CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Alegoria dos ausentes

Porque desdéns do Outono matam o Junho em mim…
Não te penses sofredora ou mais alma agrilhoada por morrer o meu olhar.
Os nadas que te são culpas também inflamam o céu das minhas esperanças infinitas.
Que toleres no flagelo do teu covil assim escondido qualquer coisa dos meus erros…
São acórdãos de penumbra onde a inocência é o bem por qual és absolvida.
Nada é fim absoluto nem apocalipse breve para lá destes dez minutos…
Temos a vida separada por momentos e quase nada no riso dos infortúnios.
Soubesses ventos e chuvas, metrópoles amotinadas, revoluções de um homem só…
Sorririas colectiva com pão, malga e ferida no desaperto dos teus nós.
Somos um, dois indiferentes, parcela intransigente, umbilical antagónica.
Quando o sol é para mim, a lua cresce em ti nos berços da Patagónia.
Minha pátria independente é fronteira do corpo gente que se banha aos meus olhos…
Livra-te assim dos meus crimes, vive poemas sublimes porque eu sou o não dá certo dos nossos dizeres agregados.
Porem não tenhas futuros em espera.
Jamais voltarei ao assim que me quiseste.
O meu tempo será breve como um tiro de leve chumbo flamejante na madrugada.
Teremos nossos nomes em drama já que nunca nossa cama foi a parte um do outro.
Quando vivias a trama, inflame de viva chama, o meu peito estava morto.
Teu amor foi ilusão, não passou de uma invenção de ventres solitários.
Foste discípula de Platão e alegoria aturdida de sonhos reaccionários.
Quero-te no em tanto bem, portanto que sejas mãe de um amor nobre e fecundo…
Serás sempre uma lembrança, que o amor é uma esperança…
Nas torpes paragens do mundo.
Guardo neste mar adentro rumores de sentimento no abraço para te dar…
Quando por fim o momento, for o produto do tempo…
Hora de nos encontrar.
Vou nas minhas revoluções, lirismos, manifestações, que nunca presente o tive…
Minha meta é o futuro, onde o Junho já maduro…
Espera o Outono furtivo.

Submited by

domingo, maio 9, 2010 - 16:20

Poesia :

No votes yet

Lapis-Lazuli

imagem de Lapis-Lazuli
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 5 anos 48 semanas
Membro desde: 01/12/2010
Conteúdos:
Pontos: 1178

Comentários

imagem de PMPM

Re: Alegoria dos ausentes

Lirico, no entanto muito conciso,
Sonhador, sem deixar de ir direito ao assunto,
Pesado no desenvolvimento literário, e bem realista.

Delirios, verdadeiros! (vindos de dentro, sofridos por fora e vice-versa) Que fazem-me rejubilar por entre linhas, de prazer na sua degustação, dos sabores e disabores!

Dissabores que, recolheis e dessiminais de forma indulgente, sem no entanto, que percam a sua forma "adulta", amudurecida, de nos mostrar o quão grande é a sua desilusão, o seu sofrimento, o seu "amor", os seus pesares.

Que no fim de contas mostra-nos o seu olhar sobre as pequenas e as grandes coisas à sua volta, este sitio onde vivemos...

No fim de cada leitura, como se de uma epifania tivesse-mos de fronte (a enfrentar), epifania em forma de "o inverso de utopia" a realidade vivenciada.

É isto! O que sinto ao le-lo.
É para mim um prazer.

E já agora, gostei do "Alegoria dos ausentes".
Pedro

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Lapis-Lazuli

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Fotos/ - 3517 1 1.935 03/13/2018 - 21:32 Português
Poesia/Aforismo In Vapore Sano 4 1.360 03/13/2018 - 21:32 inglês
Poesia/Aforismo Era só isto que eu queria dizer 1 1.081 02/27/2018 - 10:22 inglês
Poesia/Aforismo salgo :33 Isaías sonha que aos fala aos camones 0 1.028 06/20/2014 - 15:41 inglês
Poesia/Geral Boca Do Inferno 0 4.645 07/04/2013 - 22:44 Português
Poesia/Pensamentos veludo 3 1.720 05/15/2013 - 17:34 Português
Poesia/Aforismo Segundo Reza a Morte 0 1.208 10/04/2011 - 17:19 Português
Poesia/Meditação Fumo 0 1.456 09/23/2011 - 12:00 Português
Poesia/Aforismo De olhos fechados 3 1.872 09/20/2011 - 22:11 Português
Poesia/Aforismo Tundra 0 1.587 09/20/2011 - 16:36 Português
Poesia/Meditação Vazio 3 1.687 09/16/2011 - 11:00 Português
Poesia/Aforismo Intento 0 1.093 09/05/2011 - 16:52 Português
Poesia/Aforismo Palma Porque sim...Minha Senhora da Solidão 0 1.323 08/29/2011 - 11:13 Português
Poesia/Aforismo Editorial 0 1.429 08/29/2011 - 11:08 Português
Poesia/Pensamentos Ermo Corpo Desabitado 0 1.599 08/29/2011 - 11:04 Português
Poesia/Aforismo Dos passos que fazem eco 1 1.214 06/21/2011 - 22:06 Português
Poesia/Meditação Autoretrato sem dó menor 3 2.248 03/28/2011 - 23:34 Português
Poesia/Aforismo Todo o mundo que tenho 2 1.540 03/09/2011 - 08:23 Português
Fotos/ - 3516 0 2.692 11/24/2010 - 00:55 Português
Fotos/ - 3518 0 2.612 11/24/2010 - 00:55 Português
Fotos/ - 2672 0 3.765 11/24/2010 - 00:51 Português
Prosas/Outros A ultima vez no mundo 0 1.231 11/18/2010 - 23:56 Português
Prosas/Outros Os filhos de Emilia Batalha 0 1.549 11/18/2010 - 23:56 Português
Poesia/Desilusão Veredictos 0 1.201 11/18/2010 - 16:41 Português
Poesia/Intervenção Nada mais fácil que isto 0 1.633 11/18/2010 - 16:41 Português