CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Da dor e amor de escrever: um metapoema

A matéria prima para as estórias
reside em nossas experiências.
E a (in)felicidade das transcendências
alimentam chamas alucinatórias.
Os possíveis rumos de uma trajetória
definem o ritmo, os sons, a cadência
e o pleno sucesso ou total desfalência
da prosa ou do verso trazem (ou não) glória.

No oceano branco de papel virgem,
as letras navegam, flutuam, velozes.
Amigas às vezes, por vezes algozes,
nos causam suspiros, nos causam vertigem.
Os olhos dos leigos, contendo fuligem,
ao lerem as letras, não ouvem as vozes
que gritam palavras de contos ferozes,
de paixões selvagens ou amores virgens.

A matéria prima para as estórias
são tantas quanto as imaginemos.
Podem ser lâminas, soltas aos ventos
quando são chulas, calão de escórias.
Do escritor é a função oratória
de falar sem som aos leitores atentos.
E os olhos destes buscam alento,
em palavras de breve cura ilusória.

Leitores, com prática, aprendem o ofício
de dar ao seus pares do mesmo remédio
que, tempos em tempos, os livra do tédio
de viver a vida vazia e difícil.
Leitura e escrita como exercício
eleva o mais bruto, o mais baixo e o médio.
A repressão torna-se um sacrilégio.
A prolação é um divino artifício.

Submited by

quinta-feira, outubro 3, 2013 - 14:34

Poesia :

Your rating: None (2 votes)

MaynardoAlves

imagem de MaynardoAlves
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 20 semanas 4 dias
Membro desde: 05/02/2010
Conteúdos:
Pontos: 597

Comentários

imagem de MaynardoAlves

Da dor e amor de escrever: um metapoema

Reflexões sobre o ofício do escritor: suas dores e seus amores; apontando para a possibilidade de qualquer um também poder ser escritor, desde que se deixe ser.

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of MaynardoAlves

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Aforismo O vinhedo universal 1 822 02/06/2020 - 13:39 Português
Poesia/Meditação Metamorfose filosófica: bênção ou maldição? 1 826 12/03/2018 - 15:23 Português
Poesia/Intervenção Aos vivos que ficam ou Epitáfio II 1 851 10/09/2018 - 12:41 Português
Poesia/Geral Meu pequeno depoimento em prol do ateísmo 0 708 09/26/2018 - 00:17 Português
Poesia/Geral Revolucionário... revolucionário!? 1 699 09/25/2018 - 17:12 Português
Prosas/Outros Meu pequeno depoimento em prol do ateísmo 0 898 09/19/2018 - 19:13 Português
Poesia/Meditação O legado de um filósofo 1 717 09/17/2018 - 19:45 Português
Poesia/Intervenção Os novos mandamentos (ou melhor, conselhos) 1 989 08/28/2018 - 23:53 Português
Poesia/Fantasia O jardim de Epicuro 1 937 08/22/2018 - 16:14 Português
Poesia/Tristeza Em (des)construção 1 861 08/10/2018 - 14:46 Português
Poesia/Tristeza Máquina do tempo 1 908 08/08/2018 - 16:28 Português
Poesia/Tristeza Valores familiares 1 973 08/08/2018 - 16:21 Português
Poesia/Pensamentos Um lugar para chamar de seu 1 924 08/08/2018 - 16:14 Português
Poesia/Meditação Humilde-se! 1 913 05/21/2018 - 11:41 Português
Poesia/Tristeza Um inferno (para um poeta) 1 1.071 05/21/2018 - 11:34 Português
Prosas/Outros Onde? 2 866 03/08/2018 - 17:41 Português
Poesia/Comédia Meu amigo ócio 4 948 03/06/2018 - 15:20 Português
Poesia/Geral Promessas para uma vida nova 2 1.112 03/05/2018 - 20:09 Português
Poesia/Meditação Se Deus existisse... 4 949 03/05/2018 - 19:56 Português
Poesia/Intervenção Onde? 18 1.279 01/03/2018 - 18:28 Português
Poesia/Meditação Um instante infinito 1 986 11/17/2017 - 14:00 Português
Poesia/Desilusão Ainda no exílio (desde os dias de Gonçalves Dias) 1 1.067 11/08/2017 - 11:38 Português
Poesia/Canção Sem título (por luto) 1 989 10/27/2017 - 14:34 Português
Poesia/Geral Mensagem 1 1.018 03/27/2017 - 13:50 Português
Poesia/Aforismo O exagero de Sócrates 0 826 10/14/2016 - 19:50 Português