CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Bairro do fim do mundo

Na entrada do jardim iniciava o princípio do mundo.
O recorte dos canteiros, ensombravam meios metros de calçada, que desalinhavam em redondos, um xadrez de pedras pretas e brancas que se encovavam com a erosão e se fechavam em labirintos geométricos.
No princípio do mundo, erguiam-se eucaliptos que elevavam copas sombrias e reflectiam em desenhos brisas gentis.
Rumores de ventos e sois, a concluir a fotossíntese das coroas concertadas de amarelos, vermelhos e violetas, que compunham em harmonia o palco de um teatro de insectos e pombos que bebiam água no lago.
Sobre umas mesas que tinham sido plantadas antes do sol me ser luz, o adorno dos tampos em cimento contavam histórias sem meada de pássaros que voavam estáticos em gaiolas de ladrilho que jogavam dominó com os velhos em espera…
O princípio do mundo acabava onde começava o fim do mundo.
Criei-me entre o jardim do princípio e o bairro do fim.
Sempre assimilei com discrição e silêncios, o que era assimétrico entre a serenidade dos pássaros em canto livre do meu jardim sonolento e o frenesim que embarrancava apelos e gritos no bairro do fim do mundo.
Era me estranho e novo de cada vez que a bola chutada com auxilio da brisa e dos apelos, transpunha o jardim e eu me encontrava de corpo crescido a extasiar entre barracas e pobres quase que fascinado com a miséria do mundo envolto em poeira.
Como que por magia, ou assuntos mal resolvidos com a noção do destino, apareciam atrás da bola crianças crescidas que ficavam num deambulo hipnótico a jogar no meio do pó.
Começamos, primeiro por acidente a ir buscar a bola…
Depois, apareceram mais crianças para jogar, o jardim tornou-se pequeno no dominó que embrutecia os dias em espera…
Os pássaros, os velhos, a calçada em xadrez e a fotossíntese da vida, esmoreceram…
O princípio do mundo ficou vazio.
No fim do mundo, encontrava-se de toda a gente…os betos de Cascais impressionados com a adrenalina provocada por jogar na poeira e fartos da rotina que enchia o verão nos seus vagares burgueses, entre a Rua Direita e a Baía a olhar o mar,
as queridas “avant-gard” da linha que habitavam em apartamentos classe média alta, em Oeiras ou Paço de Arcos , os pescadores de Caxias que assobiavam com o cigarro na boca ladainhas imperceptíveis que só os ciganos do bairro entendiam, filhos de empresários do Estoril, empresários do Estoril e uma mescla de liceais e vadios, que davam vida ao fim do mundo e sentido ao jogo.
O fim do mundo era uma espécie de Casbah da linha, dada a delírios consumistas que enfeitavam as almas de cores…castanha e branca.
Não havia noite nem dia no fim do mundo e as crianças crescidas já não dormiam nem paravam no jardim.
O jogo não parava, não cansava, não amávamos, não riamos, não chorávamos, não falávamos…jogávamos e jogávamos, lesionados, com os braços em ferida, com os pés inchados, com a barriga vazia e a morte ao lado, os ciganos a gritar, suplentes a vomitar, as betas possuídas as queridas que se vendiam, os empresários empobrecidos, o bairro entristecido carregado de mortos vivos…que não jogavam dominó!
A praia ali em baixo…e o meu jardim vazio.
Estou agora sentado…
A entrada do jardim inicia o princípio do mundo.
O recorte dos canteiros, ensombram meios metros de calçada, que desalinham em redondos, um xadrez de pedras pretas e brancas que se encovam com a erosão e se fecham em labirintos geométricos.
No princípio do mundo, erguem-se eucaliptos que elevam copas sombrias e reflectem em desenhos brisas gentis.
Rumores de ventos e sois, a concluir a fotossíntese das coroas concertadas de amarelos, vermelhos e violetas, que compõem em harmonia o palco de um teatro de insectos e pombos que bebem água no lago.
Sobre umas mesas que foram plantadas antes do sol me ser luz, o adorno dos tampos em cimento contam histórias sem meada de pássaros que voam estáticos em gaiolas de ladrilho que jogam dominó com os velhos em espera…
Tem de haver o momento em paramos de jogar.
Há o momento que paramos de jogar.
Estou de novo sentado no jardim…há mais de uma década que tento aprender o dominó...sem nunca aprender!
Já não levo a bola...
Mas sempre que vejo uma criança a crescer, para chutar com força…Corro a agarra-la.
Para que possa correr pelas alamedas da vida, sem nunca se perder na poeira dos dias.
Nos bairros do fim do mundo...empoeirados pela tristeza.

