CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Dreaming Of A Better World

Olho sem ciência o horizonte que não descansa,
Uma gaivota gritando significa que está pedindo,
Um barco partido, sem ter vontade de navegar,
Nem pressa.

O silêncio é idêntico, quer no céu, quer em terra,
Só no mar se confunde o horizonte, suponho
Ser lá longe, p’lo som que uma gaivota cega faz
Na praia, ao chegar,

Ao regressar co’a heresia do mar, no fundo,
Aparte as ondas, nada se altera, o mar é aberto,
Alternas sensações,
O longe e o perto, o ar.

Barcos partindo de viagem, sem rota,
Minha pele sem escama nem arte, mar sem porta,
Sem peso nem ciência,
Minha força desleal.

A Aorta de um marinheiro é o bocado do corpo
Que mais lembra um coração, as algas o cabelo
E o som molhado da saudade,
O velame e o esteiro,

As águas vivas, terras perfeitas e areais florestas,
Palavras não expressas, organismos marinhos,
Marés sem esperança,
Curta distância e extinção…

Vivemos de estratégias, especulações e simulações reais,
Enquanto tempo é feito de ausência e de todos os elementos
Substantivos possessivos,
Que nos habituámos a dar

Como substancialmente comuns e até definitivamente vitais
Em função apenas da necessidade de tornar real, embora suave,
A passagem do tempo e das horas,
Como por exemplo, brincar

Irresponsavelmente com as palavras e com o pensamento,
Inconscientes da função de viagem, da paisagem,
E do meio de transporte, o espaço vida confinante
Ao “silêncio da pele”.

É atribuído genericamente ao tempo, apenas
A memória mental e mnésica que usamos na orientação
No espaço que inventámos, por confortavelmente
Não querermos existir no lado de fora dele,

Destas falsas e possessivas premissas constituintes da matéria…
Eu conheço lugares que caíram dentro de si, Incompreendidos
Lactos de uma triste tristeza paranóica.
Vi como demagogos se agregaram num tear de cegueira,

Deixando-me na insónia,
Ancorado na nulidade em que vivem esses Faraós Aqueus,
Incapazes de sentir, montados em debilitados javalis,
Maldosos, funestos delimitadores de jardins, bacantes.

Eu conheço um lugar blindado à fé primeira,
O lugar-dos -elefantes, a Terra-inteira, sem horizontes
Nem ciência, apenas bera cegueira …
I dream of a better world .

Jorge Santos 10/2019
http://namastibetpoems.blogspot.com

Submited by

quinta-feira, outubro 17, 2019 - 19:25

Ministério da Poesia :

Your rating: None Average: 5 (1 vote)

Joel

imagem de Joel
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 1 semana 3 dias
Membro desde: 12/20/2009
Conteúdos:
Pontos: 40692

Comentários

imagem de Joel

Vivemos de estratégias,

Vivemos de estratégias, especulações e simulações reais,

imagem de Joel

A pose

A pose
A pose

Igual quanto o acrónimo (não linear) de Jorge Manuel Mendes dos Santos-(Joel Matos)-eu também sou dos que acredita no silêncio e no amor quando e enquanto podem, pois que na pose não há amor nem silencio, impor é pro amor como o azeite para a água ou o vinho na comunhão das almas puras, falso e vicioso o som que faz um padre se o vaso é apenas vaso e a água apenas vinagre e fraude.

J.S.

imagem de Joel

A pose

A pose
A pose

Igual quanto o acrónimo (não linear) de Jorge Manuel Mendes dos Santos-(Joel Matos)-eu também sou dos que acredita no silêncio e no amor quando e enquanto podem, pois que na pose não há amor nem silencio, impor é pro amor como o azeite para a água ou o vinho na comunhão das almas puras, falso e vicioso o som que faz um padre se o vaso é apenas vaso e a água apenas vinagre e fraude.

J.S.

imagem de Joel

A pose

A pose
A pose

Igual quanto o acrónimo (não linear) de Jorge Manuel Mendes dos Santos-(Joel Matos)-eu também sou dos que acredita no silêncio e no amor quando e enquanto podem, pois que na pose não há amor nem silencio, impor é pro amor como o azeite para a água ou o vinho na comunhão das almas puras, falso e vicioso o som que faz um padre se o vaso é apenas vaso e a água apenas vinagre e fraude.

J.S.

imagem de Joel

A pose

A pose
A pose

Igual quanto o acrónimo (não linear) de Jorge Manuel Mendes dos Santos-(Joel Matos)-eu também sou dos que acredita no silêncio e no amor quando e enquanto podem, pois que na pose não há amor nem silencio, impor é pro amor como o azeite para a água ou o vinho na comunhão das almas puras, falso e vicioso o som que faz um padre se o vaso é apenas vaso e a água apenas vinagre e fraude.

J.S.

imagem de Joel

A pose

A pose
A pose

Igual quanto o acrónimo (não linear) de Jorge Manuel Mendes dos Santos-(Joel Matos)-eu também sou dos que acredita no silêncio e no amor quando e enquanto podem, pois que na pose não há amor nem silencio, impor é pro amor como o azeite para a água ou o vinho na comunhão das almas puras, falso e vicioso o som que faz um padre se o vaso é apenas vaso e a água apenas vinagre e fraude.

