CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Corpo de devaneios

"Quando nasceste,
certamente a terra tremeu!
E ali nasceu meu doce amor.
Os céus se fecharam e as estrelas se viraram
para que viesses à luz com todo teu fulgor.
Cresceste guiada por Deus e por Satã.
O Bem e o Mal em ti viviam como num clã.
Sempre te aproveitaste de tuas belas formas.
Soubeste sempre dominar-nos todos.
Eras um diabo a me perseguir e a me atormentar,
mas, sabias ser uma deusa para algo alcançar.
Sempre te diziam que a generosa natureza que te proveu as perfeitas formas
era a mesma mãe do tempo que te consumiria impiedosamente...
e que o tempo te mostraria o caminho.
Como podias ser juiz e réu com tanta facilidade como quando trocavas de humor?
Como podias enfeitiçar tanto minha alma com seu invisível véu de dor?
Eras distante como o mais secreto dos sentimentos e tão próxima quanto a maior das dores!
Se acalmasses as águas de teus sentidos, poderia navegá-los e compreendê-los, mas eras turva!
Dominavas a arma da linguagem e da expressão como ninguém!
Tua persuasão era a mais letal de tuas artimanhas!
Sabias que eu era desordem, mas não querias me arrumar.
Sabias que eu estava despedaçado, mas não querias me consertar.
Ainda que me fazias teu capacho, por vezes tinhas nojo até de me pisar!
E, mesmo quando me fazias teu rei, ainda assim sabias meu reino dominar.
Quando envelheceste ainda tinhas a juventude e a beleza de quando moça.
Agora que não tens mais sentido algum e não podes dominar a mais ninguém,
o que fará teu espírito vagando por entre nós sem que possamos perceber sua presença?
Estás tão linda com a tez mais branca que já possuíras!
Com o branco frio da gélida paz, jazes em teu eterno leito.
Que tudo que eu faça seja louvável!
Que tudo que eu faça seja compatível
com o que ainda não existe,
com o que ainda é inimaginável!
Que tudo que eu veja seja inimitável!
Que tudo que eu veja seja invisível!
Pois, tudo o que vemos é pouco e ainda temos muito a descobrir.
Vai em paz, minha querida..."

[size=xx-small][font=Courier]Vejam também os meus outros textos, comentem, ficarei feliz em receber comentários.[/font][/size]

Submited by

sexta-feira, maio 28, 2010 - 20:59

Poesia :

Your rating: None (2 votes)

MaynardoAlves

imagem de MaynardoAlves
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 5 semanas 5 dias
Membro desde: 05/02/2010
Conteúdos:
Pontos: 597

Comentários

imagem de MaynardoAlves

Corpo de devaneios

Personagem diante do caixão onde jaz sua amada; sofrendo pela perda recente do amor de sua vida, mas também aliviado.

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of MaynardoAlves

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Aforismo O vinhedo universal 1 477 02/06/2020 - 14:39 Português
Poesia/Meditação Metamorfose filosófica: bênção ou maldição? 1 482 12/03/2018 - 16:23 Português
Poesia/Intervenção Aos vivos que ficam ou Epitáfio II 1 585 10/09/2018 - 13:41 Português
Poesia/Geral Meu pequeno depoimento em prol do ateísmo 0 560 09/26/2018 - 01:17 Português
Poesia/Geral Revolucionário... revolucionário!? 1 530 09/25/2018 - 18:12 Português
Prosas/Outros Meu pequeno depoimento em prol do ateísmo 0 628 09/19/2018 - 20:13 Português
Poesia/Meditação O legado de um filósofo 1 496 09/17/2018 - 20:45 Português
Poesia/Intervenção Os novos mandamentos (ou melhor, conselhos) 1 692 08/29/2018 - 00:53 Português
Poesia/Fantasia O jardim de Epicuro 1 696 08/22/2018 - 17:14 Português
Poesia/Tristeza Em (des)construção 1 600 08/10/2018 - 15:46 Português
Poesia/Tristeza Máquina do tempo 1 636 08/08/2018 - 17:28 Português
Poesia/Tristeza Valores familiares 1 701 08/08/2018 - 17:21 Português
Poesia/Pensamentos Um lugar para chamar de seu 1 671 08/08/2018 - 17:14 Português
Poesia/Meditação Humilde-se! 1 663 05/21/2018 - 12:41 Português
Poesia/Tristeza Um inferno (para um poeta) 1 805 05/21/2018 - 12:34 Português
Prosas/Outros Onde? 2 617 03/08/2018 - 18:41 Português
Poesia/Comédia Meu amigo ócio 4 663 03/06/2018 - 16:20 Português
Poesia/Geral Promessas para uma vida nova 2 810 03/05/2018 - 21:09 Português
Poesia/Meditação Se Deus existisse... 4 722 03/05/2018 - 20:56 Português
Poesia/Intervenção Onde? 18 963 01/03/2018 - 19:28 Português
Poesia/Meditação Um instante infinito 1 767 11/17/2017 - 15:00 Português
Poesia/Desilusão Ainda no exílio (desde os dias de Gonçalves Dias) 1 745 11/08/2017 - 12:38 Português
Poesia/Canção Sem título (por luto) 1 725 10/27/2017 - 15:34 Português
Poesia/Geral Mensagem 1 765 03/27/2017 - 14:50 Português
Poesia/Aforismo O exagero de Sócrates 0 585 10/14/2016 - 20:50 Português