Submited by

quinta-feira, abril 1, 2010 - 23:54

Poesia :

No votes yet

Lapis-Lazuli

imagem de Lapis-Lazuli
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 5 anos 49 semanas
Membro desde: 01/12/2010
Conteúdos:
Pontos: 1178

Comentários

imagem de Henrique

Re: Bairro do fim do mundo

Bom poema!!!

:-)

imagem de cecilia

Re: Bairro do fim do mundo

Amigo poeta, a cada frase que leio perco-me nas mil interpretações fantásticas a qual viajo em meditação.
O jogo da vida sempre nos levará ao fim do mundo, cabe a nós transforma-la em jardim florido ou pó.

Favoritos nele.

Beijos
Cecilia Iacona

imagem de robsondesouza

Re: Bairro do fim do mundo

Lindo texto!!

Entre o jardim do ínicio e o bairro do fim há um grande poeta!

Abraços, Robson!

imagem de vitor

Re: Bairro do fim do mundo

Este texto poético é simplesmente fabuloso meu caro Lapis-Lazuli!
Tem tudo.Forma poética, prosa corrente, conteúdo, tudo o que um grande autor faz quando ganha um Óscar.
Claro, por vezes não acontece porque o júri está viciado.
Gostei muito.
Abraço.

Vitor.

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Lapis-Lazuli

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Fotos/ - 3517 1 1.936 03/13/2018 - 21:32 Português
Poesia/Aforismo In Vapore Sano 4 1.360 03/13/2018 - 21:32 inglês
Poesia/Aforismo Era só isto que eu queria dizer 1 1.084 02/27/2018 - 10:22 inglês
Poesia/Aforismo salgo :33 Isaías sonha que aos fala aos camones 0 1.028 06/20/2014 - 15:41 inglês
Poesia/Geral Boca Do Inferno 0 4.647 07/04/2013 - 22:44 Português
Poesia/Pensamentos veludo 3 1.722 05/15/2013 - 17:34 Português
Poesia/Aforismo Segundo Reza a Morte 0 1.208 10/04/2011 - 17:19 Português
Poesia/Meditação Fumo 0 1.457 09/23/2011 - 12:00 Português
Poesia/Aforismo De olhos fechados 3 1.873 09/20/2011 - 22:11 Português
Poesia/Aforismo Tundra 0 1.588 09/20/2011 - 16:36 Português
Poesia/Meditação Vazio 3 1.688 09/16/2011 - 11:00 Português
Poesia/Aforismo Intento 0 1.094 09/05/2011 - 16:52 Português
Poesia/Aforismo Palma Porque sim...Minha Senhora da Solidão 0 1.324 08/29/2011 - 11:13 Português
Poesia/Aforismo Editorial 0 1.430 08/29/2011 - 11:08 Português
Poesia/Pensamentos Ermo Corpo Desabitado 0 1.602 08/29/2011 - 11:04 Português
Poesia/Aforismo Dos passos que fazem eco 1 1.214 06/21/2011 - 22:06 Português
Poesia/Meditação Autoretrato sem dó menor 3 2.250 03/28/2011 - 23:34 Português
Poesia/Aforismo Todo o mundo que tenho 2 1.541 03/09/2011 - 08:23 Português
Fotos/ - 3516 0 2.695 11/24/2010 - 00:55 Português
Fotos/ - 3518 0 2.613 11/24/2010 - 00:55 Português
Fotos/ - 2672 0 3.765 11/24/2010 - 00:51 Português
Prosas/Outros A ultima vez no mundo 0 1.231 11/18/2010 - 23:56 Português
Prosas/Outros Os filhos de Emilia Batalha 0 1.549 11/18/2010 - 23:56 Português
Poesia/Desilusão Veredictos 0 1.202 11/18/2010 - 16:41 Português
Poesia/Intervenção Nada mais fácil que isto 0 1.633 11/18/2010 - 16:41 Português