J.S.

imagem de Joel

A pose

A pose
A pose

Igual quanto o acrónimo (não linear) de Jorge Manuel Mendes dos Santos-(Joel Matos)-eu também sou dos que acredita no silêncio e no amor quando e enquanto podem, pois que na pose não há amor nem silencio, impor é pro amor como o azeite para a água ou o vinho na comunhão das almas puras, falso e vicioso o som que faz um padre se o vaso é apenas vaso e a água apenas vinagre e fraude.

J.S.

imagem de Joel

A pose

A pose
A pose

Igual quanto o acrónimo (não linear) de Jorge Manuel Mendes dos Santos-(Joel Matos)-eu também sou dos que acredita no silêncio e no amor quando e enquanto podem, pois que na pose não há amor nem silencio, impor é pro amor como o azeite para a água ou o vinho na comunhão das almas puras, falso e vicioso o som que faz um padre se o vaso é apenas vaso e a água apenas vinagre e fraude.

J.S.

imagem de Joel

A pose

A pose
A pose

Igual quanto o acrónimo (não linear) de Jorge Manuel Mendes dos Santos-(Joel Matos)-eu também sou dos que acredita no silêncio e no amor quando e enquanto podem, pois que na pose não há amor nem silencio, impor é pro amor como o azeite para a água ou o vinho na comunhão das almas puras, falso e vicioso o som que faz um padre se o vaso é apenas vaso e a água apenas vinagre e fraude.

J.S.

imagem de Joel

A pose

A pose
A pose

Igual quanto o acrónimo (não linear) de Jorge Manuel Mendes dos Santos-(Joel Matos)-eu também sou dos que acredita no silêncio e no amor quando e enquanto podem, pois que na pose não há amor nem silencio, impor é pro amor como o azeite para a água ou o vinho na comunhão das almas puras, falso e vicioso o som que faz um padre se o vaso é apenas vaso e a água apenas vinagre e fraude.

J.S.

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Joel

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Geral Na minha terra não há terra, 0 297 06/02/2020 - 16:16 Português
Poesia/Geral A sucessão dos dias e a sede de voyeur ... 0 154 06/02/2020 - 16:09 Português
Poesia/Geral O Amor é uma nação em risco, 1 376 05/03/2020 - 00:37 Português
Ministério da Poesia/Geral Ninguém me distingue de quem sou eu ... 1 177 04/20/2020 - 23:34 Português
Ministério da Poesia/Geral A um Deus pouco divino … 1 254 04/19/2020 - 12:02 Português
Poesia/Geral “Hic sunt dracones”, A dor é tudo … 4 382 04/15/2020 - 16:25 Português
Poesia/Geral A Morte não é Bem-Vinda ... 2 343 04/15/2020 - 15:46 Português
Poesia/Geral Objectos próximos, 0 456 04/15/2020 - 12:06 Português
Poesia/Geral Daniel Faria, excerto “Do que era certo” 0 407 04/15/2020 - 11:58 Português
Ministério da Poesia/Geral O avesso do espelho... 5 220 03/01/2020 - 21:02 Português
Poesia/Geral A síndrome de Savanah 0 294 03/01/2020 - 20:26 Português
Ministério da Poesia/Geral O Estado da Dúvida 2 195 01/24/2020 - 21:05 Português
Ministério da Poesia/Geral Patchwork... 0 315 01/08/2020 - 14:05 Português
Ministério da Poesia/Geral Vivo do oficio das paixões 0 291 01/08/2020 - 13:55 Português
Ministério da Poesia/Geral Como morre um Rei de palha... 0 196 01/08/2020 - 13:50 Português
Ministério da Poesia/Geral "Sic est vulgus" 0 310 01/08/2020 - 12:47 Português
Ministério da Poesia/Geral Quantos Césares fui eu !!! 0 224 01/08/2020 - 12:40 Português
Ministério da Poesia/Geral Nada se parece comigo 0 237 01/08/2020 - 12:34 Português
Ministério da Poesia/Geral Pedra, tesoura ou papel..."Do que era certo" 0 253 01/08/2020 - 12:27 Português
Ministério da Poesia/Geral Sou "O-Feito-Do-Primeiro-Vidente" 0 187 01/08/2020 - 12:11 Português
Ministério da Poesia/Geral Morri lívido e nu ... 0 236 01/08/2020 - 12:03 Português
Ministério da Poesia/Geral Ladram cães à distância, Mato o "Por-Matar" ... 0 278 01/08/2020 - 11:45 Português
Ministério da Poesia/Geral Excerto “do que era certo” 0 246 01/08/2020 - 11:38 Português
Ministério da Poesia/Geral Rua dos Douradores 30 ... 0 287 01/08/2020 - 11:32 Português
Ministério da Poesia/Geral A Rua ao meu lado ou O Valor do riso... 0 185 01/08/2020 - 11:24 Português