CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Música

Filosofar com notas, cantar ideias,
medir o tempo, contar pulsações.
Escrever um texto, criar melodias,
ler um bom livro, ouvir boas canções.
Ouvir de corpo inteiro, sem apartar os sentidos,
suspender pré-conceitos, alinhar sentimentos.
Que os pensamentos se tornem abstratos
promovendo a orgia dos conhecimentos.

Escrever ouvindo e ouvir escrevendo.
Tocando a vida em um acorde maior.
Já é meio-dia, não há sombras no ar
que vibra mais livre e soa melhor.
Que o ritornelo do eterno retorno
me ajude a compor e a executar
os sons do destino e os sons do improviso
que o além-do-homem há de admirar.

Num estado de graça, me ponho a deitar
sobre o manto da terra para esquecer
um pouco da vida e respiro do ar
que sopra dos céus a nos fortalecer.
As águas que fluem dentro de meu ser
acalmam-se e transitam vagando sem rumo.
Meus olhos se fecham e meu cérebro dorme
e medito num sono infinito e profundo.

Enxergo só as sombras e os tons de escuro.
Aquarela de tons transparentes se forma.
O invisível e o abstrato se fundem de vez
e, ao repouso total, meu corpo retorna.
Meus tímpanos, adormecidos, não vibram.
Somente o silêncio pairando no ar...
O pulsar de meu peito e o ranger de meus ossos
diminuem e chegam quase a parar...

...

De repente, o choro do violino me invade.
Percebo que estou a ouvir algo divino.
O som muito calmo e suave, bem baixo,
põe-me num delírio de paz infinito.
As notas deslizam pelo ar pesado
nas linhas de partituras invisíveis.
Ora são calmas as frases tocadas,
ora nervosas, sempre inesquecíveis.

Um violoncelo chega de mansinho;
triste e cabisbaixo, me chama a atenção.
Grave ao extremo, falando bem baixo,
segurando a base da linda canção.
Sempre por baixo, quase inaudível,
quase não o ouço, apenas o sinto.
Cordas que vibram em baixa frequência,
embriagando-me como o absinto.

Címbalos batem sutis e sem pressa,
organizando o compasso das notas.
Um sino badala ao tempo da batida,
que ora é perfeita, ora é torta.
Um tambor bate lento como um coração
que está falecendo num ser moribundo.
O ritmo é lento e a batida disforme;
e quando o ouvimos, o som é profundo.

Um bandolim dedilhado e alegre
chega solando ao compasso complexo.
Vendo a tristeza do violoncelo
seu solo se mostra tocado e perplexo.
A harpa não deixa o bandolim sozinho
e encoraja-o e também o violoncelo se atenta.
Há um desafio amigável no ar
em que solos de cordas se alternam em contenda.

A flauta, suave, transversa e brilhante,
divina harmonia e doce melodia,
domina o contexto, agita e acalma,
traz felicidade, traz melancolia.
O rouco soar de seu ventos atiça
o piano sublime com lindos arranjos.
Suas teclas divinas (marfins e ébanos)
só se comparam ao canto dos anjos.

Mil vozes em coro cantando mil notas
formando um feixe de sons infinitos,
se fundem com todos os timbres do mundo
criando em uníssono os sons mais bonitos.
Sons naturais e, outros, modificados;
não há intenções de se impor interesses.
De todas as formas de se fazer música,
compartilhar é o maior dos prazeres.

Então, todos os sons se alinham no tempo
num sincronismo total e infinito.
Direcionam o poder e me influenciam
num feixe sonoro de poder divino.
No auge do contentamento me encontro
e próximo ao firmamento me guiam.
As notas, batidas, os sopros, badalos
transportam-me aos céus de onde a luz irradia.

Desta experiência pude comprovar
que a música pode nos fazer sonhar.
A arte dos sons nos altera e transforma;
faz-nos viajar, nos carrega e transporta.
A relação entre o tempo e o espaço
desaparece e em imortal me faço.
Voo para longe ou adentro meu ser
e volto, num instante, a normal parecer.

[size=xx-small][font=Courier]Vejam também os meus outros textos, comentem, ficarei feliz em receber comentários.[/font][/size]

Submited by

quarta-feira, junho 2, 2010 - 03:05

Poesia :

Your rating: None (3 votes)

MaynardoAlves

imagem de MaynardoAlves
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 6 semanas 16 horas
Membro desde: 05/02/2010
Conteúdos:
Pontos: 597

Comentários

imagem de MaynardoAlves

Música

Pequena e singela tentativa de descrever o poder que a música exerce sobre mim.

imagem de Susan

Re: Música

Esse poema remete a sensação profunda ocorrida no Nirvana,assim chamado pelos Hindus .
Um estado de graça tão profundo que é quase inatingível .
Muito Bom !!!
Abraços
Susan

imagem de Patyzinha

Re: Música

totalmente fascinante .

imagem de MaynardoAlves

Re: Música

Muito obrigado pela leitura e pelo comentário.

Que bom que gostou!

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of MaynardoAlves

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Aforismo O vinhedo universal 1 477 02/06/2020 - 14:39 Português
Poesia/Meditação Metamorfose filosófica: bênção ou maldição? 1 485 12/03/2018 - 16:23 Português
Poesia/Intervenção Aos vivos que ficam ou Epitáfio II 1 588 10/09/2018 - 13:41 Português
Poesia/Geral Meu pequeno depoimento em prol do ateísmo 0 563 09/26/2018 - 01:17 Português
Poesia/Geral Revolucionário... revolucionário!? 1 535 09/25/2018 - 18:12 Português
Prosas/Outros Meu pequeno depoimento em prol do ateísmo 0 633 09/19/2018 - 20:13 Português
Poesia/Meditação O legado de um filósofo 1 498 09/17/2018 - 20:45 Português
Poesia/Intervenção Os novos mandamentos (ou melhor, conselhos) 1 700 08/29/2018 - 00:53 Português
Poesia/Fantasia O jardim de Epicuro 1 700 08/22/2018 - 17:14 Português
Poesia/Tristeza Em (des)construção 1 603 08/10/2018 - 15:46 Português
Poesia/Tristeza Máquina do tempo 1 638 08/08/2018 - 17:28 Português
Poesia/Tristeza Valores familiares 1 708 08/08/2018 - 17:21 Português
Poesia/Pensamentos Um lugar para chamar de seu 1 674 08/08/2018 - 17:14 Português
Poesia/Meditação Humilde-se! 1 666 05/21/2018 - 12:41 Português
Poesia/Tristeza Um inferno (para um poeta) 1 809 05/21/2018 - 12:34 Português
Prosas/Outros Onde? 2 621 03/08/2018 - 18:41 Português
Poesia/Comédia Meu amigo ócio 4 663 03/06/2018 - 16:20 Português
Poesia/Geral Promessas para uma vida nova 2 814 03/05/2018 - 21:09 Português
Poesia/Meditação Se Deus existisse... 4 725 03/05/2018 - 20:56 Português
Poesia/Intervenção Onde? 18 968 01/03/2018 - 19:28 Português
Poesia/Meditação Um instante infinito 1 769 11/17/2017 - 15:00 Português
Poesia/Desilusão Ainda no exílio (desde os dias de Gonçalves Dias) 1 750 11/08/2017 - 12:38 Português
Poesia/Canção Sem título (por luto) 1 729 10/27/2017 - 15:34 Português
Poesia/Geral Mensagem 1 766 03/27/2017 - 14:50 Português
Poesia/Aforismo O exagero de Sócrates 0 586 10/14/2016 - 20:50 Português