CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

AI DEUS

INICIAÇÃO:

Uma personagem toda de branco, com camisa de folhos, (estilo Luis XIV).Na face uma máscara sem expressão, um foco de luz, só nesta personagem.
Caminha altiva e serena, até junto da audiência , aproximando-se e revela:
"
Boa noite prezada audiência,
Eu sou a branca Consciência
Sou a narradora desta Demência
Desta Peça, desta indecência

- Pausa-

O meu longo e profano Dever
È ser vossa guia nesta Peça
Exprimindo o meu Parecer
Alguem teria que o fazer

Senta-se numa cadeira preta

Devo contudo poder dizer
esta noite, alguns de vocês
porventura irão morrer...

-Pausa-

...De tédio, ascoou sono
irão até sair, sem retorno.

Ri demoradamente..

Mas a história já não demora
é pois chegada a hora
do inicio da saudade
da negação desta Vontade

O amor e o coração
A dor e o Perdão
O sexo e a negação"

Acendem-se as luzes, onde atrás da Consciência, está um sujeito semi nu, com lençol a tapar o obvio, de braços estendidos, numa imaginária cruz e aos seus pés uma mulher de negro, que chora.
A consciência de sapatos em salto alto, aproxima-se como se não a vissem, e encarando a assistência, aponta para o Sujeito:
"
Aqui Jaz o nobre valentão
Demente, pois então
Sem ter tido seu perdão
sem ter tido sua razão.

Foi tão triste ter nascido
foi muito triste, isto vos digo
Este pobre Homem quiz ser Deus
Mas foi castigado por olhares Ateus

Nunca teve nada, pobre diabo
era pobre e pouco prendado
Sujeito triste e mal amado
Foi engano, ter sido criado

-Vira costas á assitência-

Levanta-se a actriz e encara o Homem, beijando-o no peito, se seguida encara a assitencia:
"
Oh meu lindo e querido Bardo
Oh meu desventurado Amado
Oh meu sol, sempre ignorado
Perdi-te Meu anjo Alado
Nunca te tive, ao meu cuidado

Sacrificás-te o teu Viver
para que eu te pudesse ter
Purificas-te minha existencia
no meu regaço...Demência
Amei-te pois sem te Ter

Foste grande no que disses-te
e pouco eloquente no que fizeste
Foste um doloroso enigma
Jamais alguem o Imagina "

Ri a Consciência e aponta para a mulher, encarando a plateia:
"
Pobre Mulher, triste e abandonada
Julgando-se ela mal amada
Porque na cama, não era fecundada
Triste de quem tem, e não vê

Madalena rainha das sonhadoras
Criadora das ilusões, masmorras
Matou este pobre sonhador
na Rotina de quem tem Temor"

Baixa e sobe a cortina

Ao som de sinos da igreja, O homem desce os braços, avança até á assistência, e inicia o monólogo da virtude:
"
Não me recordo de ter nascido
Apenas de com dor, ter morrido
Olhando para o passado
Não fui pois compreendido

Nasci só entre animais
seres mitológicos, Ancestrais
Julgo eu, que estou louco
Foi o que me contaram, á pouco

Nasci, mensageiro da Alegria
Portador da doce Mestria
Tudo o que eu fazia
Era a Alma que mo pedia

-Sorri Abertamente -

DEi a todos o meu melhor
Guardei para mim, o meu pior
Se de dia era eloquente
à noite era muito Demente

-Pausa-

Ah, o Amor! Esse suave tremor
Esse caminho errante de Dor
Esse caminhar...Observador
ser do coração, portador

Entra Madalena, calada, ele aproxima-se dela e canta:
"
Oh Suave Madalena em contrição
Oh Suave corpo de Tesão
Os teus seios são uma virtude
O teu Ventre, a minha negação

Não tive de ti Criação
Não tive de ti razão
Madalena irmã arrependida
Não tive de ti, qualquer vida"

Madalena olha a Cruz imaginária, como se ele estivesse ainda lá:
"
Erro meu , Oh Amor
Se na cama era Terror
Se só me davas dor
Tu, que eras meu Senhor."

