 444 11/19/2010 - 16:49 Portuguese
Poesia Consagrada/General A Queda 0 303 11/19/2010 - 16:49 Portuguese
Poesia Consagrada/General Rodopio 0 292 11/19/2010 - 16:49 Portuguese
Poesia Consagrada/General Vontade de Dormir 0 377 11/19/2010 - 16:49 Portuguese
Poesia Consagrada/General Inter-Sonho 0 269 11/19/2010 - 16:49 Portuguese
Poesia Consagrada/General Escavação 0 325 11/19/2010 - 16:49 Portuguese
Poesia Consagrada/General Partida 0 251 11/19/2010 - 16:49 Portuguese
Poesia Consagrada/General Ápice 0 311 11/19/2010 - 16:49 Portuguese
Poesia Consagrada/Love O amor 0 699 11/19/2010 - 16:49 Portuguese
Poesia Consagrada/General Serradura 0 438 11/19/2010 - 16:49 Portuguese
Poesia Consagrada/General Estátua Falsa 0 554 11/19/2010 - 16:49 Portuguese
Poesia Consagrada/General Caranguejola 0 494 11/19/2010 - 16:49 Portuguese
Poesia Consagrada/General Manucure 0 499 11/19/2010 - 16:49 Portuguese
Poesia Consagrada/General Crise Lamentável 0 453 11/19/2010 - 16:49 Portuguese
Poesia Consagrada/General O Fantasma 0 445 11/19/2010 - 16:49 Portuguese
Poesia Consagrada/General El-Rei 0 391 11/19/2010 - 16:49 Portuguese
Poesia Consagrada/General AQUELOUTRO 0 470 11/19/2010 - 16:49 Portuguese
Poesia Consagrada/General Quasi 0 491 11/19/2010 - 16:49 Portuguese