Volta para a posição inicial, voltando a abrir os braços, para a assistência:
"
Oh Madalena como te Amei
Carne da minha Carne
Até ao fim Chorei
Foi pecado, sermos irmãos
Se eu sempre era " Murcho"
Foi decerto devido a um Bruxo"

Entra a Consciência Zangada:
"
Não era eu o teu Bruxo
Fui sempre conselheiro
Da tua loucura, parceiro
Não tenho culpa de seres murcho

Ah fedelho, como te avisei
Ah triste, como te aconselhei
Pelas camas da vida contei,
Todo o prazer que te neguei"

Tocam de novo os Sinos, entrando duas freiras. Olharam para o Homem, e gentilmente pousam os ramos de flores aos seus pés, ignorando Madalena.
Acenam a cabeça. Fala a Primeira Freira:
"
Madalena, Mulher Maldita
Eras deste homem interdita
Ele viveu e aprendeu
Demente ele morreu!"

Fala a Segunda Freira, dando a mão á primeira:
"
Oremos por todos os Ignorados
Oremos pelos demais frustrados
Aniquilemos todo o mal
que o sexo é algo Irreal"

A Consciencia intervem:
"
O sexo é muito sobrevalorizado
Não é arte, dizem que é pecado
mas algo nele...é gozado...
Conduz á criação...

E se for criação , não será arte?

A primeira Freira, irritada interrompe...

-Não é arte, nem é pecado!
-E se for por tesão? -.Provoca a consciencia
-Isso não existe. È alucinação! - Freira 1
-Existe, é real, nós vemos!
-È imoralidade, Falsidão
-È natural, como a respiração
-È depravação

Grita a freira 2 :

- É TESÃOOOOO

Retoma a Freira 1
"
Cruz credo que maneiras
Vamos para o Convento
Rezar por este sofrimento
Do pobre sem intento"

-Sobe uma cruz-

Finaliza a Consciência, olhando o Homem que despareceu:
"
Ai Deus
Pobre coitado,
Na sociedade Ignorado
Pelos Homens condenado

Quem o dera ternos salvado!!!

Seria Pecado?

------------FIM-----------

www.mefistus.skyrock.com

Submited by

sexta-feira, março 26, 2010 - 18:20

Poesia :

No votes yet

Mefistus

imagem de Mefistus
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 1 ano 14 semanas
Membro desde: 03/07/2008
Conteúdos:
Pontos: 3083

Comentários

imagem de ÔNIX

Re: AI DEUS

Olá Rogério,

Como sempre fantástico

Digno de várias leituras, esta peça que mais parece um hino ao amor, e à vida, aqui descrito de uma forma soberba. Digo-te sem qualquer espécie de pudor que te gosto muito e que adoraria entrar nesta peça contigo...

Concordo com o Giraldoff. E quando tudo estiver pronto avisa que eu vou assistir

beijos

Matilde D'Ônix

imagem de LilaMarques

Re: AI DEUS

Mefistus, meu amigo querido,

Quando se fala de peça teatro, você é o primeiro! Vou lendo e vendo as cenas, é tudo muito bem delineado!
AMEI! Favoritos!

Beijo grande.

imagem de Dianinha

Re: AI DEUS

Bem, dá vontade de ler mais e mais...
Fico imaginando sempre as personagens a contracenar na minha imaginação!

É fantástico este teu poder do teatro em poesia! As duas coisas juntas é perfeito... Perfeitíssimo!

PARABÉNS!

Beijinho...

imagem de PeGAsuS89

Re: AI DEUS

hahaha espetacular ^^ adorei ler :-)

bjo, Cláudia

imagem de nunomarques

Re: AI DEUS

Fantástico, eu também aplaudo de pé esta magnifica peça. Que prazer que me deu.

Abraço
Nuno

imagem de Henrique

Re: AI DEUS

Entre o divino e o profano venha o diabo e escolha!!!

:-)

imagem de Librisscriptaest

Re: AI DEUS

Como já te disse, inúmeras vezes, o teu futuro literário deveria passar pelo teatro! Tens de apostar neste campo a serio, pq tens um talento inquestionável!
Adorei, a tragedia, a narração sarcastica e provocadora da consciencia, a censura hipocrita das freiras e o suplicio dos irmãos amantes q se punem num pecado maior q eles, q não conseguem compreender!
Brilhante!
Clap, clap, clap! Aplaudo de pé!
Beijinho grande, grande em ti!
Inês

imagem de danyfilipa

Re: AI DEUS

Está...DIVINALMENTE FANTASTICO!!!

as imagens...
as rimas...
a peça..
o tema em si...
o facto de fazer meditar..
de fazer rir...

SOBERBO!!!

"O sexo é muito sobrevalorizado
Não é arte, dizem que é pecado
mas algo nele...é gozado...
Conduz á criação..." - é arte, é pecado, é criaçao...é o gozo do humano...o que satisfaz o corpo e a mente...

Ameiiiiii

Para quando a peça de teatro ao vivo?
sentarei na primeira cadeira e aplaudirei com imenso fervor...;-)

beijo :-)

imagem de Daisy_Lee82

Re: AI DEUS

eu ri!

quem mais trataria sexo e criação... divagações de falsa moral... como você?

Beleza de texto, querido!

^^

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Mefistus

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Amor Saber A Mar! 4 1.074 02/19/2019 - 16:26 Português
Prosas/Contos Desculpa Se Sou Puta -Parte 1 - Capítulo 3 0 1.140 02/07/2015 - 11:18 Português
Prosas/Contos Desculpa Se Sou Puta -Parte 1 - Capítulo 2 0 1.060 02/07/2015 - 11:11 Português
Prosas/Contos Desculpa Se Sou Puta - Parte 1 - Capítulo 1 - 0 886 02/07/2015 - 11:07 Português
Prosas/Contos Desculpa se sou Puta! - Introdução 0 912 02/07/2015 - 11:03 Português
Prosas/Contos Desculpa se sou Puta! - Introdução 0 1.050 02/07/2015 - 11:00 Português
Poesia/Amor Saber A Mar! 0 0 07/09/2012 - 15:31 Português
Poesia/Amor Saber A Mar! 0 1.614 07/09/2012 - 15:30 Português
Poesia/Aforismo Cativa Saliva na boca triste 0 3.367 06/04/2012 - 13:52 Português
Poesia/Meditação Haveria Sempre Poesia, Nas horas loucas de maresia 2 1.711 04/21/2012 - 05:56 Português
Poesia/Desilusão Melancolia 0 1.368 11/04/2011 - 12:11 Português
Poesia/Pensamentos Para onde vou ó dor! 0 996 11/04/2011 - 11:42 Português
Poesia/Meditação Trova a dois Terços! 0 1.371 11/04/2011 - 11:34 Português
Poesia/Intervenção Ó Chefe dá-me um emprego! 1 1.570 10/25/2011 - 10:30 Português
Poesia/Dedicado Em amêndoas Tragado 3 1.680 10/24/2011 - 10:15 Português
Poesia/Intervenção Uma breve nostalgia! 0 1.491 10/24/2011 - 10:06 Português
Poesia/Meditação No pio da Perdiz 0 1.648 10/24/2011 - 09:58 Português
Poesia/Fantasia Baila Marisa Baila! 3 2.250 09/01/2011 - 11:17 Português
Prosas/Terror Diablo- Capitulo 4 (parte 4/4) 0 1.692 04/09/2011 - 01:02 Português
Prosas/Terror Diablo - Capitulo 4 ( parte 3/4) 0 1.795 04/09/2011 - 00:59 Português
Prosas/Terror Diablo - Capitulo 4 ( parte 2/4) 0 1.370 04/09/2011 - 00:56 Português
Prosas/Terror Diablo Capitulo 4 (Parte 1/4). 0 2.459 04/09/2011 - 00:49 Português
Prosas/Terror Diablo Capitulo 3 (Parte 3/3) 0 1.572 04/09/2011 - 00:46 Português
Poesia/Meditação Dançarina de saia Púpura 2 2.058 04/07/2011 - 23:35 Português
Poesia/Meditação Como um corpo suspenso em cordas de linho 1 1.767 02/27/2011 - 20:51 Português